As zoonoses mais comuns

Por: em

Zoonoses são doenças transmitidas dos animais para os humanos. Confira as mais comuns.

As zoonoses são infecções que podem ser transmitidas dos animais (silvestres, domésticos e de estimação) para mulheres e homens. A OMS – Organização Mundial da Saúde – estima que 60% das doenças infecciosas humanas são classificadas como zoonoses. Algumas são raras, outras, extremamente comuns.

Seguir Cães Online no Facebook

Nas referências clássicas, zoonoses são apenas as enfermidades transmitidas entre vertebrados (mamíferos, aves, répteis, anfíbios e peixes). Alguns especialistas, no entanto, incluem os artrópodes no grupo de transmissão, tais como pulgas, piolhos e mosquitos.

As zoonoses, na verdade, são provocadas por micro-organismos – geralmente, fungos e bactérias – que colonizam o nosso organismo. Em vários casos, os germes responsáveis estão presentes em animais domésticos saudáveis. Além dos cachorros, os gatos, aves, cavalos e animais de abate também pode transmitir estas infecções.

As zoonoses mais comuns

A autorização para a importação de animais exóticos (pertencentes à fauna brasileira) esbarra em muitos trâmites burocráticos, mas também na necessidade de impedir a proliferação de doenças. Alguns agentes infecciosos podem ser inócuos em determinados locais, mas bastante nocivos em outros.

Da mesma maneira. É proibido criar alguns animais nativos em cativeiro, como papagaios, jabutis e jiboias. Eles podem se infectar com agentes presentes no ambiente urbano e também trazer doenças desconhecidas para os moradores da cidade.

O controle das zoonoses passa pela higienização e sanitarização dos espaços públicos, eliminação de locais propícios a alagamentos, erradicação de parasitas (pombas, ratos, mosquitos, piolhos, pulgas, etc.). No caso dos cachorros, os tutores podem fazer a sua parte, com banhos regulares, limpeza dos espaços de convivência, consultas regulares ao veterinário e vacinação em dia.

As formas de infecção

O contato direto ou indireto com animais de estimação, domésticos e silvestres sempre é um fator de eventuais transmissões de zoonoses. Se o bicho tocado ou observado de perto estiver infectado por bactérias e vírus nocivos, a infecção sempre é possível.

As principais formas de transmissão são as seguintes:

contato direto – o contágio pode ocorrer através do contato com a saliva, urina, fezes, muco, sangue e quaisquer secreções corporais, inclusive as emitidas pela respiração. As mordidas e arranhões também podem atuar como “armas” das zoonoses;

contato indireto – é possível contrair uma zoonose manuseando objetos usados pelos animais infectados (sintomáticos ou não) ou higienizando as áreas em que eles vivem (casinhas, caminhas, etc.). A parvovirose, por exemplo, não é uma zoonose, mas pode ser transmitida de cães para cães até seis meses depois do contágio, porque o vírus se mantém viável em pisos, muros, etc.;

ingestão direta – caso o animal esteja infectado, o tutor entre em contato com as fezes ou urina e leve as mãos à boca ou nariz antes de higienizá-las, os micro-organismos podem ser transmitidos.

As infecções mais frequentes

Relacionamos a seguir as zoonoses mais comuns. A lista inclui apenas as doenças que podem ser transmitidas de cães para humanos:

bicho geográfico – A larva migrans cutânea, conhecida popularmente como bicho geográfico por produzir manchas na pele semelhantes a mapas, é causada por um parasita que retira os nutrientes necessários para as funções do tecido epitelial. Os vetores são os vermes Ancylostoma caninum e A. brasiliensis, presentes nas fezes de cães e gatos e responsáveis por muita irritação e coceira. A transmissão ocorre pelo contato direto ou pela contaminação de alimentos ou água pelas fezes. As larvas aproveitam ferimentos na pele para entrar no organismo e seguir até o intestino, onde se reproduzem e botam ovos, dando início a um novo ciclo. A prevenção é a higienização dos pets depois de passeios e brincadeiras em gramados, jardins, tanques de areia em parques e praças, etc. O bicho geográfico é bastante comum em regiões tropicais;

