O pit bull Sansão teve as pernas decepadas. Ontem, o agressor perdeu o emprego.

Sansão é um pit bull de dois anos que vive em Confins, na região metropolitana de Belo Horizonte (MG). No dia 06/07/20, o cachorro foi brutalmente agredido por ter pulado um muro e invadido um imóvel vizinho. Sansão perdeu as duas pernas e está aprendendo a se locomover com uma cadeira de rodas.

Sansão, o cachorro que teve as patas decepadas, ganha cadeira de rodas
Foto: Ticiana Lima/ Arquivo Pessoal

No dia 10/07, a transportadora em que o crime aconteceu informou que um dos agressores, que é considerado foragido pela Polícia Militar, foi desligado da empresa e sofrerá as consequências dos seus atos bárbaros.

Entenda o caso

Em 06/07/20, Sansão pulou o muro do local em que vive e trabalha, no bairro Capim Seco, e invadiu o terreno da transportadora vizinha, onde se envolveu em uma briga com outro cachorro.

Para castigar o pit bull pela invasão e o ataque, dois funcionários da transportadora decidiram usar uma foice para amputar as duas pernas de Sansão. Além disso, de acordo com informações do tutor, os agressores amordaçaram o cachorro com fios de arame, que provocaram lesões na cabeça de Sansão.

O cachorro agredido foi prontamente socorrido e levado para uma clínica veterinária em Vespasiano, também na Grande BH, onde passou por cirurgia para suturar os vasos sanguíneos rompidos. Por pouco, Sansão não perdeu a vida com as hemorragias e com a dor.

No dia seguinte, o pitbull foi transferido para uma clínica-escola em Belo Horizonte, onde já se alimenta sozinho e está aprendendo a usar uma cadeira de rodas doada por uma empresa mineira.

O tutor de Sansão, Gleidson Justino da Silva, disse que foi procurado por outras empresas e pessoas, indignadas com o crime, que ofereceram outros tipos de doação para o cachorro, que está se recuperando e pode ser beneficiado com próteses, que facilitariam a locomoção e a autonomia.

Um dos agressores foi conduzido ao Distrito Policial, onde foi ouvido e liberado, uma vez que a legislação brasileira considera os maus tratos a animais um “crime de menor potencial lesivo”. O segundo agressor se evadiu e continua foragido, mas a transportadora que o empregava não quer mais tê-lo no quadro de colaboradores da empresa.

Na data do crime, foi registrado um boletim de ocorrência por maus-tratos pela Polícia Militar. A Polícia Civil de Minas Gerais espera um pronunciamento no Ministério Público estadual para dar sequência às investigações.

De acordo com a manifestação do MP, o caso pode ser encerrado na esfera da PM, mas os agressores podem ser condenados a pagar multas pecuniárias e até à pena de detenção por três meses a um ano, que pode ser ampliada em um sexto no caso de morte do animal agredido.

A legislação brasileira prevê o pagamento de multas e/ou aplicação da pena de privação da liberdade para todos os que maltratem animais domésticos, silvestres ou exóticos (não pertencentes à fauna do país). As leis, no entanto, são muito brandas.

Além de um código para punir os infratores, é necessária uma ampla campanha de conscientização para que cães, gatos e outros animais de estimação não sejam objeto de maus-tratos, agressões físicas e morte.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui