Os 20 melhores cães para apartamentos

Por: em

Quem vive em espaços pequenos também pode ter companhia. Confira os melhores cães para apartamentos.

O cachorro é o melhor amigo do homem. Quem já conviveu com um cão sabe que a frase, apesar de clichê, está coberta de razão. Muitas pessoas, no entanto, acreditam que, por morarem em apartamentos, devem se privar deste companheiro para todas as horas. Elas estão erradas: há raças caninas que se adaptam perfeitamente aos espaços pequenos.

Antes de adotar um cachorro, são necessários alguns cuidados. Um animal de grande porte, como um dogue alemão ou um São Bernardo, por exemplo, certamente terá dificuldade para viver em um apartamento.

Apenas como curiosidade: apesar do porte molossoide, o dogue alemão pode se adaptar à vida em apartamentos amplos, com espaços para brincar e correr. Ele é um cão imenso, mas também é tranquilo, movimenta-se de forma elegante e acata as ordens dos tutores com muita facilidade.

Além de escolher entre os cães pequenos e médios, o novo tutor também deve observar o temperamento do pet. Caca cachorro apresenta uma personalidade única – e os mais ágeis e travessos não se adaptarão em um espaço pequeno de maneira adequada. É possível observar as diferenças na própria ninhada, verificando o comportamento de cada filhote.

É importante lembrar igualmente que, independente do porte e do temperamento, todos os cachorros precisam passear diariamente, de brincadeiras estimulantes, de adestramento (pelo menos, os comandos básicos), de atenção e de um espaço “para chamar de seu”.

Esse espaço pode ser apenas uma almofada, mas será o refúgio do pet nos momentos em que ele quiser relaxar, dormir uma soneca ou simplesmente ficar sozinho. Adotar um cachorro é uma tarefa de grande responsabilidade, que afeta a nossa vida no longo prazo – durante 12 ou 15 anos, no mínimo.

Os cães de pequeno porte geralmente são mais dependentes dos tutores do que os grandões. Todo cachorro precisa de atenção, mas os nanicos costumam ser verdadeiros chicletes. Pessoas com temperamento independente podem ficar incomodadas com o “grude” destes pets.

Por outro lado, quando é necessário transportá-los (para o consultório ou em uma viagem, por exemplo), é muito mais fácil levar um cãozinho no colo ou em uma gaiola de transporte. Animais de grande porte exigem uma “logística” mais complexa.

Cães para apartamentos

Apresentamos a seguir uma seleção de raças pequenas que se adaptam bem em espaços pequenos, em função do porte, das características e necessidades básicas.

Vale lembrar que há muitos cães sem raça definida – os populares vira-latas que também podem viver em apartamentos: basta observar o tamanho e o comportamento dos pais. Em muitos abrigos, eles são doados de graça ou mediante pagamento de uma quantia simbólica.

Para quem está pensando em dividir a casa e a vida com um cachorro, é importante considerar que, mesmo sendo de graça, animais de estimação representam um aumento nas despesas: eles precisam de comida, brinquedos, roupas, acessórios, consultas médicas, vacinas, remédios, artigos de higiene, etc. Os pets também demandam carinho, educação e companhia. Tudo isso deve ser levado em consideração antes de levar um cachorro para casa – seja um pequeno apartamento, seja a casa-grande de uma fazenda.

Os pequenos

• Basenji

Basenji

O primeiro cão da nossa lista não é de pequeno porte. O que torna a raça ideal para apartamentos é que o basenji não late. Eventualmente, ele vocaliza um ruído semelhante a uma risada humana.

É um cão ativo, alegre, cheio de vida, que precisa de muita atividade física. Se for criado em apartamento, é preciso passear com ele diariamente por pelo menos 30 minutos, preferencialmente em locais amplos, nos quais o pet possa correr, saltar, seguir rastros e divertir-se.

O basenji é talvez a raça canina mais antiga do mundo. Ele surgiu na África equatorial, caçando com os humanos há mais de seis mil anos. Os cães da raça são extremamente protetores, mas não são territorialistas e não apresentam problemas no adestramento.

• Bichon frisé

Os 20 melhores cães para apartamentos

Ele gosta de brincar e é muito ativo, parece sempre ligado em 220 V. O bichon frisé alcança no máximo 29 cm de altura (na cernelha) e oito quilos. Os cães da raça são totalmente brancos, podendo apresentar algumas nuances creme ou damasco.

O bichon frisé é um excelente cão de companhia: carinhoso, obediente, sociável e amistoso com outras pessoas e pets. Ele é muito inteligente e os tutores podem se divertir ensinando novos truques.

Estes cães estão sempre atentos, mas dificilmente se mostram agressivos. Para eles, pessoas estranhas são apenas amigos que eles ainda não conhecem. Eles adoram a companhia de crianças e de outros animais de estimação. É muito comum vê-los imitando os companheiros de brincadeiras.

• Boston terrier

Os 20 melhores cães para apartamentos

Ele chega a pesar 11 kg e atinge 43 cm de altura (na cernelha). O boston terrier é esperto, brincalhão, sociável e muito pidão: é necessário muito controle para não ceder aos pedidos insistentes de petiscos feitos por estes camaradinhas.

O boston terrier se apresenta nas cores branca, marrom e tigrada, com ou sem mesclas de branco. O pelo é curto, fino e macio, o que facilita bastante os cuidados com a aparência. Os cães da raça também não costumam apresentar problemas com quedas de pelos.

Os cães da raça são extremamente apegados à família humana e parecem não ter sido equipados com um dispositivo para desligar. São ágeis, rápidos e divertidos, sempre à procura de brincadeiras. Por outro lado, também podem passar algumas horas sozinhos – eles sempre encontram alguma coisa divertida para fazer.

• Buldogue francês

Buldogue francês

A raça se desenvolveu no final do século 18, quando os buldogues ingleses que nasciam muito pequenos eram descartados – a função desses cães era lutar em rinhas de apostas. Levados para a França, eles se tornaram uma raça independente.

O buldogue francês é um cão tímido, mas não é nada frágil. Ele é ideal como companhia de crianças pequenas, porque tolera sem reclamações as brincadeiras dos pequenos. Para o porte (no máximo, 35 cm de altura na cernelha), ele é um cão pesado, que atinge os 15 kg.

Os cães da raça podem ser brancos, pretos ou creme (sólidos ou bicolores) e também tigrados. Apesar de muito agitados, as brincadeiras muito intensas devem ser evitadas, porque estes cães tendem a apresentar problemas cardiorrespiratórios.

• Buldogue inglês

Buldogue inglês

Quem vê um cão desta raça dificilmente consegue imaginar que ele foi originalmente desenvolvido para enfrentar lobos e touros em rinhas de combate. Hoje em dia, os “tempos de lutas” estão superados.

O buldogue inglês é um animal pacato. De porte médio, pesa em média 25 kg e atinge 43 cm de altura (na cernelha). É um cão bonachão, que prefere ficar no seu canto, tirando uma soneca: 20 minutos de atividades físicas diárias são suficientes para mantê-lo em forma.

Os cães da raça podem ser pretos, marrons ou fulvos (sólidos ou bicolores). É necessário evitar o esforço físico exagerado. Por outro lado, a pelagem curta e densa dispensa grandes cuidados na higiene. O buldogue inglês late pouco, mas baba muito e ronca alto.

• Chihuahua

Chihuahua

É a menor das raças caninas. Este simpático mexicano, no entanto, é um perfeito cão de guarda: ele está sempre alerta para ruídos estranhos e é sempre o primeiro a fazer soar o alarme em caso de “perigo”.

O chihuahua é também bastante ciumento, devendo ser bem adestrado para eliminar as tendências dominadoras do cãozinho. Muito brincalhão, deve-se ter cuidado com brincadeiras violentas, porque qualquer choque pode causar sequelas graves.

