Cadelinha que nasceu com seis patas é considerada milagre

Por

A cadela nasceu em Oklahoma e é o primeiro com seis patas a sobreviver ao parto.

Skipper – este é o nome da cadelinha – nasceu de parto natural, no dia 16/02/21, durante uma imensa nevasca, juntamente com oito irmãos e irmãs, com uma anomalia genética: ela tem seis patas.

Na literatura veterinária, não há registro de que um cachorro nestas condições tenha sobrevivido por mais de três dias. O fato inusitado foi relatado à CNN International pela Dra. por Tina Neel, proprietária de um hospital veterinário em Oklahoma City, no Estado de Oklahoma (EUA).

Cadela nasce com 6 patas e 2 rabos (Foto: reprodução Facebook)
Cadela nasce com 6 patas e 2 rabos (Foto: reprodução Facebook)

O parto

Skipper e seus irmãos são mestiços de pastor australiano e border collie. O parto ocorreu em casa, já que os exames de pré-natal não indicavam nenhuma anomalia. Ao examinar os filhotes, os tutores verificaram que um dos filhotes tinha seis patas.

Depois da tempestade de neve, Skipper foi levada para o hospital, para que os veterinários pudessem avaliar as suas condições. As seis pernas da cachorra são devidas provavelmente à formação fetal incompleta de gêmeos idênticos.

A anomalia

A Dra. Neel informou a imprensa que exames de imagem demonstraram que Skipper nasceu com duas doenças congênitas com nomes complicados: monocephalus dipygus e monocephalus rachipagus dibrachlus tetrapus.

Isto significa que Skipper tem apenas uma cabeça (é monocefálica) e apenas uma caixa torácica, mas duas regiões pélvicas. Estas anomalias determinaram que Skipper tivesse dois tratos urinários inferiores, dois genitais, duas caudas e seis pernas.

Apenas a metade posterior do corpo de Skipper teve capacidade de se duplicar. Se a separação fosse completa, a cadelinha teria uma irmã gêmea. Os exames também identificaram sinais de espinha bífida, que ocorre quando as vértebras da coluna não se alinham perfeitamente. Isso ocorre no início da gestação.

Cadela nasce com 6 patas e 2 rabos (Foto: reprodução Facebook)
Cadela nasce com 6 patas e 2 rabos (Foto: reprodução Facebook)

Skipper continua sendo avaliada pelos veterinários e sobreviveu à primeira semana sem apresentar intercorrências. A cachorra está se desenvolvendo normalmente. Ela mama e é capaz de correr normalmente.

A cadelinha será acompanhada pelos médicos durante toda a vida, mas já recebeu alta hospitalar e brinca com a mãe e os irmãos sem apresentar sinais de dor ou desconforto. Até onde foi possível constatar, Skipper é um cachorro normal.

Skipper, na verdade, é um milagre. Os fetos caninos com anomalias genéticas geralmente não conseguem chegar a termo, porque são menos aptos a absorver os nutrientes necessários ao desenvolvimento.

Ao nascerem, esses cãezinhos quase nunca conseguem competir com os irmãos pelas tetas da mãe. É relativamente comum que a própria cadela rejeite o filhote com menores condições de sobrevivência.

Cães gêmeos

Na gestação gemelar, irmãos univitelinos – gerados por apenas um espermatozoide e um óvulo – começam a se desenvolver a partir da separação completa das células do blastocisto, ainda na tuba uterina.

Esta divisão, no caso de Skipper, foi incompleta, situação que ocorre nos casos de gêmeos siameses. A gestação de gêmeos entre cachorros, gatos e outros mamíferos é relativamente comum, assim como ocorre entre os humanos.

Cullen e Romulus têm pequenas diferenças nas marcas brancas em suas patas, peitos e pontas de suas caudas (Crédito: Kurt de Cramer)
Cullen e Romulus têm pequenas diferenças nas marcas brancas em suas patas, peitos e pontas de suas caudas (Crédito: Kurt de Cramer)

A identificação de cães univitelinos, no entanto, só pode ser confirmada a partir de exames de DNA, porque os cãezinhos de uma mesma ninhada são muito parecidos e as mães quase sempre comem os restos do parto rapidamente, enquanto limpam as crias, não sendo possível identificar se dois filhotes compartilharam a mesma placenta.

As ninhadas caninas, aliás, são casos de gêmeos fraternos, quando dois ou mais fetos se desenvolvem a partir de pares diferentes de óvulos e espermatozoides. Durante o estro, as cadelas liberam diversos óvulos, que podem inclusive ser fecundados por dois ou mais machos.

Há apenas um caso documentado de gêmeos idênticos entre cachorros. Uma cadela de Mogale City, na África do Sul, teve complicações no trabalho de parto e precisou ser submetida a uma cesariana.

Durante o parto, os médicos verificaram que dois cãezinhos (de uma ninhada de sete) compartilhavam a mesma placenta. Dois lebréis irlandeses, Romulus e Cullen, são comprovadamente os únicos cães gêmeos idênticos da atualidade.