12 comportamentos estranhos dos cachorros que você precisa conhecer

Alguns comportamentos dos cachorros podem parecer estranhos, mas eles são cheios de significados.

Os cachorros não falam, mas conseguem se comunicar de diferentes maneiras com os tutores. Certamente, alguns hábitos são específicos de cada peludo e fazem parte de uma personalidade única, mas alguns comportamentos são comuns à espécie.

Mesmo que pareçam estranhos, estes comportamentos são característicos e compreendê-los significa compreender a mentalidade canina, o que melhora bastante a convivência entre humanos e cachorros.

entendendo-o-comportamento-dos-cachorros

Muitos tutores se surpreendem tentando entender, por exemplo, por que os peludos giram em torno do corpo antes de se deitar, escavam o piso mesmo que seja cimentado, correm atrás do próprio rabo.

Descobrir os motivos por trás de determinados hábitos aparentemente sem sentido ajuda a melhorar o relacionamento e torna mais felizes tanto os cachorros, quanto os humanos com quem eles vivem.

Alguns hábitos são surpreendentes, enquanto outros já são bem conhecidos pelos tutores, mas podem intrigar, despertar a curiosidade e até constranger os menos avisados. Selecionamos os mais comuns, que são úteis tanto para tranquilizar, quanto para procurar ajuda.

01. Correr atrás do rabo

Não existe um motivo específico para este comportamento. Entre os filhotes, ele faz parte da descoberta do próprio corpo. É como se eles dissessem: “Ei, o que é esta coisa que me segue em todo lugar?”, mas correr atrás do rabo pode ter significados surpreendentes.

O fato mais comum é a excitação, que acontece durante as brincadeiras, na chegada de pessoas queridas ou no momento em que o tutor pega a coleira, anunciando que chegou a hora de “explorar o mundo”.

Em todos estes casos, a alegria do peludo fica visível: ele está contente e quer que todos saibam disso. É uma maneira de recompensar os tutores por participarem das brincadeiras. O comportamento é alternado com saltos, pequenas corridas, farejamento, etc.

Mas correr atrás do rabo também pode indicar a autoagressividade, isto é, a violência contra si próprio. Em geral, isto acontece quando o cachorro está frustrado ou entediado e, sem ter como “descontar a bronca”, ele passa a perseguir a cauda.

A manifestação é sempre acompanhada por outros sinais de violência e irritação. Um dos motivos mais comuns é o ócio, quando o cachorro passa muito tempo sozinho, sem ter nada para fazer.

É uma maneira de manifestar a insatisfação, que, quase certamente, nem o próprio cachorro consegue compreender totalmente. Os tutores precisam reduzir os períodos de solidão ou garantir algumas atividades, como deixar brinquedos, surpresas, uma janela entreaberta, etc.

02. Correr atrás de carros e motos

Este hábito não deve ser estimulado, por razões óbvias: os riscos de acidentes, inclusive fatais, são muito grandes. Mas muitos cachorros têm acesso livre às ruas, mesmo sem supervisão. Por isso, é uma cena comum ver alguns deles perseguindo carros e motos.

O hábito é mais frequente entre pastores e boiadeiros – e nos vira-latas que possuem algumas destas raças na sua ascendência. Os cães encaram os carros e motos como reses desgarradas: são vacas, cabras e ovelhas que precisam ser levadas de volta à segurança do pasto.

Mesmo para os cães habituados a passear de carro, ou que veem automóveis e motos circulando cotidianamente, aqueles equipamentos são verdadeiros mistérios para eles. Pode ser assustadora a aproximação de um destes monstros, mas o sentido de guarda e proteção fala mais alto, e lá vão eles proteger o gado e a família humana.

03. Girar em torno do corpo

Trata-se de um comportamento parecido com a perseguição ao próprio rabo, mas, neste caso, os cachorros ficam apenas girando em torno do corpo, orbitando um ponto imaginário. Quando os peludos dão apenas algumas voltas e voltam a atenção para outros interesses, é somente uma brincadeira, sem maiores consequências.

Os problemas começam a surgir quando o hábito se torna frequente, tendendo a um comportamento sucessivo. Os giros podem indicar que o cachorro está sentindo alguma dor e procurar uma forma de aliviá-la.

entendendo-o-comportamento-dos-cachorros

Girar em torno do corpo pode indicar problemas nos ouvidos. Cães de orelhas grandes e caídas (basset hound, bloodhound, cocker spaniel inglês e americano, beagle, teckel, etc.) são muito suscetíveis a otites, inflamações no ouvido externo que provocam incômodo, dor e, em casos mais graves, problemas de orientação espacial.

