InícioHistórias FelizesCãozinho de rua resgatado não para de acariciar seus salvadores

Cãozinho de rua resgatado não para de acariciar seus salvadores

Ao ver que estava seguro, este cãozinho de rua não conseguia parar de agradar os resgatadores.

Cachorros são seres sencientes: eles também são capazes de entender sensações e sentimentos conscientemente. Desta forma, os animais de rua sofrem muito com o abandono. Por outro lado, ficam muito felizes quando são acolhidos. É o caso deste cãozinho, que não conseguia parar de agradar os resgatadores, quando percebeu que finalmente estava são e salvo.

Quem convive com um cão sabe que estes peludos são capazes de demonstrar o que estão sentindo. Eles distinguem o que é bom do que é mal e ficam contentes quando são bem tratados. Em troca, não deixam de revelar gestos de gratidão e afeto.

caozinho-de-rua-nao-para-de-agradar-os-resgatadores

Um projeto tailandês

Basil é um cãozinho sem raça definida que vivia nas ruas de Songkla, uma cidade do sul da Tailândia. Como todas as grandes cidades – Songkla tem mais de 1,3 milhão de habitantes – o local é repleto de desigualdades e o abandono de animais é apenas um destes problemas.

Tamara Johnston é uma professora tailandesa que, em 2012, organizou um santuário para animais: o Thai Street Paws Rescue (resgate tailandês de patas de rua, em tradução livre). Ela começou acolhendo cães em casa e encontrando lares adotivos para eles, com a ajuda de dezenas de voluntários do país e do exterior.

Em 2016, Tamara licenciou-se do trabalho, alugou a casa em que vivia e, com os recursos que conseguiu reunir, organizou um santuário para cachorros, em que atualmente vivem mais de 80 animais resgatados das ruas.

Um resgate

Certo dia, em meio às atividades, Tamara decidiu fazer uma refeição. No meio do caminho, ela se deparou com um cachorrinho que aparentava ter apenas alguns meses de idade. O animal estava em estado deplorável.

O abdômen do cãozinho era muito volumoso, enquanto o restante do corpo era tão esquálido que era possível observar os ossos debaixo da pele. O animal estava infestado de pulgas e carrapatos. No olhar triste, podia-se antever o medo que o peludinho sentia.

caozinho-de-rua-nao-para-de-agradar-os-resgatadores

Tamara não poderia deixar o filhote sozinho naquelas condições. Ela procurou informações em algumas lojas da região e ficou sabendo que o cãozinho não tinha dono, a mãe também vivia nas ruas e uma irmã, talvez da mesma ninhada, havia sido atropelada naquela mesma rua.

Um morador local informou que o cachorro vagava de casa em casa à procura de alimento. Ninguém dava muita atenção a ele: era apenas mais um cachorro de rua. A resgatadora decidiu levar o animal.

A benfeitora sabia que precisava agir rápido: o cãozinho estava muito fraco e a barriga inchada indicava um grau avançado de desnutrição. O filhote, no entanto, não parecia preocupado. Ele reagiu muito bem quando Tamara se aproximou e, ao perceber que estava sendo acolhido, recuperou um pouco das energias para abanar o rabo e agradar, tanto quanto pôde.

caozinho-de-rua-nao-para-de-agradar-os-resgatadores

Em primeiro lugar, Basil – este é o nome do personagem – foi levado ao veterinário, para uma avaliação inicial. Tamara afirmou que o cachorrinho se comportou muito bem durante a consulta. Ele parecia cansado pela doença e pelos maus tratos. “Tenho certeza de que foi um alívio para ele”, disse a benfeitora.

Basil permaneceu internado durante alguns dias, foi vacinado, esterilizado e liberto dos parasitas e em seguida foi transferido para o santuário edificado por Tamara. A própria benfeitora vive no local.

caozinho-de-rua-nao-para-de-agradar-os-resgatadores

Agora, o cachorrinho está em busca de um lar permanente, uma família definitiva. Enquanto o grande dia não chega, ele não se cansa de agradar e acariciar os resgatadores. A equipe do santuário já sabe que não basta alimentar e higienizar o filhote: ele precisa ser colocado no colo, para ser mimado.

Mas Basil sempre recompensa a atenção recebida. Ele literalmente não para de fazer festa, beijar e abraçar os cuidadores. O cachorro realmente é um charme e o vídeo do filhote demonstrando afeto e gratidão não deixa nenhuma dúvida.

Tamara se lembra do dia em que acolheu Basil. Ela já se deparou com animais em péssima situação, mas o estado do filhote era muito deprimente. Doente, cansado, faminto, ele parecia apenas estar contando as horas para desistir.

Adotar um cão de rua é um gesto de amor, esperado por pessoas solidárias e comprometidas com o bem-estar de todos. Esperamos que Basil encontre rapidamente uma família carinhosa, para receber todos os agrados que ele gosta de oferecer.

Amaury Almeida Costa
Amaury de Almeida Costa ([email protected]) é redator publicitário há mais de 30 anos. Escreve para diversos blogs desde 2008. Presente nas redes sociais desde a época do Orkut, foi editor da revista Animanews, sucesso editorial do final dos anos 1990, que trazia informações sobre pets – além de cães, gatos e aves, trazia informações sobre répteis, anfíbios, peixes e invertebrados de estimação.
RELACIONADOS

Últimas Publicações