Os cães da raça são excelentes para quem mora em apartamento. Eles preferem ser “filhos únicos”: não são muito amigáveis com outros cachorros, menos ainda com gatos. A família humana, por outro lado, é objeto de veneração.

• Chow chow

Os 20 melhores cães para apartamentos

Ele é mais conhecido pela língua azul. É um cão reservado e distante com estranhos, mas carinhoso e apegado à família humana. Também é um bom companheiro de outros cães e gatos. O chow chow é inteligente e pode ser treinado como cão de guarda.

Com temperamento independente, este e um cão observador: ele pode passar horas na janela, olhando o movimento de pessoas e carros. Por não ser muito agitado, adapta-se bem a apartamentos, apesar do porte médio.

O chow chow precisa ser tosado regularmente (em média, a cada dois meses). Ele perde muitos pelos e precisa ser escovado de dois em dois dias, para manter a aparência bonita e saudável. Não é um cachorro muito brincalhão: ele prefere ficar deitado ao lado do dono, “lendo ou assistindo TV”.

• Cocker spaniel

Cocker spaniel

Tanto a raça inglesa quanto a americana são indicadas para caça. Por isso, os cocker spaniels são ativos, agitados e muito brincalhões. São animais extremamente resistentes, fortes e inteligentes. Por temperamento, podem ser independentes, mas não dispensam os carinhos dos tutores.

Os cocker spaniels são ciumentos e territorialistas. Eles preferem viver apenas com humanos. O adestramento deve ter início na infância, porque estes cães podem se tornar voluntariosos e teimosos. Eles apresentam forte senso de propriedade.

Os cocker spaniels precisam de cuidados especiais na pelagem (banho e tosa a cada dois meses e escovações a cada dois dias) e nas longas orelhas, que, se ficarem sujas ou encharcadas, podem causar otites e outros problemas de saúde.

• Dachshund

Dachshund

O salsichinha, também chamado de teckel, é um excelente companheiro. Gosta de brincar e passear, mas prefere apenas ficar ao lado dos tutores, descansando depois de um “longo dia de trabalho”.

O dachshund pode ser preto, bronze ou uma mescla das duas cores. A principal característica é o corpo alongado e um pouco esgalgado. Há variedades de pelo longo e curto – esta última é mais comum no Brasil e também de mais fácil manutenção.

O dachshund é afetuoso, aprende os comandos básicos com facilidade (mas é difícil ensinar muitos truques para ele, mais em função da independência do que da inteligência), é muito fiel, mas pode se revelar ciumento e dominador.

• Jack russel terrier

Jack russel terrier

É um cão compacto, sólido, inteligente e fiel. O jack russel terrier foi desenvolvido na Inglaterra, no século 19, para participar de caçadas a raposas. É um cachorro pequeno, com apenas 30 cm de altura (na cernelha).

O jack russel é extremamente sociável. Estes cães eram usados em matilhas numerosas para a caça. Por isso, eles ficam à vontade em casas com famílias numerosas – com humanos, caninos e felinos. Por outro lado, eles são bem barulhentos.

Eles são muito protetores, especialmente com crianças, mas, como todos os cães de trabalho, são obedientes apenas quando estão cumprindo as suas funções. E, como atualmente eles não caçam mais, eles passam o tempo principalmente fazendo o que querem. Os cuidados são simples e o jack russel é rústico e saudável.

• Lhasa apso

Lhasa apso

A raça foi desenvolvida no Tibete e isso se reflete nas características físicas, como o pelo longo e denso, para proteger do frio e também nas características emocionais: como guardião dos templos budistas, o lhasa apso é tranquilo, independente e um pouco distante.

O lhasa apso é inteligente, sensível, amigável, brincalhão e está sempre alerta. O adestramento é fácil. Ele gosta de crianças e não tem propensão à territorialidade, apesar de se apossar de alguns objetos. É um cão muito devotado aos tutores.

