Posso dar soro caseiro para cachorros? Veja como fazer!

Sim, você pode dar soro caseiro para seu cachorro. Neste artigo vamos tirar todas as suas dúvidas, como fazer, quais os benefícios e quando usar o soro caseiro nos cachorros.

Diarreia, vômito e febre podem causar desidratação em cachorros, cujo organismo é composto por 60% de água. Além disto, dias quentes com pouca oferta de água podem prejudicar os pets. Nos casos mais simples, isto pode ser resolvido com o soro caseiro.

A perda de apenas 5% da água do organismo já é suficiente para causar a desidratação. Para descobrir se o cachorro está com problemas de hidratação, basta beliscar a pele (o procedimento é indolor no dorso). Ao soltá-la, caso ela não volte imediatamente ao normal, é um sinal de problemas.

Também é possível identificar a desidratação nas gengivas. Pressione com um dedo, para que a região deixe de ser momentaneamente irrigada pela circulação sanguínea. Depois de eliminar a pressão, a região deverá voltar a ficar avermelhada em dois segundos. Do contrário, o animal estará desidratado.

Causas e sintomas da desidratação

A desidratação acontece quando o volume de líquidos perdidos pelos cachorros é maior do que a ingestão de água. Os animais afetados podem apresentar os seguintes sinais:

  • gengivas secas;
  • língua seca;
  • olhos secos ou arregalados;
  • perda de apetite;
  • respiração ofegante;
  • frequência cardíaca acelerada;
  • letargia;
  • desinteresse por brincadeiras;
  • perda de elasticidade da pele.

Também é possível observar as almofadas dos dedos (a parte que toca o chão). Caso elas estejam mais claras do que é normalmente, a desidratação poderá estar presente. No entanto, muitos pets não apresentam nenhum sintoma; por isto, é importante estar atento à oferta de água, especialmente nos dias quentes.

Vale lembrar que esta condição provoca a perda de eletrólitos, minerais que ajudam a regular as funções dos nervos e músculos, entre outras reações orgânicas. Esta doença é conhecida como hiponatremia, ou perda de sódio.

Veja também: Posso dar dipirona para cachorro?

Como tratar

É muito fácil fazer o soro para cachorros. No entanto, é importante que a desidratação tenha sido causada por problemas corriqueiros, como a ingestão de alimentos inadequados ou a permanência sob o Sol por longos períodos. Caso contrário, o veterinário deverá ser consultado.

Como fazer soro caseiro para cachorros

É possível encontrar soros de reidratação oral em qualquer farmácia. Os produtos indicados para os humanos também podem ser utilizados pelos nossos pets. No entanto, é fácil fazer o soro em casa, com ingredientes bastante comuns em nossas cozinhas. O soro caseiro, inclusive, é recomendado pela OMS para o tratamento de todos os animais.

Para fazer o soro caseiro para cachorros, você vai precisar de:

  • um litro de água;
  • três colheres (sopa) de açúcar;
  • uma colher (chá) de sal;
  • sumo de meio limão galego ou taiti;
  • meia colher (chá) de bicarbonato de sódio.

Coloque a água em uma panela e leve-a para o fogão. Quando iniciar a ebulição, desligue o fogo e despeje a água em um recipiente que não seja de plástico.

Acrescente os ingredientes restantes e misture até a completa diluição. O soro caseiro para cachorros tem validade de 24 horas e deve substituir a água oferecida para os pets. Espere até que o soro esteja em temperatura ambiente antes de colocar na tigela dos animais e, caso o cachorro recuse o líquido, leve-o para o veterinário.

Atenção!

O soro caseiro deve ser oferecido para os cachorros apenas em situações corriqueiras, uma vez que a desidratação por períodos mais longos pode ser sinal de doenças mais graves. Além disto, não se deve obrigar o pet a ingerir líquidos, porque o excesso também pode prejudicar a saúde canina.

Nos casos mais graves, pode ser necessário internar o animal em uma clínica veterinária, para receber fluidoterapia, que pode ser feita de forma oral, intravenosa, intraóssea ou subcutânea. Em algumas situações, pode ser preciso sedar o pet.

Uma condição anômala que causa desidratação é o refluxo de líquidos do sistema digestório, como a bílis. Neste caso, os animais parecem vomitar uma substância líquida e amarelada, sem a presença de restos de alimentos. Gastrites e infecções também desencadeiam os mesmos sintomas.

A diarreia, que também causa desidratação, é um sinal de diversas doenças. O soro caseiro só consegue resolver o problema nos casos simples, como troca de ração, ingestão de alimentos estragados ou impróprios, como acontece quando nossos pets “assaltam” alimentos da despensa.

A desidratação também pode ser provocada por problemas gastrointestinais e do sistema imunológico, parasitas, estresse e é um dos principais sinais da cinomose, enfermidade que apresenta alta letalidade, mas que pode ser evitada com a vacinação.

Dicas importantes

A hidratação adequada é fundamental para garantir a saúde integral dos cachorros. A água oferecida deve ser trocada pelo menos uma vez por dia e não pode ficar exposta ao Sol. Além disto, a desidratação pode ser evitada com as seguintes dicas:

• para os animais adultos, ofereça a ração no final do dia, quando a temperatura está mais amena. Isto irá melhorar a digestão;

• ofereça ração úmida, de modo que o pet também se hidrate com o alimento;

• nunca ofereça comida antes das brincadeiras e caminhadas. Os excessos físicos podem causar vômitos e até mesmo uma torção gástrica;

• em dias muito quentes, deixe um ventilador ligado no ambiente em que o cachorro descansa;

• cuidado com o sobrepeso e a obesidade. A camada mais espessa de gordura provoca mais calor e aumenta o risco de desidratação. A melhor maneira de manter o pet em forma é a prática de exercícios;

• passeie com o cachorro antes das 10h ou depois das 16h (se possível, em áreas que ofereçam locais sombreados);

• nos passeios, não se esqueça de levar uma garrafa de água fresca;

• nunca deixe o cachorro sozinho no carro. Em apenas dez minutos sob o Sol, a temperatura do veículo pode subir de 23ºC para 32ºC. Isto pode inclusive levar o animal à morte;

• evite usar focinheiras de náilon, porque elas não permitem que o cachorro possa arfar, condição comum durante as marchas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *