As pessoas estão deixando gravetos no túmulo de cachorro que viveu há mais de 100 anos

Por: em

Pessoas do mundo inteiro vêm deixando gravetos no túmulo deste cachorro, que viveu há mais de cem anos. Entenda!

O Cemitério Greenwood foi fundado em 1838 e é um dos mais antigos de Nova York (EUA). É lá que repousam os restos mortais de Rex, um cachorro que viveu há mais de cem anos, cuja lealdade se tornou um símbolo visitado por milhares de pessoas todos os anos. 

Seguir Cães Online no Facebook

O cemitério ajardinado fica no sul do Brooklyn, um dos bairros mais tradicionais da cidade. Paul Goldberger, colunista da revista semanal The New Yorker, ja escreveu que, entre as tradições de Nova York, estão “morar na Quinta Avenida, respirar o ar do Central Park e descansar com os pais no Greenwood”, um dos cartões postais de Nova York. 

As pessoas estão deixando gravetos no túmulo de cachorro que viveu há mais de 100 anos

O túmulo 

A sepultura de Rex, no Greenwood. tem atraído mais visitantes do que as de muitos artistas, cientistas, políticos e até de mafiosos, como Albert Anastasia, um dos chefes da Cosa Nostra americana. Uma escultura de bronze indica o local que atrai milhares de visitantes. 

Veja também: Cachorra abandonada procura veterinário na hora de ter os seus filhotes e o pai fica na porta esperando

Rex foi representado deitado em uma plataforma de pedra, na qual está gravado o seu nome em letras garrafais, esmaecidas pelo tempo. Entre muitos anjos e cruzes, a escultura do cachorro fica em uma das esquinas formadas pelas alamedas do cemitério: as ruas Sycamore e Greenbough. O animal tem se mantido vigilante, guardando o jazigo do seu dono, por mais de cem anos. 

As pessoas estão deixando gravetos no túmulo de cachorro que viveu há mais de 100 anos

Rex pertenceu a John Edward Stow, um comerciante de frutas que morreu em 1884, aos 67 anos. Na época, a legislação local permitia que os animais de estimação fossem sepultados ao lado dos donos. Não se sabe quando a escultura foi instalada no túmulo, mas até hoje milhares de pessoas levam gravetos para o animal vigilante. 

Veja também: Policial compartilha guarda-chuva com cães de rua durante uma tempestade

A escultura do cachorro é visível do lado de fora do cemitério, a partir de duas vias que dão acesso ao Greenwood. O túmulo é um dos principais pontos de visitação. Além dos gravetos, a imagem de Rex também recebe fotos de animais de estimação: são pedidos para que o guardião do comerciante cuide também dos pets que se foram. 

A tradição começou há muito tempo, sem registros específicos. Acredita-se que as pessoas ofereçam gravetos para Rex porque ele se mantém um leal guardião do tutor: é um “bom menino” e tem direito a brincar de vez em quando – e o jogo mais simples entre caninos e humanos é atirar gravetos para o cão recolher. 

As pessoas estão deixando gravetos no túmulo de cachorro que viveu há mais de 100 anos

Nem é necessário providenciar os gravetos com antecedência: as árvores do Greenwood (termo que pode ser traduzido como “floresta verde”) oferecem material farto para os visitantes. Por isso, a escultura de bronze está sempre envolvida por presentes para Rex. 

Nos últimos meses, a visitação ao Greenwood aumentou, de acordo com a administração do local. A partir da pandemia de covid-19, muitas pessoas passaram a procurar lugares sem aglomerações para caminhar e descansar – e o cemitério tornou-se um lugar ideal. 

É também um local para os nova-iorquinos e os visitantes da cidade terem contato com a natureza. O cemitério é florido e o túmulo de Rex e seu tutor está localizado à sombra de uma árvore que atrai muita gente. 

Rex não é o único animal homenageado no cemitério, apesar de ser um dos mais populares. Nos quase 200 hectares de terreno do Greenwood, muitos restos mortais de outros animais de estimação também foram deixados ao lado dos de seus donos até 1879, quando os enterros de cães foram proibidos. 

As pessoas estão deixando gravetos no túmulo de cachorro que viveu há mais de 100 anos

Na verdade, não se sabe se Rex foi enterrado no túmulo que é decorado com a sua escultura. Provavelmente, quando o cachorro morreu, já não era mais permitida a inumação de animais no Greenwood (e nos demais cemitérios de Nova York). Da mesma forma, não há registros de quando o cão teria morrido, mas foi provavelmente depois da morte do dono. 

Este é um mistério local, que os visitantes gostam de preservar. A administração local também não tem planos de exumar os restos mortais para verificar se o cachorro realmente foi sepultado no Greenwood. Enquanto isso, a escultura de Rex permanece como uma homenagem à amizade entre os cães e seus tutores, que nem mesmo séculos pode desfazer. 

Quem visita o Cemitério Greenwood pode identificar o túmulo ainda do lado de fora, mas, para se localizar e deixar gravetos para o cão vigilante, John Edward Stow e Rex estão sepultados no lote 2.925, na seção 81.

Veja também: Cachorra com necessidades especiais e porquinha resgatada tornam-se melhores amigas

Gostou? Siga o Cães Online no Facebook, Instagram e Google News