Menino passa a noite ao lado de seu cachorro internado

Por: em

Amigos nunca desistem de nós. Confira a história do menino que passou a noite ao lado do cachorro internado.

O cachorro é o melhor amigo do homem. Esta frase é antiga, usada há milênios pela humanidade. Cachorros são leais, bons companheiros de brincadeiras, protegem, são extremamente dedicados. A contrapartida, no entanto, nem sempre é verdadeira. Mas, no caso deste menino, que passou a noite ao lado do cachorro internado, percebe-se que a amizade é recíproca.

Quando são adotados, os cachorros quase imediatamente se sentem protegidos; eles entendem que fazem parte da família, que devem cuidar de todos os membros, além de brincar, passear, dormir ao pé da cama (ou dividindo o travesseiro). Separar-se dos “pais e irmãos” não passa pela cabeça dos nossos pets.

Mas, às vezes, a separação, ainda que seja temporária, torna-se necessária. Foi o que aconteceu com este cão pastor que mora em La Plata, Argentina, cuja trajetória nós apresentamos a seguir.

Entenda o caso

Nossa história começa quando um filhote de cachorro ficou doente de uma hora para outra. A família providenciou o socorro necessário e levou-o para uma consulta com o veterinário rapidamente. O médico, após avaliação, decidiu que a solução do caso era cirúrgica.

Os protocolos das clínicas e hospitais são claros: em caso de internação, os pacientes caninos não podem ser acompanhados por crianças. Mas o “irmão mais novo” deste paciente não quis saber de conversa. Seria apenas uma noite, mas o garoto achou que o cachorro ficaria apavorado se ficasse apenas com estranhos.

Menino passa a noite ao lado de seu cachorro internado

Isto não deixa de ser verdade, principalmente quando esses estranhos estão “armados” com agulhas, medicamentos amargos, talas de imobilização, etc. O menino se recusou a voltar para casa e deixar o cachorro “abandonado”. O resultado é fácil de adivinhar. O garoto passou a noite na clínica veterinária, ao lado do seu fiel companheiro.

É claro que ele não conseguiu passar a noite inteira em vigília: a certa hora da madrugada, ele foi vencido pelo cansaço e acabou dormindo sentado em uma cadeira – mas, mesmo assim, bem ao lado do cachorro. Isto, no entanto, é o que menos importa. O importante, nesta história, é a demonstração de afeto, de pertencimento, que o menino protagonizou ao lado do seu cachorro.

A divulgação

As fotos emocionantes da dupla (menino e cão) foram postadas no Facebook pela revista argentina “Subestada y Editorial”, acompanhadas da seguinte mensagem:

“Talvez haja pessoas que não entendem plenamente o que significa ser criança e ter um animal de estimação. Talvez haja pessoas que não saibam o que significa passar a noite em claro em uma clínica veterinária, apenas porque o seu cão foi operado e está com medo. Talvez haja pessoas que não consigam encontrar o amor que está por trás destas fotos, um amor que se traduz em camaradagem, cumplicidade, lealdade e confiança, um amor que confunde cachorro e criança em um único ser. Este garoto, no entanto, entendeu tudo: há momentos em que é preciso ser responsável e companheiro. Simples assim, complexo assim, humano assim.”

Seria possível discordar da postagem da revista? Nós acreditamos que não. O texto e as fotos são um lembrete para que nós sejamos humanos e saibamos vivenciar e oferecer o amor. Isto faz toda a diferença em nossas vidas.

Cachorros não gostam de ficar sozinhos

Cachorros são animais gregários. Desde a Idade da Pedra, quando humanos e caninos passaram a conviver e cooperar, o instinto de grupo dos cães ressalta nos relacionamentos. Talvez os nossos animais de estimação tenham nos inspirado a viver em grupo, há alguns milhares de anos.

Mesmo quando são deixados sozinhos durante o dia – afinal, a família humana precisa estudar, trabalhar, fazer compras, passear –, os cachorros se ressentem da solidão. Em alguns casos, eles podem até mesmo se tornar agressivos ou destrutivos (alguns chegam a se automutilar).

É evidente que não podemos deixar de seguir as nossas vidas para passar o dia com os cachorros. Então, na falta de quantidade, o importante é esbanjar qualidade: reservar algumas horas do dia para brincar, adestrar, relaxar, passear. Não importa a atividade: o importante é estar com eles, fazê-los perceberem que nossos cães são importantes, fazem parte da nossa vida e até do nosso jeito de ser.