Consumo ilegal: 61 cachorros para abate são resgatados no Camboja

Por

O consumo de carne de cachorro é ilegal na província. 61 animais foram resgatados.

A criação de cães e gatos para abate é popular no Extremo Oriente, mas o costume vem decaindo nos últimos anos FELIZMENTE, especialmente depois que a China reclassificou estas espécies como animais de estimação, em junho de 2020. O consumo ilegal continua sendo um negócio rentável, mas 61 cachorros foram resgatados e se livraram da morte certa.

A apreensão ocorreu em Siem Reap, em uma ação do Departamento de Agricultura, Pesca e Florestas, que contou com o apoio da Polícia da província. A ação foi realizada em 21/02/21 e o motorista da van que conduzia os 61 cachorros – em gaiolas superlotadas – foi preso em flagrante.

Cachorros de abate
CRÉDITO: FOUR PAWS/KIM CHHAY

O resgate

A van foi interceptada pelos agentes da polícia quando deixava a cidade de Siem Reap. Os 61 cachorros, que estavam presos em apenas seis gaiolas, foram imediatamente libertados e conduzidos para uma área de controle. Não é possível saber quanto tempo os cachorros permaneceram presos.

As ONGs “Animal Rescue Cambodia” e “Paw Patrol Cambodia”, associadas ao grupo “Four Paws” (“Quatro Patas”, em português), acompanharam a operação policial e providenciaram atendimento médico imediato para os 61 cachorros, que estavam famintos e apavorados.

A Four Paws já identificou uma frota de vans adaptadas com gaiolas que está atuando na província. A organização calcula que quase quatro mil cachorros sejam transportados mensalmente para outras áreas do país.

cachorros resgatados
CRÉDITO: FOUR PAWS/KIM CHHAY

Esta foi a primeira grande apreensão de cachorros em Siem Reap ocorrida desde a proibição formal da criação, abate e consumo de cães e gatos na província, determinada pelo governo em 2020.

A maioria dos abatedouros de cães está instalada em Kampong Cham e Kampong Thom, duas províncias da região central do Camboja onde o consumo continua permitido por lei. Os animais são criados clandestinamente no norte do país ou contrabandeados da Tailândia, Vietnã e Laos.

A salvo

Uma equipe de veterinários avaliou todos os animais, que já foram vacinados e medicados. A maioria dos pets era de vira-latas, mas a presença de alguns cães de raça indica que eles podem ter sido seqüestrados.

Quase todos os animais são jovens e apresentam sinais de desidratação, desnutrição e insolação. Eles estão sendo vermifugados e serão colocados para adoção assim que recuperarem a saúde.

A província

Siem Reap é um ponto turístico no noroeste do Camboja, um país da Indochina (sudeste da Ásia). A cidade é a porte de entrada para Angkor, sede do Reino do Khmer entre os séculos 9º e 15. As ruínas de Angkor, que incluem um templo bem preservado, atraem mais de dois milhões de turistas a cada ano.

A província em que se situa Siem Reap foi a primeira região do Camboja a proibir a criação, abate e consumo de cachorros e gatos. O decreto foi promulgado em agosto de 2020, dois meses depois de a China ter reclassificado os peludos como mascotes. Mesmo assim, os matadouros clandestinos continuam desenvolvendo as suas atividades.

O grupo ativista Four Paws, que atua na defesa dos direitos dos animais, estima que três milhões de cachorros sejam consumidos anualmente pelos cambojanos. Siem Reap é o principal centro fornecedor de carne de cachorro para o país – o principal consumidor é Phnon Pehn, a capital do país. Mais de cem restaurantes instalados na cidade mantêm a “iguaria” no cardápio.

A proibição implica advertência para quem for pego vendendo carne de cachorro. Em uma segunda ocorrência, é aplicada uma multa. No caso de 21/02, o motorista foi preso em flagrante porque ficou caracterizada a tentativa de burlar a legislação.

O governo do país vem desenvolvendo campanhas para desestimular o consumo de carne de cachorro no país. Muitas organizações internacionais pressionam o Camboja, mas o abate continua ocorrendo, assim como em países vizinhos, como o Vietnã e o Laos.