brucelose – nos cães, a infecção transmitida pela bactéria Brucella canis provoca abortos espontâneos e infertilidade nos machos. A doença pode ser transmitida para humanos, especialmente através do contato com secreções vaginais e da inalação oronasal. Nos humanos, a doença causa febre, sudorese noturna, falta de apetite, calafrios, cansaço e dores pelo corpo. Algumas manifestações alérgicas podem ocorrer. É considerada uma doença funcional, uma vez que afeta principalmente veterinários e trabalhadores de pet shops. É mais comum em indivíduos imunodeprimidos;

criptosporidíase – é uma afecção causada por protozoários do gênero Cryptosporidium, bastante comum: ele sobrevive na água e em ambientes úmidos. O micro-organismo foi descrito em 1907, nos EUA, e já foi encontrado em todas as regiões do planeta, com exceção dos polos. a infecção causa diarreias e gastroenterites severas, que podem ser inclusive fatais para pessoas com o sistema imunológico debilitado. Nos humanos, o vetor mais comum é o C. parvum e o C. hominis, mas outras espécies, como o C. meleagridis (que infecta aves), C. canis (cães) e C. felis (gatos) também infectam o organismo humano;  

doença de Lyme – a doença é transmitida por bactérias do gênero Borrelia, que parasitam carrapatos e completa o ciclo vital em boa parte dos mamíferos e aves. Os cães geralmente apresentam apenas irritação no local da picada do inseto portador. Nos dias seguintes, causa febre, dor de cabeça e cansaço. Sem tratamento, pode provocar dores nas articulações, paralisia de um dos lados da face, rigidez do pescoço e palpitações cardíacas. Mesmo com tratamento, cerca de 20% dos pacientes sofrem com desconforto articular pelo resto da vida. Os sintomas são os mesmos em cães e humanos. A prevenção passa pela eliminação dos vetores, com o uso de carrapaticidas;

esporotricose – é causada pelo fungo Sporotrix schenkii e também é conhecida como doença da roseira. Além de presente em jardins e praças, o micro-organismo adaptou-se a viver em lixões e aterros sanitários. Bastante comum em regiões tropicais, a infecção ocorre nos passeios, mas até mesmo os gatos que não saem de casa podem se infectar, uma vez que os fungos viajam nas correntes de vento. Os humanos contraem a doença na manipulação de fezes e urina dos pets. A esporotricose causa irritações e ferimentos na pele (nos animais, a manifestação tem início no rosto); em casos graves, o fungo pode penetrar a circulação linfática e comprometer todos os órgãos e tecidos;

giardíase – é uma verminose causada pelos protozoários da espécie Giardia lamblia. O contágio ocorre dos cães e gatos para o homem vice-versa. a giardíase é causada pela ingestão de ovos do micro-organismo presentes em carnes cruas e mal passadas, ou durante a higienização de ambientes de animais doentes. Em humanos, a giardíase quase sempre é assintomática, mas pode provocar diarreias é má absorção das gorduras. É uma doença de distribuição mundial, mas é mais comum em regiões carentes. A perda de peso é o sinal mais evidente. Nos cachorros, as diarreias são constantes, o que pode levar um quadro de desidratação. o tratamento é feito com antiparasitários, além de medicamentos específicos para amenizar os sinais;

hantavirose – trata-se de uma virose aguda, transmitida por hantavírus. Na fase inicial, a doença se caracteriza pela febre baixa ou moderada, dores nas articulações, espasmos abdominais, diarreia, náuseas e vômitos (cães e humanos apresentam os mesmos sinais). Em uma segunda etapa, doença pode afetar o coração e os pulmões, provocando dificuldade para respirar, aceleração das pulsações cardíacas, pressão baixa e tosse seca. A hantavirose pode ser fatal. Ela é disseminada, em áreas urbanas, principalmente por ratos, mas o vírus, transmissível através da urina, fezes e saliva, já foi identificado também em pombas;

leishmaniose – a doença é causada por protozoários do gênero Leishmania, transmitidos pela picada de insetos. Todos os mamíferos podem contrair a infecção, que apresenta três tipos principais: cutânea (que causa feridas generalizadas na pele, mucocutânea (que também causa feridas na boca e narinas) e visceral (além das úlceras, também provoca febre, redução dos glóbulos vermelhos e inchaço do baço e do fígado). Os cachorros e gatos não transmitem a doença diretamente para os humanos, mas, infectados podem transferir os protozoários para mosquitos não contaminados, aumentando as probabilidades de proliferação da leishmaniose, que pode ser fatal;

leptospirose – entre humanos, é uma infecção aguda potencialmente grave. É causada pela transmissão de bactérias do gênero Leptospira, que parasitam o organismo de mamíferos. As bactérias podem sobreviver indefinidamente nos rins dos infectados e por até seis meses no meio ambiente. Os micro-organismos são excretados com a urina e podem ser transmitidos diretamente ou através da contaminação da água (em enchentes e inundações, por exemplo). No Brasil, os principais vetores da leptospirose são os ratos (ratazanas, camundongos, etc.). Muitos infectados são assintomáticos; os principais sintomas são febre alta, dores musculares, na cabeça e no peito, vermelhidão nos olhos e cansaço. a maioria dos humanos se cura espontaneamente, mas a leptospirose pode evoluir para a doença de Weil, com icterícia, hemorragias, complicações renais e coma. nos cães, a doença é potencialmente fatal, mas pode ser prevenida com a vacinação;

raiva – é uma infecção viral, que se instala inicialmente nos nervos periféricos e em seguida no sistema nervoso central dos mamíferos carnívoros. Em ambientes urbanos, os cães são os principais transmissores do vírus, que também infectam outros canídeos (lobos, raposas, etc.), morcegos hematófagos e outros animais silvestres. Prevenível com a vacinação para cães, a doença é fatal (até 2006, foram relatados apenas dois casos de cura entre humanos; os cachorros doentes são abatidos). Além das mordidas, a raiva pode ser transmitida através de lambidas em feridas ou na boca. A raiva é impropriamente chamada de hidrofobia, porque parte dos pacientes apresenta intolerência à água a fase aguda;

É perigoso ter animais de estimação?

Não existe nenhum risco em ter cachorros, gatos, ferrets, répteis, peixes, aves ou invertebrados em casa. Mantidos em boas condições de saúde e higiene, além de não transmitirem nenhuma zoonose, eles são bastante úteis para a nossa saúde.

Brincar com um cão o gato, ouvir o canto de uma ave ou observar um aquário ou um terrário oferecem benefícios que vão além da diversão e da contemplação da beleza. É sabido que os animais de estimação ajudam a regular a pressão arterial, reduzindo as chances de doenças cardiovasculares.

Conviver com um cão ou gato nos obriga a fazer exercícios. Mesmo que a atividade física fique abaixo do necessário, um bichinho nos arranca do sedentarismo. Precisamos passear todos os dias com os cachorros, brincar com bolinhas, gravetos, barbantes, etc. Isto contribui para evitar o sobrepeso, fonte de doenças diversas, do diabetes tipo 2 ao infarto do miocárdio.

Mesmo assim, existem alguns riscos de os animais de estimação transmitirem zoonoses para os tutores – e para eventuais visitas também. As formas de prevenção, no entanto, são relativamente fáceis:

Gostou? Siga o Cães Online no Facebook, Instagram e Google News

  • vacinação;
  • vermifugação regular;
  • higiene (banhos, tosas, corte de unhas, etc.);
  • passeios em ambientes saudáveis.