Diariamente, cães saem de suas casas e acabam se perdendo nas ruas repletas de cheiros e novidades. A busca por esses animais deve começar logo nas primeiras horas para poder ter um final feliz.

As ruas estão cheias deles. Caminham sem rumo, sem cuidados, vivendo a mercê do destino. São de todas as raças. Fugidos de suas casas, perdidos ou abandonados. Cada um carrega uma história que nem sempre terá um final feliz.

Só quem já perdeu seu companheiro de quatro patas consegue entender o desespero de quem chega no quintal e não encontra mais o seu cão.

Mel é uma pitbull branca, de uns 30 quilos, muito elétrica, saudável e amada por seus donos. Mas a ignorância de quem não conhece e não respeita a raça ocasionou muito sofrimento para a família.

Encontro emocionante entre Mel e sua dona.
Encontro emocionante entre Mel e sua dona.

Era uma tarde de sol e Mel, junto com sua mãe e irmão, estava no canil de sua casa. Seus donos estavam para o trabalho. Um vizinho curioso e provavelmente, mal-intencionado, foi olhar para a casa onde os cães viviam, atitude que os deixou muito agitados e latindo bastante.

Existem pessoas que mesmo em silêncio conseguem emitir uma energia forte que pode incomodar até mesmo os cães. A presença dessas pessoas agita, irrita e perturba. Mas é uma situação tolerável, se pensarmos que também somos assim, algumas pessoas também nos irritam.

Porém, naquela tarde a irritação de Mel foi forte o suficiente para ela fugir do canil. Assustado, o rapaz curioso tentou atacar os cachorros com uma foice, atingindo o focinho de Mel, que se sentiu acuada e acabou fugindo. E foi aí que começou todo o desespero.

Seus donos, ao saberem do ocorrido, saíram em sua busca, em uma correria contra o tempo.

Segundo relatos, animais amedrontados e que não têm o costume de andar pelas ruas pode se distanciar muito de suas casas. O cheiro, barulho, pessoas, são novidades e confundem os sentidos do animal.

E foi isso que aconteceu com Mel. Ninguém da região a havia visto. Cada canto de rua foi vasculhado. Havia o medo de alguém matá-la por ser uma pitbull. O desespero perdurou e naquela noite ninguém conseguiu dormir.

Quando o cão se torna membro da família, as alegrias e tristezas são compartilhadas e todas as situações acabam sendo muito intensas.

O dia amanheceu e nenhum sinal, nenhuma novidade. As buscas continuavam, as esperanças de encontrá-la diminuíam e conter as lágrimas não era fácil. Ouviu-se histórias semelhantes onde os proprietários nunca mais reviram seus cães.

Até o telefone tocar…

Uma cadela branca, muito ferida, andava amedrontada pelo centro da cidade. Atrapalhava o trânsito e assustava por estar com a boca suja de sangue.

Imediatamente sua dona foi conferir a informação. Correu por onde a viram e, nada. Andou, andou e andou. Ao longe, em um posto de gasolina, um cão fraco bebia água dada pelo frentista. Ela correu como louca gritando por Mel. A pitbull levantou os olhos que brilharam como luz. Era Mel. Ela já não tinha mais forças para correr, as patas estavam feridas e resolveu aguardar por sua dona limitando-se em balançar o rabo. As duas se abraçaram em um silêncio comovente. As lágrimas se misturaram aos sorrisos. Mel, cansada de uma noite inteira vagando, fechou os olhos e descansou, deixando que sua dona cuidasse dela. O pior havia passado.

Em pouco tempo, Mel já estava recuperada das cicatrizes nas patas, focinho e na alma.
Em pouco tempo, Mel já estava recuperada das cicatrizes nas patas, focinho e na alma.

Felizmente essa história terminou bem. Mas quantos donos nunca mais encontraram seus cachorros? As histórias são muitas. Por isso é importante que todos se ajudem, divulguem, pois, aquele cãozinho que hoje vaga nas ruas pode ter um lar, um dono desesperado a sua procura.


1 COMENTÁRIO

  1. graças a ” DEUS “, a Mel foi encontrada e passa bem. Tem que processar esse babaca, que foi perturbar quem estava quieto, por maus tratos e invasão de domicílio…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui