InícioSaúdeFrontline: a solução contra pulgas e carrapatos

Frontline: a solução contra pulgas e carrapatos

A linha Frontline, fabricada pela Merial, é composta pelo Plus, Topspot e Spray. Todos são indicados para cães e gatos. Os produtos não são tóxicos, agem por contato, resistem aos banhos e apresentam efeito imediato e duradouro, que se prolonga por até seis semanas. Os princípios ativos do Frontline são o fipronil e o S-metopreno, um inibidor de crescimento.

O uso do Frontline como adulticida extermina pulgas, carrapatos e piolhos, agindo no sistema nervoso central dos parasitas, exterminando-os em apenas 24 horas, sem necessidade de que o cão ou gato seja picado. Já o inibidor de crescimento impede a eclosão dos ovos e o desenvolvimento das larvas.

Frontline: a solução contra pulgas e carrapatos

Especialistas recomendam a reaplicação do inseticida a cada seis semanas (no caso de infestações apenas por pulgas, os cães ficam protegidos por até três meses). O Frontline apresenta fórmulas específicas para gatos e cães de até 10 kg, entre 10 kg e 20 kg e entre 20 kg e 40 kg. As unidades do Plus e do Topspot são comercializadas em dose única e as do Spray em frascos de 250 e 500 ml.

Os produtos Frontline

O Frontline Plus é indicado para o controle de pulgas, carrapatos e piolhos adultos e também combate as larvas e ovos das pulgas (principal parasita urbano dos pets); é indicado também para o combate a reinfestações, reduzindo inclusive a presença dos insetos no ambiente.

O Frontline Topspot pode ser utilizado em cães adultos, fêmeas grávidas e na fase de lactação e em filhotes a partir da oitava semana de vida. A fórmula é indicada para exterminar parasitas adultos. Também é indicado para prevenir infestações.

Já o Frontline Spray apresenta ação instantânea e pode ser utilizado em filhotes a partir do segundo dia de vida e em fêmeas grávidas e lactantes. Os parasitas são eliminados imediatamente e o efeito residual do produto garante a eliminação de pulgas e carrapatos que se instalarem nas semanas seguintes.

Veja também:

As doenças combatidas com Frontline

As picadas de pulgas, carrapatos e piolhos causam grandes desconfortos, obrigando os animais de estimação (e também muitas espécies silvestres) a se coçarem incessantemente, fato que provoca irritações e feridas na pele e alopecia (perda de pelos).

As pulgas são os parasitas mais comuns em cães e gatos. No entanto, estas irritações passageiras são o menor dos problemas. As larvas destes insetos têm a alimentação baseada em ovos de solitárias (Taenia solium), que, uma vez ingeridas, passam a se desenvolver no sistema digestório das pulgas e podem infestar os pets.

As pulgas também são vetores da peste bubônica, doença transmissível aos seres humanos que reapareceu há duas décadas no continente africano. Outras enfermidades mais comuns são: tifo murino, anemia (algumas espécies continuam sugando sangue mesmo depois de saciadas), salmonelose (doença gastrointestinal que provoca diarreia e desconforto abdominal) e bicho-de-pé (quando um indivíduo da espécie Tunga penetrans invade a pele).

Uma fêmea da espécie põe entre 200 e 600 ovos durante toda a vida, a partir de um único acasalamento inicial. As larvas nascem de dois a 12 dias, mas os ovos podem permanecer em estado latente por até um ano, no caso de temperaturas muito baixas. Um ano é também o período que uma pulga pode ficar sem se alimentar.

O carrapato, também conhecido como carraça, é outro inseto hematófago (sugador de sangue, substância necessária para a maturação dos ovos) que prejudica seriamente a vida dos pets – e dos donos também. Já foram classificadas mais de 900 espécies, catalogadas nas famílias Ixodidae e Argasidae.

As fêmeas dos carrapatos produzem centenas de ovos. Logo depois da postura, os insetos morrem. Os carrapatos podem ter de um a três hospedeiros. As espécies mais comuns no Brasil são o carrapato-de-boi, o carrapato-vermelho (o mais comum entre cães e gatos), o carrapato-de-galinha (que transmite a bouba, semelhante à sífilis, aos galináceos) e o carrapato-estrela (o mais comum entre os humanos).

Os carrapatos transmitem a febre maculosa (que também acomete seres humanos e tem os sintomas iniciais muito semelhantes aos de uma gripe ou resfriado), babebiose canina (que destrói as hemácias), erliquiose canina (que também afeta humanos e gatos) e doença de Lyme (considerada a doença transmitida por vetores mais prevalente nos EUA; no Brasil, já foi diagnosticada em São Paulo e no Rio de Janeiro).

Os piolhos que afetam cães e gatos são inofensivos aos humanos. Além disto, estes insetos não sobrevivem mais de 24 horas distantes dos hospedeiros. Eles são transmitidos diretamente entre os pets e também pelo contato direto com camas, almofadas, casinhas, brinquedos, roupas, etc. A infestação leva o nome de pediculose.

Dois gêneros de piolhos atacam os animais de estimação: os Anoplura são hematófagos e podem causar anemia e fraqueza, nos casos de infestações maciças; os Malophaga são mastigadores e se alimentam de células mortas dos pelos e da pele. Estes últimos podem ser infectados por Dipylidium caninum (que também atacam gatos), responsáveis por uma verminose intestinal.

No caso de dipilidiose, o verme pode contaminar seres humanos. Nos pets, os sintomas mais comuns são a coceira em posição de trenó (esfregando o ânus contra o solo), perda de pelos, escoriações na pele e presença de proglotes (segmentos ou “anéis” dos vermes cestoides) nas fezes. Os animais ficam irritadiços e ansiosos.

Há, no entanto, casos assintomáticos de dipilidiose, que é mais comum nos meses frios. O tratamento contra piolhos é feito com medicamentos e produtos tópicos, como xampus. As lêndeas são ovos pequenos de menos de um milímetro de diâmetro que ficam grudadas nos pelos.

Outra doença grave transmitida por piolhos infectados é a febre das trincheiras, que recebeu este nome em função da transmissão muito comum entre a Primeira e Segunda Guerras Mundiais, quando os soldados ficavam entrincheirados.

O mal é causado pela bactéria Bartonella quintana, afeta humanos e gatos domésticos e selvagens e é caracterizado por febre alta, dor de cabeça, dor nas pernas, dificuldade para respirar, conjuntivite, dor abdominal, falta de apetite e inflamação dos gânglios do pescoço.
A febre das trincheiras pode evoluir para condições potencialmente letais:

• angiomatose bacilar: infecção progressiva dos vasos sanguíneos, que afeta principalmente pessoas com imunodepressão;

• endocardite: infecção na membrana mais interna do coração, que pode se expandir para o septo interventricular, válvulas cardíacas e cordas tendinosas (que abrem e fecham as válvulas);

• insuficiência cardíaca (incapacidade do coração de bombear o sangue em quantidade suficiente para dar resposta às necessidades do organismo);

• bacteriemia (proliferação de bactérias na corrente sanguínea).

Pulgas, piolhos e carrapatos, mesmo que não estejam infectados por micro-organismos, podem causar DAPP (dermatite alérgica a picadas e pulgas), um problema muito comum, que prejudica seriamente a qualidade de vida dos pets. Frontline é uma forma simples para eliminar este problema: basta aplicar uma dose mensal para livrar os nossos amigos de todos estes problemas.

Cães Online
Cães Online tem por objetivo trazer informações confiáveis sobre os melhores amigos dos humanos. Nosso contato: [email protected]
RELACIONADOS

Últimas Publicações