Diarreia, depressão ou perda de peso são sintomas que podem estar relacionados à Giardiáse. Saiba mais sobre essa doença comum e como evitá-la!

A Giardíase é uma doença provocada pelo protozoário denominado G. Intestinalis, sendo transmitida por meio de ingestão de água ou alimentos que estão contaminados com cistos de fezes. Os sintomas mais comuns desta doença são: diarreia, vômito, perda de peso e depressão. Ao contrair a Giardíase, o cachorro fica susceptível a outros tipos de doenças, e muitas delas podem ser fatais.

O perigo da Giardíase para o cão

Não só os cães, mas os humanos também podem desenvolver a doença, por isso, é imprescindível hábitos de higiene e participação em programas anuais de vacinação para garantir a proteção dos cachorros e de toda a família, também. Assim, mantenha sempre limpo o ambiente em que o cão vive.

Os cistos da Giárdia têm a capacidade de sobreviver nos ambientes, e devido a isso se tornam fontes de contaminações para cães, gatos, e outros animais. O tratamento é feito por meio de controle de eficaz, entretanto, muitas vezes ocorrem novas transmissões da Giárdia, devido à dificuldade de eliminá-la completamente do ambiente.

A Giardíase é uma doença comum e o seu ciclo de vida, também, é bem simples, entretanto, os cistos conseguem sobreviver no ambiente. Infelizmente, muitas vezes ela é subestimada pela população. A doença é uma zoonose importante, que pode infectar toda a família e por isso merece atenção e cuidado.

As maiores taxas de infecção por meio da Giárdia ocorrem em cidades grandes, sobretudo nas capitais, em que há maiores possibilidades para a transmissão da doença. A ingestão, por exemplo, de dez cistos já pode provocar a infecção. Além disso, as maiores manifestações predominam em pessoas mais jovens, porque a resistência imunológica é menor.

Os sinais clínicos da Giardíase podem ser confundidos com outras doenças intestinais como, por exemplo, as gastroenterites virais, as bacterianas, entre outras. Além disso, a Giardíase também se assemelha às alergias de origem alimentar e enfermidades alérgicas, por isso é fundamental que os donos levem o cão ao veterinário para um diagnóstico correto e preciso.

A vacinação é uma das soluções efetivas para o controle da doença a longo prazo, uma vez que mesmo que outras formas de tratamento também sejam efetivas, é comum a reinfecção nos animais. Por isso, um cachorro vacinado, além de estar protegido, não pode ser mais considerado uma fonte de infecção para outros animais. É fundamental que o dono proteja o seu melhor amigo e mantenha o cartão de vacinação atualizado. Qualquer sintoma estranho no cachorro (vômito, diarreia, entre outros) leve-o imediatamente ao veterinário.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui