Cão doente obedece à mãe e usa máscara respiratória sem reclamar

Por: em

Apesar de ágil e irrequieto, este cão doente mostrou-se dócil ao ter de usar uma máscara respiratória. Veja mais fotos e vídeos…

Esta é a história de Fred, um cão da raça golden retriever que mora com os tutores em Campinas (SP). Fred foi diagnosticado com a tosse dos canis, teve complicações e precisou usar uma máscara respiratória, para fazer nebulizações. 

Mas, apesar dos temores da família, Fred não resistiu à terapia. O golden retriever é famoso por ser incansável. Ele não para quieto em nenhum cômodo da casa e convida todos os membros da família a muitas brincadeiras. Usar uma máscara respiratória seria uma “missão impossível” para um animal tão irrequieto e agitado. 

Fred e a máscara 

Todos os cães são conhecidos pela vivacidade e agitação. Mesmo os mais pacatos e bonachões não param quietos. Instintivamente, eles sabem que precisam defender a família e estão sempre prontos para interagir e brincar com todos. 

Cão doente obedece à mãe e usa máscara respiratória sem reclamar

Os golden retrievers são conhecidos pelo comportamento ativo. Eles não se destacam como cães de guarda, mas são excelentes animais de companhia e estão sempre a postos para se divertir e divertir a família. Fred não é exceção à regra. 

Logo que Fred foi diagnosticado com a tosse dos canis, o veterinário havia orientado a família para reduzir as brincadeiras e deixar o cachorro quieto e tranquilo. Isto já seria um desafio, mas o quadro clínico de Fred apresentou complicações. 

O cachorro sofria com a tosse forte, um indicativo de insuficiência respiratória. O veterinário sugeriu o uso de uma máscara respiratória, em casa. Se o procedimento não desse resultado, Fred teria de ser internado em uma clínica, sedado e intubado, para garantir a oxigenação adequada. 

Cão doente obedece à mãe e usa máscara respiratória sem reclamar

As preocupações da família aumentaram, à medida que o estado de saúde de Fred se agravava. A tutora decidiu tentar usar a máscara respiratória – seria melhor que o cachorro ficasse em um ambiente conhecido, em que ele se sentia protegido e confortável. 

A internação seria a última opção. A família concordou que o tratamento em casa seria o melhor caminho. O que os humanos da família não podiam prever, no entanto, foi o comportamento de Fred, que se mostrou receptivo, confiante e seguro. 

A tutora deitou-o no sofá e fixou a máscara respiratória no focinho do animal. Fred não esboçou nenhum movimento para remover o objeto estranho. Aparentemente, ele sabia que a tutora só queria o melhor e aquela focinheira estranha devia servir para alguma coisa útil. 

Cão doente obedece à mãe e usa máscara respiratória sem reclamar

Silenciosamente, Fred deitou-se no sofá, alheio à máscara respiratória e às presilhas que fixavam o equipamento à cabeça. A tutora decidiu confortá-lo e ofereceu o brinquedo predileto: um patinho de pelúcia, que o golden retriever não se separa quando se deita para descansar à noite, depois de um dia cheio de atividades. 

Fred descansou a cabeça sobre o patinho e chegou a cochilar enquanto estava ligado ao aparelho. Ele não estava apenas obedecendo às ordens da tutora: não ganiu, nem tentou fugir. De alguma maneira, o cachorro parecia entender que o respirador ajudaria a melhorar a saúde. 

De acordo com a família, Fred foi obrigado a usar a máscara respiratória por algumas semanas, até que a inflamação finalmente cedeu. A máscara não é apenas incômoda, mas também limita os movimentos do golden retriever, que não podia se afastar muito do cilindro de oxigênio a que ficou conectado. 

Graças ao bom comportamento do paciente, Fred venceu a tosse dos canis e já está recuperado. Ele usou a máscara respiratória por quatro semanas durante praticamente o dia todo, apenas com algumas pausas para se alimentar, fazer as necessidades e, claro, receber os carinhos da família, que são igualmente fundamentais para a recuperação de qualquer doente. 

A tosse dos canis 

A tosse é um sintoma relativamente frequente entre os cães. Em casos de gripes e resfriados, ela quase sempre está presente e raramente exige maiores cuidados. A tosse dos canis, no entanto, é uma condição mais delicada. 

Tosse dos canis é o nome popular da traqueobronquite infecciosa canina, que afeta as vias respiratórias superiores: laringe, traqueia e brônquios. A doença pode ser causada por diversos vírus e bactérias, notadamente a Bordetella bronchiseptica. 

A doença é extremamente infecciosa e, por isso, muito comum em hotéis e creches para cães, abrigos e canis. Os animais que costumam frequentar esses locais podem ser vacinados. A tosse dos canis pode evoluir para situações ainda mais delicadas, como pneumonias e outras doenças contagiosas, como cinomose e parvovirose (especialmente entre filhotes).