Cachorra aprende a usar o elevador para fugir e passear

Por: em

Ela foge de casa e usa o elevador sozinha, sai e vai passear no condomínio. 

Esta cachorra mora em Fortaleza, a capital de Ceará, uma cidade que convida para a vida ao ar livre. E Cora – este é o nome da “meliante” – não gosta de ficar presa em casa, principalmente quando é deixada sozinha. 

Cora vive com os tutores em um apartamento, em um condomínio que oferece diversas opções de lazer e, ao que tudo indica, ela não pretende perder nenhuma dessas oportunidades. Ela aprendeu a fugir de casa, chamar o elevador e sair para passear. 

O flagrante 

De acordo com a tutora de Cora, Maria Eugênia Ventura, a cachorra aprendeu a forçar a porta de entrada do apartamento, o que exige muita técnica, já que a cadela não é de pequeno porte. Ela faz isso sempre que fica sem companhia. 

Cachorra aprende a usar o elevador para fugir e passear

Uma vez que ela ganha o corredor do edifício, a cachorra segue imediatamente para o elevador e chama com a pata ou o focinho. Cora também já descobriu qual é o botão que precisa apertar para ganhar a liberdade, e ela manda o elevador para o térreo sem nenhuma dificuldade. 

Eugênia Ventura está ficando famosa por causa das estripulias de Cora, que deve ser uma cachorra muito observadora, já que ninguém nunca a ensinou a chamar o elevador. Na primeira aventura canina, ela foi cientificada pelo porteiro, como disse ao portal UOL

“Eu estava com o meu marido, jantando na casa de uns amigos, quando recebi o telefonema do porteiro do prédio. Ele me ligou para informar que Cora estava passeando em pleno hall social do prédio”. 

A tutora, depois de voltar para casa e levar Cora de volta, instalou uma câmera no apartamento para vigiar as ações da cachorra. Maria Eugênia afirma que não tranca a porta de saída porque, desde quando Cora era filhote, ela arranha e danifica a fechadura.

Depois do flagrante, os tutores tentaram alguns truques para impedir as fugas de Cora. Uma série de objetos foi colocada junto à porta, sem sucesso. Eugênia descreve a situação: 

“Já colocamos mesa, cadeira, a cama dela, tudo. Nada adiantou. Da última vez em que a gente foi almoçar fora, o porteiro ligou novamente, avisando que Cora estava no campinho. Ela faz o passeio dela na hora que quer.” 

As aventuras de Cora estão sendo documentadas e postadas nas redes sociais. Eugênia deixou o celular gravando, saiu de casa e desceu para o hall. Em menos de cinco minutos, a cachorra já estava circulando livremente (dessa vez, ela foi atraída em direção à piscina do condomínio). 

A tutora parece estar se rendendo: “eu nunca tinha visto isso, agora não me canso de assistir. Já vi umas 30 vezes”. Parece que Cora terá que ficar presa a chave, para não correr riscos.