Dicas para cuidar dos pelos dos cães

Cada raça canina exige cuidados diferentes com os pelos. Isto vale também para os cães SRD (sem raça definida), que nada mais são que mestiços – e, portanto, exibem características mistas herdadas dos pais, avós, etc.

Conhecendo os tipos de pelos dos cães, fica mais fácil cuidar e manter p charme e a aparência elegante. Confira as nossas dicas e deixe o seu pet pronto para os cliques e passarelas.

Os tipos de pelos dos cães variam de acordo com a origem das raças, das razões pelas quais elas foram desenvolvidas. A pelagem difere no comprimento, textura e espessura. Os pelos podem também ser macios ou duros (inclusive os conhecidos como pelos de arame).

Alimentação, cuidados veterinários, passeios e companhia são fundamentais para manter os pelos dos cães. Todo cachorro solta pelos (a intensidade varia de acordo com a raça, sexo, idade, época do ano, etc.), mas um animal estressado solta muito mais.

dicas-para-cuidar-dos-pelos-dos-caes

O rei dos astros

Os banhos de Sol são fundamentais. Os raios solares, importantes aliados da saúde dos ossos, garras e dentes, também favorecem o crescimento e a substituição dos pelos. Além disso, o Sol elimina a proliferação de fungos que podem ser prejudiciais à pele e à pelagem.

Os passeios diários (30 minutos são suficientes) fornecem o necessário. Não é preciso que o dia esteja ensolarado, nem mesmo nublado: se há claridade, há ação efetiva do Sol, importante para a fixação da vitamina D e do cálcio.

Os cães, no entanto, podem tomar Sol o dia inteiro. Em um quintal, eles decidem a dosagem, alternando com períodos de sombra. Em apartamentos, eles descobrem rapidamente os locais e momentos do dia em que o Sol está disponível. Não se esqueça de oferecer água limpa e fresca, para garantir a hidratação.

Durante os passeios, evite as horas mais quentes do dia. Cachorros não se importam muito com frio e chuva, mas não é nada agradável caminhar sobre a calçada quente. Os carequinhas são os mais prejudicados, tanto nos pelos, quanto na pele. A pelagem clara não é muito eficiente na filtragem dos raios solares. Existem protetores e bloqueadores solares para cães (não use produtos formulados para humanos).

O subpelo

Uma das características fundamentais é a presença ou ausência do subpelo, uma pelagem especial curta, densa e macia junto à pele. É o subpelo que confere a silhueta ondulada de algumas raças.

A função principal do subpelo é manter os cães aquecidos nos dias frios. De forma secundária, ele protege a pele dos raios de Sol. Em países de clima quente, como o Brasil, os cães acabam perdendo boa parte do subpelo.

Mas ele não deve ser eliminado. Caso contrário, a pele perderá a proteção natural. A oleosidade é importante para evitar dermatites. O sobrepelo, nestas raças, pode ser de comprimento médio ou longo.

Para manter os pelos bonitos, não use condicionador nos banhos. A tosa deve deixar pelo menos meio centímetro, de acordo com o comprimento. Experimente xampus antiqueda, para reduzir a quantidade de pelos mortos soltos no ambiente.

O subpelo é sempre curto, denso e macio, mas o sobrepelo varia. Quanto mais longo, mais espaçados devem ser os banhos. O secador deve ser usado sempre em temperaturas baixas:

cães com sobrepelo longo, áspero e liso – collie (rough, smooth, border, bearded e pastor australiano), pastor de Shetland, lulu da Pomerânia;

cães com sobrepelo longo e levemente ondulado – são bernardo, terra nova, bernaise mountain dog;

cães com sobrepelo semilongo e áspero – samoieda, akita, malamute do Alasca (nas raças pastor belga tervueren, husky siberiano e chow chow, o pelo é menos áspero);

cães com sobrepelo semicurto pastor alemão, pastor belga malinois, welsh corgi, pembroke (algumas destas raças apresentam colar espesso e longo; o corgie parece estar usando anquinhas).

Como regra geral, quanto mais longo, crespo e áspero for o sobrepelo, mais espaçados devem ser os banhos e, em caso de chuva, os cachorros precisam ser muito bem enxugados.

É o caso, por exemplo, do komondor e do puli, que parecem ter emprestado o pelo de um carneiro. Eles fazem o estilo “rastafári” e a pelagem retém a umidade por longos períodos. É preciso acostumá-los ao secador desde filhotes.

Mas, toda a regra tem exceções. O poodle (de qualquer porte) pode tomar banhos frequentes, sem risco de ressecar a pele e os pelos. Vale o mesmo para os retrievers do Labrador.

O motivo é que estas raças foram desenvolvidas para o mergulho. Originalmente, poodles e labradores eram empregados para recuperar aves abatidas que caíam em rios e lagoas. Eles se acostumaram à umidade e mantêm a pelagem bonita e vistosa mesmo depois de um passeio sob uma tempestade.

A tosa tradicional dos poodles foi desenvolvida para que eles pudessem mergulhar em águas frias mantendo a temperatura corporal em áreas estratégicas: cabeça, tórax, ponta da cauda e articulações (joelhos e tornozelos).

A história da raça também permite alguns mimos exclusivos para os poodles. Em exposições oficiais, eles são os únicos que podem usar fitas na cabeça e unhas esmaltadas. As cores vistosas permitiam que os caçadores identificassem seus cães a distâncias consideráveis.

Os caçadores

Alguns cães de raça desenvolveram o chamado pelo de arame, mais ou menos áspero e crespo. Durante décadas, eles foram usados em caçadas por regiões de mata mais fechada, por vezes em espinheiros ou terrenos alagadiços.

Os cães de pelo de arame – schnauzer, terrier escocês, terrier irlandês, fox de pelo duro e airedale terrier são bons exemplos – obtiveram a pelagem característica em décadas de trabalho (e cruzamentos seletivos).

Um schnauzer (mesmo os de pelo liso, que não é tão liso assim) pode tomar banhos frequentes, mas o condicionador não deve ser aplicado, nem cremes ou géis muito gordurosos.

Se um schnauzer não for tosado, o subpelo chega a sobressair, de tão denso e espesso que é. A tosa clássica (tronco curto e saia longa, unindo braços e pernas) tem função apenas estética.

Os terriers de pelo mais liso, como os irlandeses e escoceses (o Bidu, do cartunista Mauricio de Sousa, é um terrier escocês azul) podem tomar banhos mensais, com direito a condicionadores específicos). Os cremes cosméticos não fazem parte dos cuidados de beleza destas raças.

Os caçadores e boiadeiros de porte médio e grande desenvolvidos nas planícies europeias – cocker spaniel, springer spaniel,bdogue alemão, dálmata, boxer, dinamarquês, rottweiler, doberman, beagle, basset hound, etc. – podem ter banhos frequentes, mas a tosa completa não é recomendada. Eles podem ser “esculpidos” nos membros, orelhas e cauda.

Caçadores de roedores, como é o caso do maltês e do yorkshire terrier, precisam de cuidados especiais. Os banhos podem ocorrer a cada seis semanas, mas os pelos precisam ser aparados com regularidade. Os pelos longos e finos tendem a ficar oleosos.

Cuidados especiais

• O old english sheedog (velho cão pastor inglês) é um animal extremamente resistente – ele foi criado para defender rebanhos de ataques de lobos e até ursos), mas tem os seus pontos fracos – a pelagem fina tende a formar nós; por isso, deve ser escovado pelo menos uma vez por semana. Outro cuidado é não aparar demais os pelos acima dos globos oculares. Os olhos claros são especialmente suscetíveis à claridade.

• Além dos yorkies e malteses, primos que vieram do Oriente, como os cães lhasa apso e shih tzu, precisam ter a oleosidade dos pelos controlada. Existem produtos pós-banho e também para uso diário.

• Os teckels (popularmente conhecidos como salsichas) quase sempre apresentam problemas com alergias (eles são particularmente suscetíveis a picadas de pulgas e carrapatos) e isto pode comprometer a beleza dos pelos, além de prejudicar a saúde. Os animais de pelo longo devem ser escovados semanalmente.

• Cães muito bagunceiros (é o caso dos huskies e dos afghan hounds, mas qualquer cachorro pode ser mais arteiro) precisam ter alguns “acessórios” retirados constantemente: folhas, gravetos, terra, etc. Além da má aparência, o material orgânico retém umidade e prejudica os pelos e a pele.

A alimentação

De nada adianta usar os melhores xampus, manter a escovação dos pelos e o controle de parasitas em dia, mas descuidar da alimentação balanceada, inclusive as rações específicas de acordo com a idade, condições de saúde, situações especiais (gravidez, convalescença), etc.

O alimento humano NUNCA deve ser oferecido para os cães. Eles não podem ingerir sal e açúcar refinados, óleos vegetais, refeições gordurosas ou condimentadas, etc. Tudo isso compromete os pelos dos cães – e este pode ser o menor dos problemas.

Cães bem alimentados não precisam dos nossos petiscos, nem possuem papilas gustativas para apreciar os sabores. O olhar pidão é apenas a forma como eles expressam a tristeza por terem sido desprezados. Basta oferecer um brinquedo e eles esquecerão a bisteca suculenta sobre a mesa.

Resumindo

Os pontos principais para manter os pelos do cães são boa alimentação, cuidados veterinários, diversão e, claro, banhos, tosas e escovações. Em resumo:

• cães de pelos longos e finos precisam de cuidados diários. A escovação elimina os nós e fortalece os fios, tornando-os menos quebradiços;

• a pelagem dura e crespa, encaracolada ou frisada, é mais difícil de cuidar. Para facilitar, apare os pelos a cada dois meses (respeitando as características do animal);

• a pelagem ondulada ou levemente encaracolada precisa ser escovada toda semana (nos animais mais ativos, o cuidado precisa ser diário);

• os cães de pelo curto (até três centímetros de comprimento) exigem menos cuidados. Um banho a cada seis semanas e escovação com escova lisa a cada dez dias. Mas, nos pelos de arame, o ideal é escovar diariamente.

O pelo duplo é o mais difícil de cuidar. Na tosa, é preciso atentar para não retirar o subpelo (que, em alguns animais, chega a modelar a silhueta). O sobrepelo, mesmo com aparência áspera, não pode receber produtos oleosos.

Um bom serviço de banho e tosa facilita bastante os cuidados com os pelos dos cães, mas não elimina o trabalho dos tutores: a escovação precisa ser feita em casa. Cachorro dá trabalho. O ideal é encarar este trabalho como uma terapia, para relaxar as tensões do dia a dia. É um momento de afeto e carinho, que fortalecem os laços entre o pet e o tutor. E isso não pode ser terceirizado.

Postagens Relacionadas