Malassezia em cães – Sintomas e tratamento

Malassezia pachydermatis é o fungo responsável pela maioria das otites caninas. Conheça os sintomas e o tratamento.

A malassezia (o nome técnico é malasseziose), que também afeta os seres humanos, é muito comum em cães, mesmo em boas condições de saúde. Trata-se de uma zoonose causada por fungos (ou leveduras), cuja transmissão ocorre através do contato direto entre humanos e animais domésticos, e a incidência é mais comum nos períodos chuvosos, como o verão e a primavera.

A Malassezia ovale é exclusiva da nossa espécie; o microrganismo é um dos principais causadores da caspa do couro cabeludo, especialmente em pessoas com pele excessivamente oleosa.

Mostra de pele de um cão com malassezia.
Mostra de pele de um cão com malassezia.

Os donos precisam ficar atentos, uma vez que os sintomas são semelhantes aos de outras alergias: o diagnóstico, no entanto, só pode ser feito por um médico veterinário.

Apesar de afetar todos os cães (e também gatos), esta otite é mais comum em algumas raças: pastor belga, pastor alemão, shih itzu, cocker spaniel (inglês e americano), poodle, chihuahua, dachsund (teckel), bassê, yorkshire, maltês, setter inglês, shar pei e bloodhound.

O estudo destes fungos tem sido dificultado em função da dificuldade de desenvolver culturas em laboratório. Os primeiros exemplares das leveduras (que conta com dez espécies já classificadas) foram identificados no final do século XIX, pelo anatomista e histologista francês Louis Charles Malassez.

As leveduras do gênero Malassezia são consideradas como integrantes da microbiota (conjunto de bactérias, protozoários e fungos que colonizam naturalmente um ser vivo) da pele e das mucosas de cães, gatos, humanos e várias outras espécies de mamíferos.

Os malefícios começam a surgir apenas quando estes germes apresentam proliferação descontrolada, quase sempre causada por calor ou umidade excessiva. Outro fator predisponente é a ministração de medicamentos corticoides e antibióticos. É necessário ter um cuidado especial ao enxugar as orelhas dos cães, especialmente quando elas são grandes e caídas.

Alguns animais, no entanto, apresentam predisposição genética para contrair malassezia. Problemas imunológicos e doenças inflamatórias da pele canina (inclusive dermatites atópicas e alimentares) também podem favorecer as infecções, principalmente animais idosos, o que denota o caráter oportunista da zoonose.

 Os sintomas malassezia canina

Os sinais mais comuns da malassezia são:

  • prurido (coceira crônica);
  • descamação da pele;
  • aumento da oleosidade;
  • perda de pelos;
  • infecções no ouvido externo, com presença de secreções amarronzadas e fétidas;
  • vermelhidão;
  • hiperpigmentação;
  • rachaduras na pele;
  • espessamento da pele.

Além dos sinais visíveis nas orelhas, a malassezia pode se apresentar como multifocal (ou generalizada) os cães acometidos podem apresentar alergias na boca, focinho, pescoço, região ventral, ânus, genitais, entre os dedos, virilha e axilas. Em alguns casos, os animais sofrem depressão e emagrecimento súbito.

A pele oleosa e os odores desagradáveis são um alerta para procurar ajuda veterinária com urgência. O diagnóstico da malassezia é obtido por exclusão ou biópsia da pele da área afetada. Outros animais de estimação também precisam ser avaliados.

A tarefa do veterinário não é simples: muitos casos de malassezia são confundidos com alergias, sarna demodécica ou negra (transmitida por ácaros microscópicos, também participantes da microbiota animal) e outras dermatites. Os sinais variam de cão para cão e podem ir desde a ausência de lesões até descamações fortíssimas (as caspas apresentam coloração amarelada), acompanhadas por secreções e muita coceira.

O tratamento para a malassezia em cães

Na maioria dos casos, o tratamento da malassezia é tópico, com a aplicação de loções, xampus e cremes específicos, além da higienização adequada, realizada com as mãos protegidas por luvas cirúrgicas. Recomenda-se que o cão infectado pelas leveduras não mantenha contato com outros animais.

No entanto, quando a malassezia é mais grave e/ou se mostra generalizada, o veterinário pode recomendar a ministração de medicamentos orais, para garantir a qualidade de vida dos cães.

Alguns veterinários têm empregado homeopatia e fitoterapia com bastante sucesso no tratamento da malassezia. As terapias fortalecem o sistema imunológico e contribuem para o restabelecimento do equilíbrio das colônias de fungos e bactérias presentes no organismo dos cães. A escolha da ração (inclusive com a adoção de produtos naturais caseiros ou manufaturados) é outro componente fundamental para combater a malassezia.

A prevenção

O controle da malassezia é relativamente simples e é baseado em dois pontos fundamentais: a higienização regular de pele e pelos dos cães, com atenção especial para a secagem, e as consultas regulares com o médico veterinário.

Observar as recomendações para a dieta balanceada (para não incorrer em erros nutricionais) e certificar-se das boas condições do sistema imunológico também são incumbências importantes para os donos responsáveis: elas reduzem os riscos do desenvolvimento de doenças parasitológicas e endógenas.

6 Comentários

Deixe um comentário
  1. Olá tenho um cão com malassezia ele caiu todos os pelos, levei ao vet a dr falou q tinha cura tratamos ele com ITL E CLOREXIMICOL CEFALEXINA , ele ficou muito bom mais agora voltou pior do q era com força total , to fazendo o mesmo tratamento mais não resolve continua muita coseira e os pelos caindo sem parar já não aguento mais não sei oque fazer vocês poder me ajudar fico muito mal em não conseguir ajudar meu pet .

    • Oi Vinicios, eu tenho uma cachorrinha e ela estava assim também a única solução que está apresentando resultado a longo prazo é enxofre. Vc compra vaselina e enxofre na farmácia mesmo, é bem barato e aí vc mistura os dois até virar tipo uma pomada aí vc apelida no cão um dia sim e outro não… isso foi muito bom os pelos da minha pequena já estão crescendo novamente e ela está ótima, mas já fazem uns 4 meses que eu aplico.. tem que ter paciência! Espero ter ajudado… faz o teste.

    • Eu estou a 7 anos com esse problema minha cachorrinha… nenhum veterinário conseguiu cura-la, mas foram honestos ao me dizer que não tem cura. O que faço quando está ruim dou o Itraconazol por 10 dias e depois continuo dando uma cápsula por semana , assim ela tem se mantido saudável, é é claro que com uma boa alimentação tb.

  2. Olá meu cachorro temorto malasesias e já tomou todos os remédios possível e não melhora ,não sei mais o que fazer .tomou itl de 100mg 40 dias e nada.

  3. To na mesma situação que vc Vinícius, e já faz mais de um ano, usei o mesmo remédio que vc é entre outros , gastei muito dinheiro com Veterinário e nada resolveu, melhora mais depois sempre volta pior, dá a sensação que isso não tem cura.

  4. Olá,tem métodos de curar doenças de pele como essa de modo mais simples e com baixo custo. Minha mãe já curou cães com doenças do tipo apenas com enxofre e óleo de côco que ela mesma faz.
    Mistura o enxofre com óleo de côco até formar uma pasta homogênea, depois passe no animal e dê também um pouco para ele comer.
    Espero ter ajudado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *