Eles não falam, mas mostram sinais. Veja como saber se seu cachorro está doente ou com dor.

Os cachorros não falam, mas também ficam doentes e sentem dores. Os tutores precisam ficar atentos aos sinais emitidos, para identificar um comportamento inusitado e prevenir complicações futuras.

No entanto, os cachorros parecem ser mais tolerantes à dor do que nós e, por isso, os sinais costumam ser sutis. Quando estão com dores ou sentem-se doentes, os pets não passam o dia inteiro chorando, nem apontando onde dói com a pata.

Como saber se o cachorro está doente ou com dor

Os indícios mais claros de que alguma coisa está errada costumam se manifestar apenas em casos mais graves, quando a doença já está em um estágio mais avançado. Felizmente, os tutores conhecem os seus cães e sabem quando eles estão “diferentes”: podem ser pequenas alterações no comportamento, mas elas precisam ser observadas.

Os indícios de doenças ou dor em cachorros

Cada cachorro reage à sua maneira. Alguns emitem ganidos e uivos quando não estão se sentindo bem, enquanto outros ficam estranhamente quietos. Certos pets se mostram agitados, movimentando-se sem parar; outros ficam na caminha ou encontram um esconderijo.

Mas, em geral, eles costumam apresentar alguns sinais mais ou menos claros. De toda forma, fique atento a qualquer alteração comportamental. Por mínimas que sejam, mudanças de atitudes rotineiras sempre são sintomas de alguma coisa errada.

Latidos curtos e prolongados, ganidos, choros e uivos sem motivo aparente são formas de os cachorros “falarem” que não estão se sentindo bem. Os mais tranquilos e tímidos podem vocalizar apenas para pessoas em quem confiam.

Os tutores devem atentar principalmente nos comportamentos diferentes. Todos os cachorros, por exemplo, podem ficar ofegantes depois de uma corrida ou de um exercício físico intenso, mas se o pet está perdendo o fôlego com frequência, ele pode estar com problemas nos pulmões ou no coração.

Sinais de que seu cachorro está doente ou com dor

01 – Apatia – os cachorros são naturalmente animais ativos e gostam de participar das novidades. Eles estão sempre rondando os tutores e, se houver crianças pequenas em casa, a brincadeira não para nunca.

Quando eles se mostram apáticos, pouco interessados em explorar coisas novas, ficam deitados em um canto, é sinal de que pode haver alguma coisa errada. Os pets podem estar se sentindo desconfortáveis, doloridos, doentes.

02 – Isolamento – quem tem um peludo em casa sabe que ele gosta de partilhar bons momentos em família. Cachorros não se importam em ser o centro das atenções (pelo menos a maioria), mas adoram estar com os tutores. Lembranças atávicas do tempo das alcateias.

Quando um cachorro se isola (alguns chagam a se esconder debaixo de móveis), ele certamente não está se sentindo bem. As dores prejudicam a capacidade de defesa e ataque e, quando eles estão doloridos, acreditam que o melhor a fazer é ficar escondidos, esperando o incômodo passar sem risco de serem alvo de algum predador que esteja rondando a vizinhança.

03 – Lambidas excessivas – quando o cachorro passa muito tempo lambendo as patas, a cauda ou os genitais, ele pode estar indicando problemas nessas áreas do corpo. É importante investigar rapidamente, porque o excesso de saliva na pele pode trazer ainda mais problemas, como dermatites e infecções sérias. Cachorros costumam lamber unhas quebradas, feridas abertas e até tumores subcutâneos.

Mesmo que não haja sinais visíveis de problemas, se o mau hábito persistir, é possível que o cachorro esteja sofrendo de estresse, ansiedade ou depressão – qualquer gesto repetitivo e desnecessário aponta para problemas emocionais, que são tão ou mais sérios que os transtornos físicos.

04 – Salivação excessiva – alguns cachorros são babões por natureza. Um old english sheepdog e um São Bernardo são conhecidos por darem verdadeiros banhos nos tutores. A baba é uma condição normal, mas o excesso indica algo errado.

A salivação excessiva pode sinalizar problemas estomacais (que vão desde náuseas leves a tumores no estômago, duodeno, etc.). Se não é uma resposta habitual, o veterinário precisa investigar as causas.

05 – Claudicação – quando um cachorro manca, ele está sinalizando estar com problemas nas pernas, articulações ou coluna vertebral. Ele pode ter se machucado em uma brincadeira ou ao descer de um móvel. São situações cotidianas que devem ser observadas.

Os animais mais velhos e os de grande porte podem estar exibindo os primeiros sinais de uma displasia de quadril ou de cotovelo. Se as pernas, a garupa ou a linha do dorso estiverem sensíveis, o peludo precisa ser avaliado por um especialista.

06 – Recusa à locomoção – alguns cães são independentes e não costumam atender ao primeiro chamado dos tutores, mas, na maioria dos casos, todos eles acorrem rapidamente, especialmente quando percebem haver uma recompensa (não é preciso que eles vejam, basta que eles escutem o “tom de voz certo” do tutor).

A negativa em atender aos chamados, a caminhar até a porta quando alguém está chegando ou a brincar indica prováveis problemas na coluna vertebral. O diagnóstico precoce e o tratamento garantem qualidade de vida; por isso, é preciso uma avaliação veterinária com urgência.

07 – Falta de apetite – os filhotes são sempre gulosos, mas cachorros de todas as idades gostam do momento das refeições. Além de encher a barriga, a oferta de alimento significa, para eles, que os líderes da matilha – os tutores – continuam cumprindo satisfatoriamente a função de provedores.

A falta de apetite é um sinal claro de dor. É provável que o peludo esteja com algum problema no sistema digestório. Os tutores devem inspecionar a boca em busca de ferimentos e observar o comportamento. Ficar mais de quatro horas recusando a comida é motivo para consultar o veterinário.

08 – Dorso arqueado – cada raça canina tem a sua constituição anatômica, mas o dorso geralmente é uma ponte entre o pescoço e a cauda, que pode ser prolongar em linha reta ou levemente inclinada, mas nunca ficar arqueada.

Quando o cachorro baixa a garupa, é muito provável que ele esteja sentindo dores abdominais. Andar encolhido significa que o desconforto está forte. Os motivos vão desde causas corriqueiras, como um ataque à lixeira, a uma intoxicação ou até mesmo uma torção gástrica.

Se você notou qualquer um dos sinais de doença ou dor, leve o seu cachorro ao médico.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui