Piglet, um cachorrinho com aparência de porco, surdo, cego e rosado é resgatado e fica famoso

Por: em

Ele não consegue ver nem ouvir, e inspira crianças a lidar com as diferenças. Este é Piglet. 

Piglet é um simpático cachorrinho rosado, parecido com um porco (daí o nome: “piglet” significa “leitão”, em inglês). Mesmo sendo cego e surdo, ele tem conseguido divulgar muito bem uma mensagem importante sobre respeito e tolerância. 

O cachorrinho cor-de-rosa, com orelhas e focinho de porco, transformou-se em um símbolo de aceitação, gentileza e inclusão. Mas Piglet não teve uma vida fácil até se tornar a mascote de uma causa tão nobre como o respeito aos diferentes. 

Atualmente, Piglet é o personagem principal de um livro que se tornou campeão de vendas nos EUA: “Piglet, The Unexpected Story of a Dead, Blind and Pink Puppy and his Family” (Piglet, a história inesperada de um filhote surdo, cego e rosa, e sua família, em tradução livre), de Melissa Shapiro e Mim Rivas. 

Piglet, um cachorrinho com aparência de porco, surdo, cego e rosado é resgatado e fica famoso
Surdo, cego e com aparência de porco, Piglet fica famoso após ser resgatado. Créditos: Instagram @pinkpigletpuppy

A história de Piglet 

Piglet nasceu em um abrigo da Geórgia (sul dos EUA). Ele é um mestiço de dachshund e chihuahua. Nos EUA, os cruzamentos de raças caninas pequenas vêm se popularizando, com o objetivo de obter animais cada vez menores. 

O problema é que esses cruzamentos acabam perpetuando condições genéticas desfavoráveis. É o caso de Piglet, que nasceu surdo e cego. a mãe dele foi levada para um abrigo, que já atendia outros 37 cães maltratados e abandonados. 

As probabilidades de adoção eram quase nulas. As deficiências de Piglet o colocavam no final da fila. Mesmo assim, uma médica veterinária de Connecticut, Melissa Shapiro, se ofereceu para cuidar do cãozinho, que pesava menos de meio quilo. 

Piglet, um cachorrinho com aparência de porco, surdo, cego e rosado é resgatado e fica famoso
Créditos: Instagram @pinkpigletpuppy

Melissa não havia planejado adotar um cão. Ela compadeceu-se das condições de Piglet e levou-o para casa, imaginando que poderia realocá-lo posteriormente. Alguns meses depois, no entanto, a veterinária afirmou à revista People que não consegue imaginar a vida com o cãozinho rosado morando em outro lugar. 

Mesmo assim, a médica disse, durante a entrevista, que criar Piglet foi um desafio: “É um trabalho de tempo integral, cuidando de um bebezinho deficiente. Mas ele é tão fofo que ocupou um espaço imenso no coração da família”. Piglet se tornou o sétimo filhote a ser adotado por Melissa. 

O primeiro mês de convivência foi difícil. Piglet chorava constantemente, com pausas curtas para o sono. Mas já acordava gritando, para atrair atenção. O cachorrinho, no entanto, superou as primeiras dificuldades e adaptou-se ao novo lar. 

Hoje, além de passar o dia brincando com os irmãos e irmãs, Piglet tornou-se uma celebridade instantânea: ele tem mais de 100 mil seguidores no Instagram. as peripécias e artes do cachorro começaram a ser postadas de forma despretensiosa, mas atraíram a atenção dos internautas. 

Das mídias sociais, Piglet passou a interagir diretamente com crianças. Uma professora da 3ª série, que seguia as páginas do cachorrinho, decidiu levá-lo para a sala de aula. Mim Eichler Rivas chamou a nova técnica de encorajamento de “Piglet Mindset”, ou mentalidade Piglet, em tradução livre. 

Em linhas gerais, Mim Rivas pretende que, ao interagir com um cachorrinho cego e surdo, as crianças sejam incentivadas a nunca desistir: não há obstáculos intransponíveis – e Piglet é a prova disso. 

Durante um ano, Mim Rivas e Melissa Shapiro aprimoraram as atividades que têm Piglet como protagonistas. Além de escolas, o cachorro surdo e cego – e parecido com um porco – passou a ser requisitado por orfanatos, hospitais, creches e casas para idosos. 

O Piglet Mindset se tornou um programa oficial, adotado por escolas e entidades que lidam com portadores de necessidades especiais. O cachorro ensina a enfrentar desafios, trabalhar limitações e encontrar recursos próprios para fazer face às necessidades. 

O cachorrinho deficiente também é empregado para demonstrar a necessidade do respeito às diferenças. Piglet, ao brincar e correr com outros seres – quase sempre, crianças e outros cachorros de Melissa –, ensina que as pessoas são diferentes umas das outras, mas isto não significa que sejam melhores ou piores. 

Shapiro e Rivas também desenvolveram material didático e de apoio, que está disponível para download gratuito no site www.pigletmindset.org, para escolas e centros de reabilitação. As “aulas de Piglet”, que rapidamente se popularizaram no Texas, Connecticut, Louisiana e Alabama, hoje em dia são vistas em lugares tão diferentes quanto a Austrália e o Japão. Diferentes, mas com muitas coisas em comum. 

Além de ajudar no aprendizado, Piglet também colabora para o bem-estar de cães e gatos abrigados em diversos locais dos EUA. Todo o dinheiro arrecadado com anúncios publicados no site Piglet Mindset são revertidos em benefício de entidades de defesa dos direitos dos animais. Em 2020, o site arrecadou US$ 30 mil (mais de R$ 150 mil, pelo câmbio atual.