Cadela de rua doente que ninguém queria, foi resgatada e agora está muito feliz

Por: em

Esta é a história de Íris, uma cadela de rua com sarna que ninguém queria. Mas ela foi resgatada. Veja que história linda…

Ela tinha apenas cinco meses, mas já perambulava pelas ruas, sem nenhum tipo de acolhimento. A situação piorou quando os sinais de sarna ficaram evidentes na pelagem e na pele da cachorrinha, que afastavam ainda mais os possíveis interessados em adotá-la. Mas a história tem um final feliz e Íris foi finalmente resgatada. 

A cadela vivia nas ruas de Houston, uma das maiores cidades do Texas (EUA), famosa por abrigar um centro espacial. Foi lá que os técnicos aeroespaciais receberam a mensagem da Apolo 13: “Houston, we have a problem”, em 1970, depois que os astronautas perceberam que estavam à deriva no espaço. 

Cadela de rua doente que ninguém queria, foi resgatada e agora está muito feliz
Iris, é a cadela de rua que ninguém queria, mas que agora está muito feliz em um novo lar. Créditos: Facebook/ ThisIsHouston

O resgate 

Íris também “tinha um problema”, mas os moradores de Houston pareciam ignorá-la. Ela continuou procurando comida e abrigo nas ruas da cidade, até que alguém decidiu acionar o centro de resgate. O abrigo ‘This Is Houston’ (Isto é Houston, em tradução literal) recebeu uma ligação. 

Um motorista de caminhão de entregas se preocupou com a cachorrinha e decidiu avisar que ela estava em perigo, sozinha nas ruas, desnutrida e com uma doença grave. 

Quando os voluntários chegaram ao local, depararam-se com um quadro trágico. A cachorrinha, que não teve a sorte de nascer em um lar digno e responsável, era o próprio retrato do desalento: ela estava muito doente e a sarna havia tomado o corpo. 

Cadela de rua doente que ninguém queria, foi resgatada e agora está muito feliz
Iris já recebendo os tratamentos adequados. Créditos: Facebook/ ThisIsHouston

A cachorra estava coberta por feridas e escaras, sangrando e exalando mau cheiro. Além disso, Ísis estava desnutrida e apresentava problemas nos dentes. O olhar do animal era um verdadeiro pedido de socorro, mas ela também se mostrava muito receosa, certamente em função dos maus tratos que já havia recebido em poucos meses de vida. 

Íris foi diagnosticada com sarna demodécica. A falta de alimento e os ferimentos espalhados por todo o corpo, no entanto, acabaram sendo responsáveis pelos principais sinais que a cadela emitia: ela estava à beira da morte. 

Mesmo assim, a cachorrinha reagiu às ações dos voluntários. Provavelmente, Íris nunca havia recebido cuidados por parte de humanos, mas a peluda abanou o rabinho e até ensaiou alguns latidos de alegria. 

Cadela de rua doente que ninguém queria, foi resgatada e agora está muito feliz
Iris em sua nova casa. Créditos: Facebook/ ThisIsHouston

A cadela foi levada à clínica veterinária, onde foi submetida aos primeiros exames. Mas, ainda não carro do abrigo, ela adormeceu tranquilamente, relaxada na caminha improvisada para recebê-la. Pode parecer pouco, mas esse foi um agrado inédito na existência de Íris. 

Os exames laboratoriais constataram que a cachorra estava muito doente. Íris estava anêmica, desnutrida e desidratada. A sarna demodécida estava bastante avançada, atingindo camadas profundas da pele do animal. 

Logo no primeiro dia, a cachorrinha recebeu comida, alimento, vacina contra a raiva e os primeiros medicamentos para tratar a sarna. Posteriormente, o veterinário identificou a necessidade de uma transfusão de sangue, por causa da baixa contagem de glóbulos vermelhos. Mas Ísis não precisou de intubação: desde os primeiros momentos, ela se alimentou normalmente – o pessoal da clínica constatou que ela é bem gulosa, aliás. 

Ela passou alguns dias na clínica, antes de ser finalmente admitida no abrigo do This Is Houston. O caso requeria muita atenção: Íris permaneceu por algum tempo ainda com risco de morrer. No abrigo, porém, além de atenção e alimentos, a cadela recebeu carinho, afagos e começou finalmente a brincar: renascia, pouco a pouco, a esperança de sobreviver – e de dias melhores. 

Com apenas um mês de muito carinho e atenção, Íris surpreendeu pela nova aparência. O abrigo postou, em suas redes sociais, imagens do “antes e depois” da cachorra. Ela já está bem nutrida, as feridas cicatrizaram e o corpo maltratado está sendo estimulado com óleo de coco – o animal demonstra muita satisfação com as “massagens” feitas no abrigo para tratar a pele dolorida e machucada. 

O pessoal do This Is Houston garante que Ísis é muito inteligente. Ela já aprendeu alguns comandos básicos, como “fica” e “senta” e sabe muito bem que os brinquedos e cobertores pertencem a ela e aos demais peludos do abrigo. 

Íris está em plena forma. Com cerca de seis meses de idade, ela está pronta para virar a página e dar início a um novo capítulo da vida – com certeza, mais feliz. Agora, a preocupação do abrigo é encontrar uma família carinhosa e responsável para a cadela. Alguns internautas já demonstraram interesse em recebê-la em casa. 

A sarna demodécica 

A doença, também conhecida como sarna negra, atinge a pele dos cães e é causada pelo ácaro Demodex canis, que se aloja nas glândulas sebáceas e nos folículos pilosos. A transmissão é vertical, ocorrendo de mãe para filho durante o parto e a amamentação. 

Cadela de rua doente que ninguém queria, foi resgatada e agora está muito feliz
Situação de Iris quando foi resgatada. Créditos: Facebook/ ThisIsHouston

A sarna demodécida não é contagiosa: ela não é transmitida entre animais adultos. Igualmente, não se trata de uma zoonose: ela não pode ser transmitida de cães para humanos, ao contrário da sarna sarcóptica (ou escabiose), causada pelo ácaro Sarcoptes scabiei, que afeta cães e humanos. 

A sarna demodécica é uma doença hereditária, que se manifesta quando o portador do ácaro específico passa por uma fase de baixa imunidade – provocada, no caso de Íris, pela desnutrição e a falta de cuidados. 

Mas a doença é comum também depois do desmame, entre três e seis meses de vida quando o sistema imunológico dos filhotes sofre uma queda natural, já que eles deixam de contar com os anticorpos desenvolvidos pela mãe e transmitidos com o leite. 

Em animais adultos, a sarna demodécica pode ser precipitada por inflamações, infecções bacterianas, reações alérgicas, desnutrição, estresse e, no caso das fêmeas, durante o cio, a gravidez e o parto. 

A doença é classificada como localizada (quando se identificam menos de seis lesões independentes no corpo) e generalizada, quando os ferimentos e úlceras se espalham por todo o corpo. A sarna demodécida localizada pode progredir para a forma generalizada, se não houver tratamento adequado (ou se este for negligenciado). 

É importante garantir um ambiente saudável para os cachorros, para evitar as manifestações da doença. No caso de diagnóstico, as fêmeas devem ser castradas, para não transmitir a doença. A maior parte das crises cede espontaneamente, sem necessidade de medicação, mas a alimentação balanceada é fundamental para esta resposta orgânica.