O focinho dos cães da raça é um pouco mais alongado (em relação a outros animais de focinho amassado), o que os torna um pouco mais resistentes às brincadeiras mais intensas. Um passeio diário de 15 minutos é recomendado para manter a forma física.

• Maltês

Maltês

Mais um cão totalmente branco, de pelos longos e finos, que exigem cuidados constantes, não apenas em função da estética, mas também da saúde. O maltês pode se infestar de parasitas com facilidade, além de reter umidade na pele, caso não seja escovado diariamente e tosado pelo menos a cada dois meses.

Apesar da má fama dos cães pequenos, o maltês se destaca pela docilidade. Este é um cão inteligente e brincalhão. Mesmo com a aparência nobre, o maltês é um “moleque” que adora correrias e saltos. Ele é tão ágil que muitos exemplares são usados em competições de agility e até de tracking.

Na verdade, o maltês precisa se exercitar com frequência e intensidade maiores do que outros cães de pequeno porte. Ele é guloso e apresenta forte tendência à obesidade e é preciso prevenir isso, para impedir problemas sérios de saúde.

• Pinscher miniatura

Pinscher miniatura

Este cãozinho é classificado como “o menor cão de guarda do mundo”, atingindo entre 25 cm e 28 cm de altura (na cernelha). Ele pertence ao mesmo grupo do dobermann (que também tem pinscher no nome).

O pinscher miniatura pode ser preto com marcações castanhas (o chamado vermelho-corça) ou totalmente castanho. O pelo curto e rente não exige muitos cuidados para ser mantido em boas condições. O porte e a pelagem curta são dois bons motivos para mantê-lo em apartamento.

É um animal leal, corajoso, inteligente, obediente e muito curioso. Os tutores devem adestrar estes cães desde filhotes, para que eles não desenvolvam características indesejáveis, como territorialidade, agressividade e dominância.

• Poodle toy

Poodle toy

Pequeno e fofinho, o poodle toy encanta, mas também engana muita gente: ele é ativo, agitado e atlético. Não é uma raça à parte, mas apenas o grupo que reúne os menores poodles, cães desenvolvidos para a caça e resgate de presas.

O poodle pode ter a pelagem preta, marrom, cinza, abricó ou branca (alguns cães são bicolores). O pelo é espesso, abundante, fino, crespo, elástico e bem distribuído. Os cães toy podem ser tosados como os de porte maior.

Os cães da raça são muito apegados aos tutores e não gostam de ficar sozinhos. Eles latem bastante e precisam de atividade física diariamente. Eles gostam de colo, mas também são curiosos e preferem explorar o ambiente, o que fazem praticamente o tempo todo.

• Pug

Os 20 melhores cães para apartamentos

A raça foi desenvolvida na China e, levada por exploradores holandeses e ingleses, fez sucesso na Europa. A imperatriz Josefina da França tinha vários pugs. O pelo curto e o porte pequeno (máximo de 13 kg) torna os pugs muito indicados para quem vive em apartamento.

O pug é forte e compacto, com aparência quadrada. A principal característica é o focinho amassado, que também é responsável pela resistência cardiorrespiratória reduzida. Isto faz com que os cães da raça não sejam nada atléticos: 15 minutos diários de caminhada, em ritmo lento, são suficientes para mantê-los em boa forma física.

Os cães da raça são calmos, dóceis, não latem à toa e adoram ficar no colo. São inteligentes e, apesar do porte pequeno, são determinados e até obstinados, mas raramente demonstram agressividade. O talhe robusto os torna ideais como companheiros de crianças pequenas, mas os pugs se adaptam a qualquer tipo de família.

• Spitz anão

Spitz anão

Alegre, divertido e bem humorado, o spitz anão encanta também pela pelagem única entre os cães. Também conhecido como lulu da Pomerânia (uma região no norte da Alemanha e da Polônia), é uma excelente opção para apartamentos, mas exige cuidados com a pelagem.

Os cães da raça, no entanto, podem ser considerados atléticos e exigem uma boa carga de exercícios físicos diariamente – no caso, uma prancha apoiada no sofá ou uma corrida da cozinha para a sala já são atividades suficientes.

O spitz anão, por outro lado, é um cão de guarda e está sempre atento. Os tutores precisam respeitar esta característica, porque ele está sempre “protegendo” a família. Ele se levanta várias vezes durante a noite para conferir se está tudo bem.

• Schnauzer

Schnauzer

O indicado para apartamentos é o cão da variedade “miniatura”. O schnauzer foi desenvolvido na Alemanha e também apresenta os tamanhos “standard” e “gigante”, mas continua sendo classificado como uma raça única.

O ar inteligente é o principal atrativo o schnauzer. As orelhas dobradas para a frente, milimetricamente alinhadas com a linha superior do crânio, ao lado das sobrancelhas grossas, bigodes e barba, tornam estes cães praticamente irresistíveis.

Apesar do porte, o schnauzer miniatura não apresenta características de nanismo e geralmente apresenta boa saúde. É um bom cão de guarda, muito apegado aos tutores, razoavelmente ativo. O pelo exige cuidados especiais, apenas para manter a aparência.

• Shiba inu

Shiba inu

Ele é parecido com uma raposa. O shiba é musculoso, mas considerado pequeno entre o grupo dos spitz. É um excelente cão de guarda, alerta, ágil e desconfiado com estranhos. No Brasil, ele ficou conhecido como “pequeno akita”, mas é muito mais bem humorado do que o seu primo.

A raça é considerada a mais antiga do Japão, com alguns exemplares datados de mais de cinco mil anos. O shiba é resistente e adora caminhar, mas não gosta de corridas. Criado em apartamento, ele precisa de passeios diários, com trajetos diferentes para que ele possa explorar novos ambientes.

O pelo liso não requer tosa, mas o shiba precisa ser escovado a cada dois dias. A pelagem pode ser branca, creme, vermelha, preta ou sésamo, sempre com a presença do urajiro (pelos esbranquiçados nas laterais do focinho, sob a mandíbula, no peito, abdômen e face interna das pernas e da cauda).

• Shih tzu

Shih tzu

Mais uma raça de cães de companhia nativa do Tibete. De acordo com a tradição, o shih tzu descende de cães chineses e tibetanos – esta aliança promoveu a paz na região e, efetivamente, os cãezinhos são muito dóceis e afetuosos.

O shih tzu é menos ativo do que outros cães de pequeno porte. Ele prefere brincadeiras tranqüilas, passeios curtos e muito colo. Apesar de todas essas qualidades, os cães da raça podem se mostrar dominantes e territorialistas: é preciso corrigir essas características logo cedo.

A personalidade forte provavelmente batizou a raça: shih tzu pode ser traduzido como “pequeno leão”, mas os cães da raça não são ferozes nem agressivos. Eles podem ser teimosos, mas costumam se dar bem em qualquer ambiente.

• Yorkshire terrier

Yorkshire terrier

É uma das raças preferidas dos brasileiros. O yorkshire terrier é um cão de trabalho e não deve ser confundido como “simples companhia”. Desenvolvido para caçar ratos em minas de carvão na Inglaterra do século 19, ele não gosta de ficar muito tempo no colo.

Os tutores não devem tratar o yorkie como um cachorro de “madame”. Ele é ativo, curioso e muito esperto. Gosta de descobrir coisas novas, brincar de força e pode passar horas tentando abrir um pote para devorar os petiscos escondidos. O pelo dá bastante trabalho, mas cuidar dele pode ser considerado uma terapia.

O yorkshire tem o olfato extremamente apurado e gosta de seguir rastros nos passeios diários. Trata-se de um cãozinho bastante sociável, mas ele não gosta de crianças pequenas. Os tutores precisam ficar atentos, porque a curiosidade pode colocá-lo em problemas.