Cachorro resgatado em incêndio se torna mascote do corpo de bombeiros

Por: em

Vítima de um incêndio, um cachorro pitbull acabou se tornando a mascote dos bombeiros. 

Jake, um cachorro preto e branco da raça pitbull, foi vítima de um incêndio que ocorreu em abril de 2015, em Charleston (Carolina do Sul, sudeste dos EUA). Ele era ainda um filhote e sofreu queimaduras graves. Felizmente, ele se recuperou totalmente e hoje é a mascote do quartel do Corpo de Bombeiros de Hanakan, cidade próxima a Charleston. 

O bombeiro William Lindler, de Hanakan, estava entre os chamados para atender a ocorrência. Em entrevista à rede ABC News, um ano depois do incêndio, Lindler disse que resgatou Jake de um galpão em chamas. De acordo com o oficial, o cachorro tinha apenas três semanas de idade na ocasião. 

Resgate, adoção e treinamento 

cachorro-resgatado-em-incendio-se-torna-mascote

No episódio, o cachorro sofreu queimaduras e inalou muita fumaça. O bombeiro afirmou ter encontrado Jake em um canto do galpão, já totalmente tomado pelas chamas. O animal não parecia estar nada bem. 

Já fora da estrutura incendiada, Lindler teve de aplicar respiração boca a boca no cachorro. Em seguida, colocou uma máscara de oxigênio e ficou observando a reação de Jake. Enquanto os bombeiros ainda se esforçavam para eliminar os focos de incêndio, o animal foi levado a uma clínica veterinária local. 

O médico disse a Lindler que as chances de Jake sobreviver eram pequenas. Afinal, ele era ainda um filhote muito pequeno, sofreu muitas escoriações e provavelmente tinha queimaduras internas. Mas o pequeno Jake era um bravo lutador. 

Lindler continuou acompanhando o caso. Em poucos dias, ele descobriu que os tutores de Jake não puderam arcar com as despesas médicas e acabaram abandonando o cachorro na clínica veterinária. Quando recebeu esta notícia, o bombeiro decidiu adotá-lo. 

A saúde de Jake não estava nada bem. Ele teve de receber antibióticos por mais de um mês, para superar as infecções secundárias que surgiram com as queimaduras. Para aliviar as dores, o cachorrinho chegou a receber doses de morfina. 

cachorro-resgatado-em-incendio-se-torna-mascote

Jake também precisava de massagens diárias na pele, para retirar as células mortas e estimular a regeneração do tecido epitelial. O animal chegou a receber terapia cutânea a laser, para induzir a cicatrização das feridas. 

Ao todo, foram quatro meses de internação. Ao fim desse período, Lindler finalmente levou Jake para casa, mas ele continuava precisando receber antibióticos e pomadas especiais. Mesmo com o tratamento e a dedicação, o pitbull ficou com cicatrizes permanentes. 

Lindler, no entanto, revelou ser o tutor “que todo cachorro pediu a Deus”. Nas entrevistas, ele brinca e minimiza os cuidados necessários, dizendo que precisa passar protetor solar sempre que Jake vai à praia. 

cachorro-resgatado-em-incendio-se-torna-mascote

No final de 2015, totalmente recuperado do incêndio, Lindler levou o filhote pela primeira vez à unidade dos bombeiros em Hanakan (que fica ao lado da prefeitura). O tutor conta que todos os oficiais se apaixonaram imediatamente por Jake. 

Até mesmo os funcionários da prefeitura, ao saber da presença da vítima recuperada, quiseram conhecer o cachorro. Jake se tornou uma celebridade instantânea, com direito a abraços, colo e muitos petiscos. 

Por fim, Jake foi oficialmente declarado bombeiro honorário de Hanakan, em cerimônia presidida pelo prefeito, e prestou juramento como mascote oficial do corpo de bombeiros. Desde então, o pitbull divide o tempo entre a casa de Lindler e o quartel. 

O cachorro foi treinado para detectar incêndios criminosos. O tutor conta que aproveitou a curiosidade natural de Jake, que vive bisbilhotando e farejando tudo que é novo e diferente, para estimulá-lo a encontrar evidências nas áreas de rescaldo. 

O treinamento consiste em esconder brinquedos para incentivar Jake a encontrá-los. O nível de dificuldade vai aumentando gradualmente, e hoje o pitbull é capaz de procurar evidências soterradas em escombros causados por incêndios. 

Jake se tornou bombeiro voluntário, mascote oficial e cão de detecção. Ele deve permanecer em serviço até 2022, quando terá direito a uma merecida aposentadoria – claro, na casa de Lindler, que não abre mão do parceiro. 

Lindler acredita que a atuação de Jake entre os bombeiros também é útil para mudar a percepção que as pessoas têm sobre os pitbulls. A raça é conhecida por ser agressiva e violenta, em função de um histórico ruim (os cães foram usados por muito tempo em lutas de animais), mas principalmente por causa do adestramento incorreto. 

O tutor afirma que Jake “é um cachorro muito amoroso e gentil, que nunca conheceu alguém de quem não gostasse”.