Cachorro latindo muito: o que fazer?

Cachorro latindo muito é uma das maiores reclamações dos vizinhos. Veja o que fazer para atenuar o problema.

Em primeiro lugar, é preciso deixar claro que os cachorros latem. Esta é a forma como eles se comunicam conosco e com outros animais. No entanto, o barulho pode se tornar uma grande dor de cabeça. Por isto, é preciso encontrar formas para impedir que um cachorro fique latindo muito e por muito tempo.

Muitas pessoas, especialmente as que moram em edifícios ou casas geminadas, enfrentam tensões com vizinhos nervosos, que reclamam por não poder descansar ou assistir à TV, por exemplo. Apesar de haver muitas reclamações infundadas, cachorros latindo muito podem prejudicar bastante, mas com algumas dicas é possível contornar o problema.

Algumas raças de cães, como o beagle, o poodle toy, o pinscher miniatura e o pastor alemão latem muito, enquanto outras, como o buldogue francês, o lhasa apso, o pug e o whippet, são mais silenciosas. No entanto, é importante ter em mente que estas são médias estatísticas e os comportamentos variam de indivíduo para indivíduo.

Por que os cachorros latem?

É importante lembrar que cachorros que vivem em quintais, exercendo funções de guarda e segurança, naturalmente irão reagir ao que entenderem ser uma ameaça. Isto pode estar associado à raça – o fila brasileiro, por exemplo, foi desenvolvido como cão boiadeiro e, por isto, pode entender que automóveis e motocicletas são reses desgarradas e tentarão resgatá-las.

Os cães de guarda, que nos acompanham há milhares de anos, possuem informações genéticas relacionadas à agressividade, que geram os avanços violentos e os latidos correspondentes. Afinal, eles circulam por quintais e jardins exatamente para impedir o acesso de intrusos.

No entanto, durante o adestramento inicial (o aprendizado de comandos como “pare”, “fique”, “não”, etc.), é possível ensinar os pets o que eles podem e não podem fazer. Basta ter um pouco de paciência e muita firmeza nos treinamentos. Eles precisam aprender “quem manda no pedaço”.

Maus hábitos

Os cachorros são animais gregários. Para eles, nós formamos uma matilha. Por estas características, eles precisam ser sociabilizados desde filhotes. As caminhadas devem ser diárias, preferencialmente por locais com muita movimentação de pessoas e de outros cães.

Os pets criados isolados tendem a desenvolver comportamentos inadequados: destruir objetos, roubar peças penduradas nos varais, tornar-se agressivos e, claro ficar latindo muito e gerando muitos inconvenientes. Os tutores precisam ser responsáveis pela saúde e equilíbrio dos pets e, assim, reduzir os problemas.

Especialistas em adestramento afirmam que muitos tutores que não gostam de latidos são exatamente os que ensinam seus cachorros a fazer muita algazarra, especialmente entre os tutores que satisfazem os desejos e necessidades dos pets imediatamente, sempre que eles pedem.

Desta forma, os cães são estimulados a latir – e muito. É necessário firmeza na criação de um cachorro, para impedir que eles desenvolvam maus hábitos – e isto também inclui reduzir a agressividade e as condutas destrutivas. Na maioria dos casos, os comportamentos inadequados são gerados pela família humana.

O problema piora quando os tutores deixam de atender aos pedidos insistentes, o que quase sempre ocorre quando os cães crescem – e os latidos também. O pet late, o tutor não o satisfaz e acontece uma queda-de-braço quase sempre vencida pelo pet. Mais uma vez, é preciso firmeza no adestramento: resista e, em pouco tempo, você obterá bons resultados.

