Cachorro pode comer maçã?

É um bom complemento nutricional. A resposta é positiva: cachorro pode comer maçã.

A maçã é rica em nutrientes. Felizmente, cachorro pode comer a fruta, que é uma excelente fonte de antioxidantes, sem nenhum problema. A maçã é também um alimento pobre em gorduras, podendo ser oferecida para cães com problemas que sofrem com problemas na balança.

A maioria dos cachorros aprecia a fruta. A textura mais consistente representa um pequeno desafio, especialmente para os filhotes. Além disso, a maçã ajuda a limpar os dentes e as gengivas, contribuindo para a higiene bucal.

De qualquer forma, a fruta deve ser dada para os cachorros com moderação. Apesar de fornecer poucas calorias, ela é um suplemento. No caso dos cães mais gordinhos, a quantidade de ração deve ser reduzida nos dias em que outros alimentos são oferecidos.

Cachorro pode comer maçã?

As características da fruta

A maçã é uma opção barata e simples de servir. As melhores são as variedades fuji e gala, cuja textura é mais consistente. A maçã vermelha, mais bonita e atraente, costuma ser mais farinhenta e os cachorros normalmente fogem dela.

Aliás, as maçãs vermelhas estão sofrendo risco de extinção: a antocianina, também responsável pela cor das cerejas, ameixas e uvas vermelhas, se degrada em altas temperaturas – e a temperatura do planeta está subindo.

A maçã é uma das frutas mais cultivadas e consumidas no mundo. Ela é nativa da Ásia central e faz parte da dieta humana (e também dos lobos e ursos que vivem na fronteira do Cazaquistão com a China) há milênios. O cultivo gerou outras variedades, inclusive a caçula maçã verde, desenvolvida apenas no século 17.

Cachorro pode comer maçã?

Os polifenóis e flavonoides, presentes principalmente na casca da maçã, são substâncias que combatem os radicais livres formados pelas atividades orgânicas (respiração, digestão, etc.). eles ajudam a preservar as células e, por isso, combatem desde o envelhecimento precoce até o desenvolvimento de neoplasias (tumores malignos).

Uma pesquisa da Universidade Cornell (Ithaca, Nova York, EUA), realizada em 2013, demonstrou que os nutrientes da maçã (polpa e casca) ajudam a combater o câncer. Biópsias do fígado e do cólon tratadas com extrato de maçã tiveram inibida a proliferação de células cancerosas.

Os cachorros de grande porte, que se desenvolvem fisicamente de uma forma muito rápida, precisam destas substâncias antioxidantes, inclusive para prolongar a expectativa de vida: como eles crescem muito rápido, o metabolismo tende a desgastar as células mais rapidamente – isto determina uma expectativa de vida de apenas oito ou dez anos – e, às vezes, menos.

Portanto, a maçã com casca deve ser incluída com muitas vantagens na dieta dos grandões. Ela também ajuda a prolongar a sensação de saciedade, tornando-se ideal para os cachorros muito vorazes e gulosos.

Os nutrientes da maça

A vitamina A presente na maçã é uma substância lipossolúvel associada à síntese dos hormônios, à regulação das funções da pele e ao bom funcionamento dos olhos. A fruta ajuda a prevenir a cegueira noturna e é um bom coadjuvante em tratamentos de glaucoma e catarata. A maçã também é rica em vitamina C, mas os cães não precisam ingerir esse nutriente com os alimentos: eles sintetizam o ácido ascórbico no fígado, diretamente a partir dos açúcares.

A maçã oferece as vitaminas B1 (tiamina), B2 (riboflavina) e B3 (niacina), que previnem respectivamente a fraqueza e descoordenação muscular, inflamações e infecções da boca e nariz e dermatites, entre outras doenças e transtornos.

A fruta é fonte de fósforo, mineral importante para a formação e manutenção dos ossos, e de ferro, que participa da formação da hemoglobina, substância importante para o transporte de oxigênio para as células.

O ferro também é fundamental para a produção da energia necessária às atividades metabólicas. Pesquisas realizadas nos EUA apontam que metade dos cachorros sofrem de deficiência de ferro no organismo.

A maçã também fornece pectina, um sacarídeo importante na nutrição, que corresponde a cerca de 1% do total de fruta ingerido. A pectina ajuda a quebrar as moléculas de açúcares, equilibra a microbiota intestinal e também age como fibra solúvel, aumentando o volume fecal e facilitando a expulsão das fezes.

A quercetina, também fornecida pela maçã, apresenta propriedades anti-inflamatórias e anticarcinogênicas. A quercetina é um antiviral e antibacteriano natural, colaborando com a defesa do organismo.

Igualmente, a quercetina possui ação cardiovascular, prevenindo o aumento do nível do mau colesterol (LDL) e contribuindo para o equilíbrio dos níveis de glicose e de triglicerídeos no sangue.

A maçã é um alimento “detergente”, que colabora com a boa higiene bucal, limpando os dentes e gengivas e prevenindo a formação da placa bacteriana, que pode causar gengivites e periodontites nos cachorros.

A fruta é formada por 85% de água e é considerada light: fornece 60 calorias a cada cem gramas – uma maçã média. Desta forma, ela ajuda na hidratação do organismo e pode ser oferecida aos cachorros com sobrepeso ou obesidade. Um cão de pequeno porte pode comer meia maçã por dia.

O preparo

Antes de dar maçã para o seu cachorro, não se esqueça de higienizá-las. Os alimentos crus devem ser lavados antes de ingeridos, para retirada dos defensivos agrícolas usados no cultivo e das sujidades acumuladas no transporte e estocagem.

Lave as maçãs uma a uma com água em abundância. Não é preciso usar detergente, mas deixe-as de molho por dez minutos em sua solução com uma colher (sopa) de água sanitária (2% a 2,5% de cloro ativo) para cada litro de água.

Retire os talos e as sementes – os cães não podem ingeri-las. Corte em pedaços ou cubos, de acordo com o porte do animal. Retire os restos deixados pelo peludo, porque a maçã fermenta rapidamente e os pedaços desprezados também ficarão sujos em pouco tempo.

Sementes de frutas (maçã, pera, mamão, etc.) fazem mal para os cães. O organismo canino não consegue metabolizar e os carocinhos ficam depositados no trato intestinal, dificultando a passagem dos alimentos. Em alguns casos, pode inclusive ocorrer uma obstrução total do intestino. Lembre-se: cachorro pode comer maçã, mas sempre sem sementes!

Uma fatia ou duas de maçã são suficientes para um cão de porte pequeno. Os pedaços podem ser usados durante o adestramento, como prêmios pelos acertos nas lições. Neste caso, a quantidade de fruta não deve exceder 10% do total de calorias que o cachorro come diariamente. A maçã deve ser encarada principalmente como um petisco, e não como um alimento.

Se o seu cachorro não está acostumado a comer vegetais, a maçã é um bom incentivo inicial, em função da textura e do sabor doce. Verifique o surgimento de eventuais efeitos secundários, como maior frequência da evacuação ou alterações nas fezes. Nessas situações, suspenda a fruta e converse com o veterinário.

Postagens Relacionadas