Os problemas, no entanto, podem afetar cães de qualquer raça. Os animais que costumam caminhar com as orelhas eretas e subitamente passam a portá-las dobradas, se começarem a girar em torno do corpo, quase sempre precisam de algum tipo de tratamento: a visita ao veterinário não deve ser adiada.

Os cachorros que passam muito tempo dentro de casa sem nada para fazer também podem exibir comportamentos obsessivos. O sedentarismo é muito prejudicial à saúde física e mental dos peludos e os giros incessantes podem indicar um quadro de TOC.

Já os cães idosos que nunca ou apenas raramente apresentaram o hábito e começam a fazê-lo com frequência podem estar com problemas mais sérios. O avanço da idade gera o desgaste natural do organismo, mas os giros podem ser sinais de problemas neurológicos, inclusive demências.

Em geral, o comportamento cessa quando os cães são convidados para participar de alguma atividade atraente para eles, como brincar ou passear. O tutor deve atrair a atenção (com petiscos e brinquedos, por exemplo). Se os giros voltarem com muita frequência, é preciso consultar o veterinário.

04. Seguir o tutor

Não há nada de errado nisso, por mais que incomode os tutores – alguns cães são muito dependentes e, se puderem, passarão todo o tempo de que dispõem seguindo os líderes – no caso, os humanos da família.

Os motivos são muitos, mas todos eles indicam que o cachorro é saudável e equilibrado. A primeira razão é que estar ao lado do “alfa da matilha” é garantir a própria segurança: o lugar do chefe é sempre seguro, além de ser confortável, prazeroso, quente ou fresco (de acordo com a estação do ano), etc.

Eles também seguem os tutores e outros membros da família para garantir a segurança de todos. os cachorros possuem um elevado sentido de guarda e proteção; por isso, eles sempre investigam o paradeiro de todos, principalmente em horários inusuais, como a madrugada.

É por isso que eles se levantam, mesmo caindo de sono, todas as vezes que alguém da casa acorda para ir ao banheiro ou tomar água na cozinha.

Com a convivência, os cães também aprenderam a identificar nossos estados de espírito. Desta forma, quando eles percebem que estamos tristes, irritados, desanimados ou ansiosos, os peludos fazem questão de ficar ao lado, para dar “apoio moral”. Não é à toa que eles são considerados os nossos melhores amigos.

Seguir o tutor também pode ser um sinal de carência ou um indicativo de que alguma coisa está errada. Mesmo que sejam fatos corriqueiros, como uma festa na casa vizinha, eles percebem algo fora do normal e tentam chamar a atenção.

05. Escavar o chão

Este é um hábito ancestral. Na natureza, os lobos costumam cavar para ocultar restos de alimentos, colocando-os fora do alcance dos carniceiros, que sempre acompanham de perto os predadores, prontos para fazer uma “boquinha”.

Eles também fazem pequenas alterações no ambiente dos acampamentos, rolando pedras ou retirando moitas, para torná-los mais aconchegantes ou para facilitar a vigilância. Por fim, como tática de proteção, eles podem cavar túneis, especialmente quando há muitos filhotes na alcateia.

Os cachorros se tornaram “cidadãos do mundo” e a maioria não precisa economizar comida, escondendo-a para comer mais tarde. Da mesma forma, o conforto e a segurança são quase sempre garantidos nas casas humanas.

A ancestralidade, contudo, fala mais alto. Eles continuam cavando o chão. Muitas vezes, eles são bem-sucedidos na ocultação de ossos e até mesmo de brinquedos. O hábito é muito mais frequente em animais territorialistas e dominantes.

Diversas raças caninas foram desenvolvidas para a caça miúda. O yorkshire terrier foi criado para caçar ratos nas galerias das minas de carvão inglesas. Já o teckel era especialista em exterminar ou afugentar marmotas dos jardins e hortas.

Estes são exemplos de duas raças de pequeno porte que tiveram de trabalhar duro até conquistar o direito de dormir nas almofadas da sala de estar. O comportamento, porém, continua sendo o mesmo: o de um cachorro. Afinal, pequenos ou não, eles não são objetos de decoração.

Alguns cães imitam o gesto mesmo em pisos cimentados e até mesmo dentro de casa. O hábito é totalmente inútil, mas, desde que não seja excessivo, não precisa ser corrigido – é um passatempo para eles.

Os cachorros também podem decidir cavar (e destruir) canteiros e vasos, além de almofadas, travesseiros, cobertores, etc. Eles devem ser desestimulados (em geral, basta usar o comando “não”, com firmeza e muita paciência, pois terá de ser repetido algumas vezes).

06. Esfregar-se no chão e em objetos

É mais um comportamento trazido da selva. Ao esfregar o corpo no chão, paredes e móveis, os cães estão transferindo algumas substâncias (suor, saliva, sebo, etc.) para esses objetos e utensílios, para indicar “quem é o dono do pedaço”.

Apesar de serem gregários (isto é, eles vivem em grupos bem organizados), os lobos não toleram a presença de estranhos. Mesmo em bandos numerosos, eles não costumam aceitar forasteiros (a vida de um lobo selvagem é bem difícil).

entendendo-o-comportamento-dos-cachorros

Por isso, os responsáveis pela sentinela do acampamento sempre esfregam o corpo em pedras, arbustos e troncos de árvores. Com isto, eles indicam para outros predadores (inclusive outras alcateias) que o território está ocupado.

O comportamento pode ser observado em qualquer cachorro, independentemente de sexo, raça ou idade, mas é mais comum entre os descendentes dos caçadores, boiadeiros e pastores. Para os caçadores, o hábito ajuda inclusive na localização, no ir-e-vir.

Mas alguns cães também podem resolver se esfregar em coisas malcheirosas, como lixo orgânico e excrementos de outros animais. Esta é uma tática para despistar os adversários: ao absorver os cheiros ruins, eles disfarçam os aromas naturais e marcam uma trilha não muito convidativa. Pode ser nojento, mas é bastante eficaz.

07. Montar em almofadas

Muitas pessoas consideram o hábito inadequado e até mesmo constrangedor, especialmente quando os cachorros trocam as almofadas por pernas humanas, especialmente as das visitas. O gesto, apesar da aparência, não tem nada de sexual.

O desejo sexual entre os cães é despertado apenas em condições específicas, quando as fêmeas exalam feromônios para atrair os machos. É apenas no cio, o período fértil, que acontecem as relações sexuais e, fora dele, não ocorre nenhuma forma de estimulação.

Alguns cães (na maioria machos) podem se sentir estimulados sexualmente e, se gostarem da sensação, tentarão reproduzi-la sempre que possível: eles estão realmente se masturbando. Isto ocorre devido a disfunções hormonais (no caso, o animal está produzindo testosterona em excesso), que requerem tratamento médico.

Os cachorros também podem montar em outros cachorros (e até em gatos, se estes forem tranquilos o suficiente para permitir). Nestes casos, está ocorrendo uma demonstração de subordinação: o animal que monta está verificando se o outro se mantém em posição submissa no grupo.

Entre os filhotes, montar em almofadas (ou no que mais acharem pela frente) é provavelmente apenas uma brincadeira. Os adultos que exibem o comportamento podem ser desestimulados através de comandos simples, sem necessidade de gritos e castigos.

08. Inclinar a cabeça

Este é um gesto aprendido na convivência com os humanos. Na verdade, é quase uma imitação. Os cachorros desenvolveram diversas habilidades com a parceria e inclinar a cabeça é uma delas.

O motivo mais simples e óbvio é que os humanos gostam quando os cães inclinam a cabeça. Eles ficam fofos e atraentes, parecem estar entendendo a conversa, quase sempre ganham um petisco ou pelo menos um agrado.

Os cachorros perceberam as reações humanas e passaram a caprichar nas poses. Pelo mesmo motivo, eles desenvolveram diversas expressões fisionômicas (a segunda maior variedade entre os animais, depois dos primatas).

Os peludos também são capazes de franzir a testa e o focinho, arquear uma sobrancelha (ou as duas) ou levantar apenas uma orelha. O motivo dos gestos é simplesmente atrair a atenção e os carinhos dos humanos em volta.

Mas existe outro motivo: ao inclinar a cabeça, os cachorros realmente estão tentando entender o que nós queremos, especialmente quando falamos com eles. Os peludos conseguem entender o significado de algumas palavras, mas não têm habilidades para decifrar frases e construções verbais mais elaboradas.

Eles se fixam principalmente no tom de voz e na linguagem corporal que acompanha as verbalizações. E, quando a comunicação está difícil, eles inclinam a cabeça; pode parecer que eles estão confusos, mas os cachorros, nesta posição, estão com a atenção redobrada.

09. Dormir sobre roupas

Nossas roupas estão sempre impregnadas de odores específicos, que podem servir para os cachorros nos localizarem, identificarem a nossa presença e até matarem as saudades. Não é preciso que estejam usadas, mas as roupas sujas são muito mais odorosas.

entendendo-o-comportamento-dos-cachorros

Isto também não significa que o tutor passe o dia exalando cheiros ruins por onde passa. O faro canino é muitas vezes superior ao nosso e, por isso, eles conseguem identificar com facilidade os “cheirinhos familiares”, mesmo que a roupa tenha sido apenas carregada pelo tutor.

Dormir sobre as roupas do grande amigo é também uma forma de amenizar a saudade e a solidão. Esta é uma boa estratégia para quem precisa deixar o cachorro sozinho durante parte do dia: uma peça de roupa sobre o sofá transmite a sensação de proximidade e o peludo se sente mais confortável e protegido.