Em casa

Em geral, cachorros equilibrados não fazem muito barulho quando estão acompanhados por pelo menos um membro da família, mas entram em verdadeiro desespero quando são deixados sozinhos em casa. Mas não é difícil resolver a situação:

bloqueie a vista – Muitos cachorros latem muito quando são estimulados por algo estranho que está acontecendo na rua, que pode ser o ronco do motor de um carro ou os passos de um vizinho caminhando no corredor. Quando os pets ficarem sozinhos, basta fechar os acessos – janelas e portas de terraços ou varandas – e também as cortinas;

mantenha uma fonte sonora – você pode deixar a TV ou o som ligado. Os barulhos “familiares” passam a impressão, para o cachorro, de que está tudo em ordem na casa. Desta forma, eles param de latir – ou latem muito pouco;

altere a rotina dos passeios – Saia para caminhar com o seu cachorro antes de sair para o trabalho ou a escola. Isto fortalece os laços de afeto entre você e seu pet, reduz a ansiedade da separação e deixa o cão cansado; assim, provavelmente ele passará a maior parte do dia dormindo;

deixe brinquedos – Cada cachorro tem os seus objetos prediletos – brinquedos, ossos para roer, etc. Entre as “rondas” pela casa – um cachorro está sempre alerta, pronto para defender a casa e os tutores –, ele poderá se distrair com algumas das suas brincadeiras preferidas;

ofereça brinquedos inteligentes para seu cão, como bolinhas recheadas de ração, que eles precisam descobrir a forma de abri-las. Isto ocupará um bom tempo do animal deixado sozinho e, de quebra, permitirá um melhor desenvolvimento físico, emocional e intelectual do pet;

reforce os bons comportamentos – O reforço positivo é a melhor maneira de adestramento. Quando você estiver em casa, premie o seu cão sempre que ele atender o comando para parar de latir. Em poucos dias, até mesmo um filhote entenderá que latidos constantes não são atitudes que se esperam deles. Lembre-se: nossos pets sempre querem nos agradar;

ainda sobre filhotes – Muitos cães latem para chamar a atenção ou para pedir alguma coisa. Quando estas situações ocorrerem, não interaja com o seu pet. Recuse carinhos e qualquer forma de aproximação. Em pouco tempo, eles aprenderão que latir não é a melhor forma de obter o que pretendem;

• se você é do tipo atlético, comece a praticar agility com o seu cachorro. Isto ajudará na sociabilização do pet e queimará o excesso de energia. Lembre-se de que, para este tipo de exercício, é necessário levar em conta o porte, tipo físico e idade do animal.

O medo

Em muitos casos, especialmente com os cães de pequeno porte (mas que também pode acontecer com os grandões), os cães latem muito porque sentem medo. Especialmente entre os animais isolados, o contato com pessoas estranhas – mesmo que sejam visitantes ou prestadores de serviços – pode ser bastante estressante.

Isto pode ser evitado mantendo a rotina de caminhadas desde que as primeiras vacinas tenham sido providenciadas, a partir dos dois meses de idade. Quando os cães são adotados já adultos, os primeiros passeios podem ser mais rápidos, para que eles entendam que os estranhos não são necessariamente uma ameaça.

Coleira antilatido (não aconselhamos a utilização)

O uso deste acessório ainda é muito polêmico; a maioria dos veterinários contraindica o uso da coleira antilatido. No caso das que emitem pequenos choques, é desnecessário que elas nunca devem ser utilizadas, porque causam desconforto e sofrimento aos cachorros.

A coleira antilatido com recursos sonoros é a mais popular no Brasil. Ela funciona com baterias de lítio e um sensor percebe quando um cachorro está latindo muito. Imediatamente, é emitido um silvo (imperceptível para os humanos) que é bem desagradável para os pets. Em pouco tempo, ele associa os latidos ao ruído.

O volume do som emitido por esta coleira pode ser reduzido durante o treinamento, mas, mesmo no nível mais baixo, o ruído ainda é desconfortável para o cachorro. Seja como for, antes de adquirir o produto, o melhor é consultar um especialista, que poderá fornecer dicas menos drásticas para reduzir os latidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *