Origem e evolução dos cães

Subespécie do lobo, a história da origem e evolução dos cães tem início há mais de 100 mil anos.

Todos sabem que a origem dos cães começa com os lobos. As teorias sobre a evolução da espécie são concordes em afirmar que o primeiro membro destas espécies é o lobo-cinzento, que habitou as estepes do continente asiático.

Ao longo dos séculos, os seres humanos, através de cruzamentos seletivos, realizaram a seleção dos cachorros através das suas qualidades, aptidões, características físicas e comportamentos. É por isto que hoje podemos ver um mastiff (que chega a pesar 100 kg) ao lado de um chihuahua (que pesa apenas 1,8 kg). A origem e evolução dos cães, no entanto, é bem mais antiga.

mastiff

O mastiff, a maior raça canina.

A evolução do lobo

O Canis lupus é um membro da ordem carnívora, da família canídea. Os animais da espécie são descendentes dos primeiros mamíferos, que passaram a ocupar o planeta depois da extinção dos dinossauros, há 65 milhões de anos.

O lobo é originário do Período Pleistoceno Superior (300 mil anos atrás), sendo um sobrevivente da última Era do Gelo. As diversas espécies revelaram uma grande capacidade de adaptação, tornando-se predadores em florestas temperadas, tundras, taigas, desertos, montanhas, campos e até áreas urbanas.

Um chihuahua, representante dos menores cães atuais.

Um chihuahua, representante dos menores cães atuais.

Atualmente, existem três espécies de lobos: cinzento (Canis lúpus), etíope (Canis simensus) e vermelho (Canis rufus). Os demais, inclusive o cachorro, são considerados subespécies.

A facilidade de adaptação é devida a uma característica básica: um lobo pesa, no máximo, 50 kg, mas, quando ataca em bando, consegue abater presas até dez vezes mais pesadas. A organização social foi fundamental para garantir a sobrevivência das espécies.

Uma curiosidade: os lobos tendem a ter o peso e tamanho aumentados de acordo com a latitude (teoria prevista por Christian Bergmann, anatomista alemão que viveu no século XIX e estabeleceu uma das leis da genética: indivíduos nativos de regiões boreais tendem a ser maiores do que os habitantes das regiões tropicais)).

Os lobos, ancestrais diretos dos cães – ou talvez a mesma raça.

Os lobos, ancestrais diretos dos cães – ou talvez a mesma raça.

Um lobo norte-americano (habitante de localidades próximas ao golfo do México) pesa 36 kg, enquanto animais do Alasca e da Sibéria (Rússia) atingem 80 kg. Esta, talvez, seja uma chave para entender as diferenças encontradas em nossos atuais cachorros.

A origem dos cães

Da mesma forma que todos os estudos sobre a teoria da evolução, a origem e evolução dos cães é baseada em teorias. Isto não significa que ela não seja verídica – a explicação proposta inicialmente por Charles Darwin e Gregor Mendel é comprovada por diversas investigações científicas –, apenas que não há provas concretas sobre o surgimento dos seres vivos.

Uma das teorias sobre o processo da domesticação dos cachorros estabelece a separação entre o lobo (Canis lupus) e o cão (Canis lupus familiaris) há 135 mil anos. Em alguns sítios arqueológicos, foram encontrados esqueletos de cachorros (ainda muito semelhantes ao lobo-cinzento) misturados a ossadas humanas.

Isto comprova que, há 135 mil anos, os cães já eram muito próximos ao Homo sapiens – a ponto de serem enterrados com os seus parceiros humanos. Outros estudos sugerem que a cooperação entre canídeos e humanos é mais recente – 30 mil anos – com uma evolução intensa tendo sido verificada há 15 mil anos, especificamente no atual Iraque.

A Mesopotâmia, no Oriente Médio, região entre os rios Tigre e Eufrates, abrigou as primeiras civilizações humanas. Sucessivamente, o território foi ocupado por sumérios, caldeus, assírios e babilônios (entre 4000 a.C. e 500 a.C.). As primeiras formas de ocupação são ainda mais antigas, datando de nove mil anos atrás. E o cachorro já estava lá, responsável pela caça e proteção das aldeias.

O kuvasz, ou pastor húngaro, cujas origens remontam ao norte do Irã, há nove mil anos.

O kuvasz, ou pastor húngaro, cujas origens remontam ao norte do Irã, há nove mil anos.

Os primeiros “melhores amigos do homem” não latiam. Na natureza, o silêncio é um instrumento fundamental para a caça e também para não despertar a atenção dos predadores. Os latidos surgiram apenas quando os cães passar a ter necessidade de emitir sons de alerta; antes disto, os ancestrais dos cachorros emitiam apenas uivos.

Mesmo assim, o latido é inerente aos cães. Nas alcateias, os lobos desenvolveram vocalizações específicas para se comunicar com os membros. Cada indivíduo emite um som específico. Nas matilhas – e os cães consideram que os humanos fazem parte da sua matilha – os cachorros criam ruídos específicos para demonstrar satisfação, medo, raiva, etc.

Ao que tudo indica, o início da convivência entre humanos e cães não foi fácil. O relacionamento não se baseava em cooperação, mas em competição por alimento. Na última era do gelo (ou era glacial), que atingiu seu apogeu há 20 mil anos e cobriu o norte da América, Europa e Ásia com espessos mantos de neve, a caça se tornou muito escassa.

Os nossos ancestrais precisavam competir com os lobos, para obter alimento e sobreviver. A maior parte das presas migrou para regiões mais quentes, entre os trópicos de Câncer e de Capricórnio, deixando o norte pobre de recursos de nutrição.

A parceria com humanos

Alguns lobos aprenderam que, ao lado das aldeias humanas primitivas, era fácil obter restos de comida. Parte destes indivíduos, mais dóceis, aproximou-se dos humanos, aceitando afago e aproveitando o calor das fogueiras. Em algumas gerações, cães e humanos passaram a caçar em equipe: estava estabelecida uma parceria que perdura até hoje.

Com o tempo, os cães deixaram de caçar sozinhos e passaram a ter o homem como fonte exclusiva de alimento. Foi aí que começou uma das mais sólidas amizades do Reino Animal. Os cachorros enxergam, nos humanos, os machos alfas das matilhas.

Um macho alfa é o indivíduo que lidera o bando, tem direito aos primeiros bocados das prezas e também a cruzar com as fêmeas. Quando um cachorro respeita o dono, está apenas identificando o seu lugar na hierarquia da matilha.

Nos anos seguintes, a humanidade aprendeu a criar animais e, em poucas décadas, a plantar o próprio alimento. Os cães, no entanto, não perderam a funcionalidade: eles se tornaram guardiães do patrimônio que começava a se formar. Paulatinamente, nossos amigos de quatro patas se transformaram em agentes de segurança, guarda e, posteriormente, de companhia.

Em maioria, nós (humanos) não caçamos nem criamos gado – e quase nunca para obter alimento –, mas os cachorros se revelaram bastante versáteis: eles se tornaram úteis para a proteção, pastoreio, segurança, ataque, guerra, tração, exterminação de pragas e, mais recentemente, ao combate ao tráfico de armas e drogas, à condução de deficientes visuais e até mesmo como auxiliares terapêuticos no apoio a crianças em orfanatos, pacientes internados em hospitais e idosos em asilos.



Gostaria de receber histórias sobre cachorros no Facebook? Clique para curtir o Cães Online
Receba atualizações do Cães Online no seu email,
ganhe brindes e participe de promoções!
É gratuito!

Também Recomendamos

Comente