Alergia a picadas em cachorros: saiba o que fazer

Por: em

Os insetos estão em todos os lugares. Saiba o que fazer com seu cão em caso de picadas.

Os cachorros são animais brincalhões e curiosos. Em qualquer lugar em que estejam, eles precisam explorar, descobrir coisas novas. Algumas destas coisas, no entanto, podem ser bastante daninhas. No caso dos pets com alergia a picadas, uma abelha, vespa ou simples formiguinha pode complicar a vida. Descubra aqui o que fazer nestes incidentes.

Mesmo no dia a dia, sem necessidade de um passeio no campo, mosquitos podem picar os pets. Na verdade, apenas as fêmeas picam: elas precisam de sangue quente (de um mamífero ou ave) para maturar os ovos. Quando os pernilongos picam, as consequências podem ser desastrosas.

Os insetos são fundamentais. Algumas moscas e mosquitos poderiam desaparecer, mas borboletas, abelhas e vespas são muito importantes para a polinização das plantas: seja uma florzinha que desabrocha no mato, seja um campo de trigo ou soja. Todos os insetos exercem uma função essencial na natureza e não podem ser simplesmente eliminados.

Alergia a picadas em cachorros: saiba o que fazer

Os transtornos

O problema é que as picadas de alguns destes insetos podem causar transtornos sérios, caso os cães sejam alérgicos. Um ataque de pulgas, mosquitos ou formigas pode ser inclusive fatal, mesmo que os insetos responsáveis não sejam vetores de doenças.

No Brasil, um país com tempo quente durante a maior parte do ano, os insetos se mostram ainda mais ativos. A polinização é o aspecto positivo e as picadas, muito negativo. Mesmo para pets não alérgicos, as picadas são dolorosas.

Caso o cachorro decida se lamber e coçar a área da pele ferida, podem surgir ferimentos mais ou menos graves. Além de tudo, estes machucados são porta de entrada para bactérias, fungos e vírus transmissores de doenças.

Na melhor das hipóteses, as picadas, uma vez coçadas, ferem a pele do animal e podem gerar falhas na pelagem. Para os pets, insetos, no mínimo, são sinônimo de problemas estéticos.

Para tristeza dos tutores, muitas picadas provocam dor ou inchaço. A simples caminhada sobre um formigueiro pode trazer consequências dolorosas, mesmo que passageiras. Os pets passam algumas horas ou dia chorando e pedindo ajuda.

Vespas e abelhas

As abelhas e vespas, em geral, não causam grandes transtornos, mas elas nunca voam sozinhas. Um enxame em fúria pode inclusive matar um cachorro, mesmo que de porte grande, caso ele seja alérgico. Algumas abelhas deixam o ferrão enterrado na pele, o que facilita as infecções e inflamações.

os dois insetos, nas dezenas de espécies diferentes, são gregários: eles vivem em bandos organizados e saem das colmeias em enxames para coletar material para produção do mel (o alimento comum) e da geleia real (o alimento reservado às rainhas, as mães do bando inteiro).

as operárias são acompanhadas e soldados, para que possam fazer as suas tarefas sem muitos riscos. Na maioria das espécies, as abelhas operárias não são dimensionadas para o ataque, mas, mesmo assim, podem ferroar os “atacantes”. Normalmente, elas perdem parte do abdômen junto com o ferrão, que é serrilhado, e morrem em pouco tempo.

O ferrão das vespas não é serrilhado, mas todos estes insetos são capazes de recolher a “arma” e ferroar várias vezes seguidas. Desta forma, um ataque de vespas é potencialmente mais danoso.

Seja como for, se os cachorros forem alérgicos (acredita-se que 25% deles sejam), as picadas de abelhas e vespas provocarão reações desde a coceira na pele até a insuficiência cardiorrespiratória.

Formigas e mais formigas

No caso das formigas, tudo depende da espécie. As lavapés, que constroem a entrada do formigueiro como se fosse um banco de areia (em que as vítimas se enterram e “lavam os pés) produzem centenas de picadas caso elas acreditem que o território esteja sendo invadido.

Um ataque de lavapés é doloroso e as reações são fortes. Os cães atacados podem apresentar febre, apatia, perda de apetite, constipação (prisão de ventre) e indisposição. Os sintomas podem permanecer por vários dias.

a maior parte das espécies de formigas, no entanto, picam cães apenas quando eles se intrometem no trajeto (mesmo que eles não façam ideia de que estão atrapalhando o trabalho). Todos os insetos: cortadeiras, soldados e carregadeiras são dotados de ferrões, mas as picadas em geral são leves e causam apenas incômodo passageiro, apesar de dolorido.