10. Comer cocô

Em geral, o mau hábito está relacionado ao tédio e à solidão. Os cachorros que ficam muito tempo sem companhia podem se tornar deprimidos e a coprofagia (comer fezes) é um dos sintomas. Os tutores precisam enriquecer o ambiente em que os pets ficam confinados, para que eles se distraiam durante a ausência.

Comer cocô, contudo, pode ter um motivo bem mais simples: a dieta inadequada. Os cachorros precisam receber alimentação balanceada, produzida para suprir todas as necessidades nutricionais de cada etapa da vida.

Quando um cachorro começa a ficar desnutrido ou subnutrido, um dos primeiros sinais é a coprofagia. Ele sabe instintivamente que as fezes constituem uma excelente fonte nutricional e também muito ricas em fibras. Eles apenas tentam compensar as carências.

O hábito também pode estar relacionado à presença de parasitas intestinais, que debilitam o organismo e podem levar à morte. É importante vermifugar os cachorros anualmente e procurar evitar o contato com animais infestados.

Algumas doenças (e também algumas dietas inadequadas) prejudicam a microbiota intestinal e destroem as bactérias que colonizam naturalmente o sistema digestório. A coprofagia pode ser uma tática para repor os micro-organismos, mas o problema pode ser facilmente resolvido com a oferta de probióticos (que inclusive estão presentes em algumas rações disponíveis no mercado).

11. Destruir objetos

Os filhotes costumam destruir objetos (brinquedos, caminhas, roupas, etc.) simplesmente pelo fato de eles estarem ao alcance da mão (mais propriamente, da boca). Experimentar texturas e resistências faz parte da operação “conhecer o mundo”.

Ainda na infância, o hábito de mastigar tudo o que encontram pela frente pode ser uma forma de amenizar a irritação na gengiva causada pela troca de dentes. Além do treinamento básico, a destruição pode ser evitada ou reduzida com o oferecimento de mordedores.

Entre os cães adultos, o hábito de destruir objetos pode ser considerado anormal. Eles já sabem o que podem pegar ou não e dificilmente se aproximam de coisas interditadas pelos tutores. Mas, se eles estão destruindo, é porque querem dizer alguma coisa.

entendendo-o-comportamento-dos-cachorros

Destruir objetos indica basicamente que o cachorro está entediado, triste, infeliz. Os motivos são inúmeros: eles podem, por exemplo, estar se sentindo muito cansados, ou, ao contrário, podem estar precisando de mais exercícios.

Na maioria dos casos, a destruição é determinada pelo tédio. Quando os cães ficam sem nada para fazer, eles precisam inventar alguma coisa, mesmo que “essa coisa” seja destruir brinquedos, roupas, móveis, etc. É uma maneira de ocupar o tempo.

Mais uma vez, os tutores precisam enriquecer o ambiente em que os pets passam o tempo isolados. Eles precisam permanecer por pelo menos um terço do tempo em que ficam sozinhos. Para isso, é preciso disponibilizar brinquedos, alimentos, surpresas, etc.

Até mesmo um aparelho de áudio ou vídeo programado para transmitir sons e imagens durante alguns minutos desperta a curiosidade canina. Uma janela entreaberta e uma peça de roupa do tutor também ocupam alguns instantes. Por fim, caso o tutor passe a maior parte do tempo fora de casa, é o caso de considerar a possibilidade de adotar outro cachorro: um fará companhia para o outro.

12. Esfregar o traseiro no chão

Este é mais um hábito irritante para boa parte dos tutores. A impressão que passa é que o cachorro está sujo e mal cuidado; por isso, esfrega o bumbum no chão para tentar se limpar. Mas os motivos passam longe disso (até porque, se um cachorro estiver com o traseiro sujo, ele simplesmente o lambe até estar limpinho).

Os cachorros possuem duas glândulas anais, situadas nas laterais do reto. Elas produzem substâncias que lubrificam o reto e o anus; o odor liberado, além disso, é importante na comunicação entre os cachorros.

Quando estas glândulas estão inflamadas ou congestionadas, os cachorros se sentem desconfortáveis e, para tentar eliminar o incômodo, eles esfregam o traseiro no chão. O mesmo acontece em crises de diarreia e de prisão de ventre. Eventualmente, as infestações por vermes também são responsáveis pelo gesto.

Um dos principais motivos para a coceira desagradável hoje em dia é a tosa higiênica. Cortar e aparar os pelos é importante para garantir o conforto e o bem-estar, mas, muitas vezes, as lâminas irritam o ânus. Nesses casos, a irritação costuma surgir dois ou três dias depois da tosa.

Receba notícias e histórias do Cães Online no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/caesonline.

Postagens Relacionadas