Remédio de vermes para cachorros

Os vermes causam grandes transtornos. Saiba quando e como dar remédio para cachorros.

Vermes parasitas provocam grandes problemas para os cachorros. Vômitos, náuseas, dores abdominais e diarreias são alguns dos sinais de infestação nos cachorros. Mas, não é necessário esperar que os sinais apareçam para dar remédio contra vermes: é preciso vermifugar os cães regularmente.

Os vermífugos – remédios contra vermes para cachorros – atuam tanto na prevenção como no tratamento para eliminar os parasitas. É importante estar atento à dosagem e à periodicidade, de acordo com o porte e a idade dos pets. O ideal é seguir as prescrições do veterinário.

Para que serve o remédio de vermes?

O medicamento atua na prevenção e no combate aos parasitas. No combate, é necessário seguir a indicação dos especialistas, porque cada verme demanda um remédio diferente para um tratamento eficaz. Os sintomas também são importantes, porque os vermes podem prejudicar o funcionamento de diversos órgãos, como o estômago e o intestino.

Na vermifugação preventiva, o remédio de vermes atua eliminando um possível parasita que ainda não tenha comprometido as funções gastrointestinais dos cachorros. No tratamento, a medicação impede o desenvolvimento dos vermes.

Quando vermifugar?

Ao receber um cachorro em casa, é necessário administrar o remédio contra vermes. Em geral, os pets nascidos em canis (animais de raça) já recebem as primeiras doses do vermífugo, como forma de prevenção. Os filhotes são mais suscetíveis às infestações, principalmente quando vão morar em casas térreas.

A vermifugação tem início quando o cachorro completa a segunda semana de vida, sendo administrada a cada 15 dias até que ele complete 12 semanas. A partir de então, a dose do remédio para vermes deve ser mensal. A partir da fase adulta, é preciso fazer a prevenção a cada seis meses.

Esta indicação pode variar de acordo com as condições de saúde de cada animal. Filhotes de cadelas infestadas, por exemplo, podem ter de receber o remédio para vermes assim que nascem. Por isto, a avaliação de um especialista é sempre necessária.

O veterinário poderá alterar este protocolo médico de acordo com a idade, sexo, local em que o cachorro mora e risco de contágio. Por exemplo, cachorros que permanecem em hotéis sofrem um risco maior de serem infestados por vermes parasitas.

Nos casos de infestação confirmada através de exame de fezes, o tratamento será específico para o tipo de verme. Na maioria dos casos, os vermes não podem ser vistos nas fezes dos cachorros, com exceção dos segmentos de tênias e das lombrigas; mesmo assim, apenas quando a infestação já está bastante avançada.

Tipos comuns de vermes

Os tipos mais comuns de vermes que infestam os cachorros são os seguintes:

  • lombrigas;
  • tênias;
  • ancilostomídeos;
  • vermes do coração;
  • vermes do chicote.

Alguns tipos são mais fáceis de identificar. Quando ocorre uma infestação por tênias, é comum verificar segmentos que se parecem com grãos de arroz nas fezes. As lombrigas são mais evidentes: vermes inteiros ou em partes, que se parecem com um fio de macarrão espaguete com três ou quatro centímetros de comprimento.

No caso dos vermes do coração, no entanto, os animais são assintomáticos ou os sintomas são muito sutis, até que a doença esteja em um estágio avançado. A doença, chamada dirofilariose, é transmitida por mosquitos infectados pelo Dirofilaria immitis, que entra na corrente sanguínea dos cachorros e, quando adulto, se instala no lado direito do coração, afetando também os vasos sanguíneos conectados com o coração.

Inicialmente, os filhotes infestados pelo verme do coração apresentam tosse e dificuldade para respirar. Em estágios mais avançados, o músculo cardíaco pode ser dilacerado, provocando coágulos de sangue no sistema cardiorrespiratório. A doença, se não diagnosticada e tratada com eficiência, pode ser fatal.

As tênias são transmitidas por pulgas e carrapatos hospedeiros. Por isto, é importante inspecionar frequentemente a pelagem dos cachorros, para eliminar estes parasitas. As lombrigas, que também se instalam no intestino, geralmente são transmitidas pelas mães ou quando os animais caçam roedores infectados. Estes vermes podem ser transmitidos para seres humanos que entram em contato com as fezes dos pets.

Os vermes do chicote (Trichuris trichiura) e os ancilostomídeos (Ancylostoma caninum) são muito pequenos. Os espécimes adultos não chegam a atingir 10 milímetros de comprimento. Por isto, a identificação é muito difícil. Alguns estudos científicos afirmam que até 80% dos cães nascem infestados por ancilostomídeos.

Frequentemente, os cachorros infestados por estes vermes não apresentam sintomas. Em estágio avançado, os animais podem sofrer com dor abdominal, cansaço sem motivo aparente e diarreia com sangue. Nestes casos, os pets podem desenvolver anemia e desnutrição.

Vermes do chicote e ancilostomídeos proliferam em ambientes úmidos, como jardins gramados ou areais, por exemplo. A ancilostomose (ou ancilostomíase) também se desenvolve em seres humanos. Cachorros que consomem vegetais não lavados, como frutas e verduras, também podem ser contaminados.

Os sintomas

Na maioria dos casos, as infestações de vermes são assintomáticas nos estágios iniciais. Quando o número de vermes aumenta no organismo dos cachorros, estes podem apresentar os seguintes sintomas:

• tosse – em cães com lombrigas e ancilostomídeos, além de se apresentar na dirofilariose avançada;

• vômito – a maioria dos cachorros infestados apresenta náuseas e vômitos. As lombrigas podem ser observadas, quando a infestação é muito intensa;

• diarreia – muito comum nas infestações por parasitas. Nos casos de ancilostomídeos, podem ser identificados traços de sangue;

• cansaço e letargia – os cachorros podem demonstrar menos energia e desinteresse por brincadeiras;

• barriga inchada – este sintoma é mais comum entre os cachorros que adquiriram vermes durante a gestação;

• perda de apetite e de peso – especialmente entre os animais infestados por lombrigas;

• pelagem com aparência fosca, seca e áspera;

• coceira e inflamações alérgicas na pele;

• vermes visíveis nas fezes ou nos pelos.

É muito comum que os cachorros com vermes esfreguem o ânus no chão, para aliviar a coceira provocada pelos parasitas. No entanto, este sinal também pode indicar problemas nas glândulas anais.

Como dar o remédio de vermes para cachorros?

A maioria dos tutores tem receio na hora de administrar qualquer remédio prescrito pelo veterinário para os pets, que quase sempre apresentam bastante resistência, inclusive demonstrando agressividade em alguns casos.

Para os filhotes, quase sempre são receitados medicamentos líquidos (em suspensão), que são mais fáceis. Neste caso, o risco é que o pet cuspa o remédio ou aspire o produto para os pulmões. Para os cachorros adultos, são ministrados comprimidos, que são a grande dor de cabeça dos tutores. No entanto, já existe um acessório para ministrar o remédio para verme com segurança.

Para dar comprimidos, espere que o pet esteja calmo, sem muita agitação. Acaricie-o para que ele se tranquilize. Em seguida, com a mão esquerda, pressione o maxilar, segurando-o para que a boca seja aberta. Com a outra mão, coloque a drágea o mais perto possível da garganta. Segure a boca fechada do cachorro: isto o obrigará a engolir.

Um comentário

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *