Cachorro perdido agradece aos salvadores com o olhar marejado

Encontrado a salvo, este cachorro perdido mostrou toda a gratidão no olhar – e no rabinho abanando.

Um morador de quatro patas de Redding, uma cidade no norte da Califórnia (oeste dos EUA), se perdeu na mata e precisou contar com a ajuda de bombeiros e policiais para voltar à casa são e salvo.

Henry, o cachorro preto e castanho desta história, foi acostumado a passear sozinho, sem a supervisão dos tutores. O peludo gosta muito de explorar por conta própria as florestas que circundam Redding, mas, dessa vez, ele não conseguiu voltar para casa.

Perdido e encontrado

Não é recomendável que os cachorros saiam de casa sozinhos, sem a supervisão de um humano. Graças ao faro e à audição muito mais apurados do que os nossos sentidos, eles são capazes de identificar sinais do caminho a ser percorrido – mas estes caminhos estão sempre cheios de perigos.

O episódio aconteceu no Memorial Day, feriado dos EUA que celebra a memória dos combatentes americanos que morreram em serviço e marca o início da temporada de verão no país. A data é comemorada desde o final da Guerra de Secessão (1861-1865).

Henry decidiu aproveitar o feriado fazendo uma caminhada na mata. A região no entorno de Redding é muito famosa nos EUA, em função do grande número de lagos, cascatas e montes. Por outro lado, trata-se de uma área pouca habitada: Shasta Cascade ocupa um quarto do território da Califórnia, mas abriga apenas 2% da população do Estado.

cachorro-perdido-agradece-aos-salvadores-com-o-olhar

O cachorro sofreu um pequeno acidente. A coleira se enroscou nos galhos, quebrou-se parcialmente e Henry ficou preso em um trecho pantanoso da floresta. O peludo ficou entalado e não conseguiu se desvencilhar.

Preocupados com a demora, os tutores de Henry fizeram algumas buscas pela vizinhança, mas não conseguiram encontrar nenhum sinal do cachorro. Depois de algumas horas sem notícias, a polícia e os bombeiros de Redding foram acionados.

Policiais e bombeiros organizaram buscas pela mata, tentando identificar vestígios da passagem do cachorro pelas trilhas. Depois de algumas horas na operação, os oficiais finalmente encontraram Henry – sujo, assustado e ansioso, mas sem marcas de ferimentos ou traumas.

A aventura de Henry não passou de um grande susto para a família e os vizinhos, acostumados a receber visitas do cachorro durante o dia. Os bombeiros que participaram da operação de resgate informaram à imprensa que o que mais impressionou foi o olhar do peludo.

De alguma forma, Henry sabia que estava em apuros e que aqueles homens representavam a salvação. Quando finalmente a coleira foi desembaraçada do arbusto em que o cachorro estava preso, o peludo passou a dar mostras de alegria e amizade, abanando o rabinho e interagindo com os bombeiros.

O episódio foi publicado na página oficial do Departamento de Polícia de Redding no Facebook e recebeu milhares de curtidas. Muitos moradores da cidade que conheciam o cachorro foram até a casa de Henry, para saber notícias sobre o peludo.

Henry deve ter sofrido bastante por algumas horas, tentando se soltar dos ramos que tolhiam os movimentos, mas, depois de uma rápida avaliação pelos próprios oficiais da polícia, ele foi levado para a segurança da casa, junto aos seus parentes e brinquedos.

Nunca deixe os cachorros sozinhos na rua!

Muitos tutores permitem que os cachorros saiam de casa sozinhos. Muitas vezes, “é só uma escapadinha”, mas esses passeios, considerados inocentes por muita gente, podem ser a causa de muitos problemas e acidentes.

Sozinhos nas ruas, os cães estão expostos a atropelamentos, quedas, brigas com outros animais, maus tratos por parte de desconhecidos e maior exposição a doenças virais e a infestações de parasitas.

Mesmo cães completamente vacinados podem contrair vermes e parasitas externos, como pulgas, carrapatos e piolhos – alguns deles responsáveis por doenças que podem ser fatais. Sozinhos, os cachorros não são reprimidos quando decidem identificar um amigo (ou inimigo) pelo cheiro das fezes e da urina, por exemplo.

Outro problema bastante comum é a gravidez indesejada. Fêmeas no cio, sozinhas na rua, serão seguidas por um batalhão de cachorros. Já os machos soltos podem tentar invadir a casa de uma fêmea nesta condição.

Além dos perigos (brigas, acidentes, quedas, etc.), a gravidez indesejada gera filhotes que dificilmente encontrarão lares seguros e amorosos. É muito comum, inclusive, o abandono das ninhadas e até mesmo das cadelas gestantes.

Os cachorros devem passear diariamente. A atividade garante melhor socialização com outros cachorros e humanos, reduz a ansiedade, os hábitos destrutivos e até mesmo a depressão. Mas, nas caminhadas, eles devem ser conduzidos com guia e coleira, preferencialmente com uma identificação.

Eles devem ser soltos apenas em parques e praças com áreas especiais para os passeios autônomos – em algumas cidades, há espaços gradeados, inclusive divididos de acordo com o porte dos peludos. Fora isso, é responsabilidade do tutor conduzir os melhores amigos. Nem sempre os passeios acabam em finais felizes, como aconteceu com Henry.

Postagens Relacionadas