Cachorrinha resgatada espera todas as noites para que o pai a coloque na cama

Todas as noites, esta cachorrinha recém-resgatada espera que o tutor a ponha na cama.

Em geral, os cachorros são autoconfiantes, resistentes e sociáveis. As condições objetivas que a vida oferece, no entanto, podem abalar estas características. Esta cachorrinha é um bom exemplo: tímida e medrosa, ela espera, todas as noites que o tutor a coloque na cama.

Para Bailey, uma cachorra resgatada das ruas e adotada em um abrigo, ter uma doce noite de sonhos não é uma tarefa fácil. Depois de passar por maus bocados perambulando sozinha, ela precisa de ajuda. Felizmente, ela encontrou um humano disposto a ajudá-la a superar as dificuldades.

Cachorrinha resgatada espera todas as noites para que o pai a coloque na cama

A cachorra passou um período no Louie’s Legacy Animal Rescue, em Cincinnati, Ohio (leste dos EUA). Ela foi finalmente adotada por Mac Clenney e a esposa, que vivem em Nova York, distante mais de 1.000 quilômetros do abrigo. Até mesmo para chegar à casa definitiva, foi uma longa jornada para Bailey.

As noites de Bailey

Bailey é uma mestiça de basset hound. Ela é doce, amorosa e herdou dos cães da raça um olhar pidão quase irresistível. O tutor, Mac Clenney, encontrou-a em um abrigo e foi amor à primeira vista: foi impossível não levá-la para casa.

A cachorra, no entanto, tem medo de tudo. Ela se assusta com ruídos, movimentos bruscos e até com sombras. Para fortalecer a confiança da peluda, Mac Clenney estabeleceu uma rotina: todas as noites, antes de dormir, ele a envolve como um bebê e a leva para a cama.

O tutor percebeu que, sempre que se sentava no sofá e se cobria com uma manta, Bailey se mostrava mais tranquila, menos ansiosa. Era apenas um gesto corriqueiro, para assistir um pouco de TV para atrair o sono.

Cachorrinha resgatada espera todas as noites para que o pai a coloque na cama

Clenney descobriu que o fato de ficar enrolada nas cobertas acalmava a cachorra. Eles ficam juntos por uma hora ou duas no sofá e Bailey passou a se sentir mais segura e confortável: o movimento em torno diminuía, os barulhos cediam e a cachorra conseguia relaxar as tensões.

A história pregressa de Bailey não é conhecida, mas a cachorra deve ter passado por situações bastante desagradáveis no tempo em que permaneceu sozinha nas ruas. Não se sabe se ela sofreu maus tratos ou foi negligenciada, mas ela continuou demonstrando timidez e medo sem motivo.

Quando Mac Clenney conheceu a cachorra, a equipe do Louie’s Legacy confessou que Bailey era a cachorra mais assustada e tímida que estava abrigada. Os tutores precisariam fazer um grande esforço para fazê-la readquirir autoestima e confiança.

Cachorrinha resgatada espera todas as noites para que o pai a coloque na cama

Os novos tutores chegaram a contratar um especialista em comportamento canino, para ajudá-los na convivência com Bailey. Durante meses, no entanto, a cachorra se manteve arredia. Ela corria para se esconder sempre que via um humano se aproximando.

A descoberta de que as cobertas e o sofá ofereciam um ambiente seguro e confiável aconteceu por coincidência. Com a chegada do inverno, Mac Clenney ficava algumas horas à frente da TV, enrolado em uma manta. Bailey começou a se aproximar, até que teve coragem suficiente para se instalar ao lado do amigo.

Desde então, o tutor fica ao lado de Bailey algumas horas por dia, depois que chega do trabalho. A cachorra gradualmente começou a aceitar carinhos e agora dorme tranquila ao lado de Mac Clenney.

Cachorrinha resgatada espera todas as noites para que o pai a coloque na cama

Na hora de ir para a cama, porém, um ritual ainda é necessário: o tutor enrola Bailey no cobertor e a carrega no colo até a caminha. Mac Clenney fica ao lado da cachorra por alguns instantes, até que ela durma.

As imagens foram postadas nas redes sociais e viralizaram rapidamente. O tutor explicou a dinâmica familiar: “Fizemos isso uma vez como um estímulo na hora de dormir, ela se acostumou e decidimos repetir. Na manhã seguinte, quando acordamos, ela ainda está aninhada na cama”.

Desta maneira, a cachorra assustada conseguiu se adaptar à nova família. Ainda resta um longo caminho para que ela consiga circular pela casa ou passear pela vizinhança, mas o simples gesto de aconchegá-la na cama foi o suficiente para dar início ao despertar do equilíbrio e da autoconfiança.

Por enquanto, a família mantém o pequeno ritual diário: Bailey se aninha ao lado do tutor, passa horas desfrutando a companhia e, na hora do sono, é levada no colo até a cama. É possível que a cachorra esteja interpretando “um pouquinho”, mas todos estão felizes e em paz. É isto o que importa.

Postagens Relacionadas