Não é incomum que um cachorro se deite sobre a entrada de um formigueiro é só minutos depois os tutores percebam o ataque. Em um primeiro momento, as formigas “passearão” entre os pelos do pet, encarando apenas como mais um obstáculo.

Ao sentir o movimento, as operárias soarão o alarme (através de cheiros percebidos apenas por elas mesmas) e os soldados correrão para socorrer. Neste momento, dezenas de picadas já estárão sendo aplicadas na pele do cachorro.

Reações violentas

No caso de reações alérgicas, o acidente se torna uma emergência médica. Caso você verifique que o seu cachorro foi atacado por um enxame de abelhas ou um batalhão de formigas e ele demonstrar sinais de desconforto respiratório, corra para o veterinário.

Nos animais alérgicos, muitas picadas de abelhas ou vespas (mais de 50) pode causar um edema de glote. Trata-se de uma resposta inadequada do sistema imunológico, em que o organismo faz a região da faringe inchar, para eliminar possíveis substâncias nocivas.

O resultado é a pressão excessiva também na laringe, traqueia e brônquios, que impede a passagem de ar. Os cachorros afetados sofrem uma pane respiratória e podem necessitar inclusive de procedimentos cirúrgicos (como uma traqueostomia, a abertura da traqueia para facilitar a passagem de ar). Muitos animais morrem antes de receber cuidados médicos.

As toxinas de abelhas, marimbondos e vespas também podem provocar choques anafiláticos, reações alérgicas graves que se manifestam quando nós (e nossos pets) somos expostos a substâncias alergênicas (no nosso caso, podem ser frutos do mar, alguns medicamentos, etc.).

A anafilaxia é outra emergência veterinária. Os principais sintomas são:

  • dificuldade para respirar (os pets começam a arfar e respirar ruidosamente);
  • gengivas e mucosas embranquecidas;
  • vermelhidão nos olhos;
  • aceleração dos batimentos cardíacos;
  • desorientação;
  • desmaios.

Leve o cachorro com os sinais de choque anafilático para a clínica veterinária com urgência. No trajeto, deixe-o deitado de lado e suspenda um pouco um dos braços, para reduzir o desconforto respiratório. Não tente nenhum tratamento caseiro.

Felizmente, em geral, picadas de insetos causam sintomas bem mais suaves. Os cachorros podem experimentar:

  • vômito;
  • diarreia;
  • resfriamento dos dedos;
  • febre e tremores;
  • inchaço local.

Casos corriqueiros

A maioria destes sinais é de reações naturais do organismo, que tenta se livrar da toxina identificada na circulação sanguínea. Se não houver reações mais sensíveis, nem houver agravo do quadro, basta deixar o pet sossegado. No caso de picadas de abelhas, o ferrão pode ter de ser retirado.

Nunca use uma pinça para a tarefa. Ao tentar retirar o ferrão, você pode injetar ainda mais toxinas na corrente sanguìnea, aumentando o desconforto e a dor. Tente com um pedaço de papelão rígido (papel-cartão, por exemplo), empurrando o ferrão para fora ao mesmo tempo em que absorve parte do “veneno da abelha”. Use uma pomada anti-inflamatória para finalizar o curativo.

No caso de inchaço (caso haja picadas nas gengivas e narinas, o inchaço é certo), enrole cubos de gelo em um pedaço de pano limpo e aplique esta compressa, deixando o frio agir por poucos segundos de cada vez.

Picadas de abelha podem ser amenizadas com uma pasta de bicarbonato de sódio e água. No caso das formigas e vespas, aplique uma solução de água e vinagre em partes iguais. O ideal é usar vinagre branco ou de álcool.

Medicamentos anti-histamínicos devem ser ministrados apenas se houver indicação do veterinário. Evite a automedicação. O ideal é que o pet tenha acompanhamento médico desde filhote, para que, caso haja reações alérgicas mais intensas, os tutores já tenham os remédios necessários em casa.

Qualquer que seja o caso, fique atento à resposta dos pets. Nos casos de picadas esparsas, provavelmente eles voltarão às atividades corriqueiras em poucos minutos. Caso ocorra uma reação alérgica leve, os sinais devem desaparecer gradualmente, em até um dia. Se os sintomas se agravarem, corra para o veterinário.

Lembre-se: fraqueza intensa, dificuldade para respirar e inchaços doloridos e prolongados não são reações esperadas em casos de picadas de insetos. É preciso, nestes casos, procurar ajuda médica.

Você é a pessoa que melhor conhece o seu cachorro. Portanto, está capacitado para identificar sinais exagerados ou prolongados. Não adianta dizer que “febre baixa é normal” quando nós, conhecendo os cães que convivem conosco, nunca apresentam este sintoma.