Cachorra adotada se recusa a deixar o amigo para trás

Ao sair do abrigo, a cachorra não quis deixar o melhor amigo para trás. A solução foi a adoção dupla.

Lucy e Sully se tornaram grandes amigos no canil em que foram acolhidos. Mas, quando a instituição encontrou um candidato interessado na cachorra, ela não quis deixar o companheiro para trás, mesmo com a perspectiva de uma vida nova.

Os dois cachorros foram recolhidos na Lexington Humane Society em momentos diferentes. Não se sabe muito sobre a história dos peludos, mas Lucy foi encontrada perambulando nas ruas, enquanto Sully nasceu no abrigo, chegou a ser adotado, mas foi devolvido pela família humana tempos depois.

cachorra-adotada-se-recusa-a-deixar-o-amigo-para-tras
ALAINA BRINTON

Amizade à toda prova

Lucy tinha entre quatro e cinco anos quando foi encaminhada ao abrigo em Lexington, Kentucky (centro-leste dos EUA). Sully era ainda um filhote quando foi devolvido. A cachorra tornou-se uma espécie de mãe postiça para o pequeno.

Alaina Brinton é uma jovem americana que se mudou para o Kentucky quando deu início à vida profissional. Ela veio de Rhode Island, onde tinha acabado de perder o cachorro que a viu crescer e era um amigo íntimo.

cachorra-adotada-se-recusa-a-deixar-o-amigo-para-tras
ALAINA BRINTON

Ao se instalar em Lexington, Alaina decidiu que já era tempo de superar o luto e encontrar um novo parceiro. Quando acessou o site da Humane Society, a jovem se deparou com fotos de Lucy – foi amor à primeira vista.

Alaina entrou em contato com a ONG por telefone e foi informada sobre os vínculos entre Sully e Lucy logo na primeira conversa. A jovem entendeu que valia a pena conhecer a cachorra, apesar de adotar dois cachorros ao mesmo tempo não estar nem perto dos seus planos.

cachorra-adotada-se-recusa-a-deixar-o-amigo-para-tras
ALAINA BRINTON

Ao visitar o abrigo pessoalmente, a jovem pôde constatar que a ligação entre Lucy e Sully era muito forte, algo que não poderia ser rompido. Ela estava impressionada com a elegância e o porte da cachorra, mas Sully também se empenhou em demonstrar as melhores qualidades.

Alaina percebeu que não tinha muitas opções: ou levava a dupla para casa, ou não poderia levar nenhum deles. Era evidente que a cachorra não deixaria o melhor amigo – um filho postiço – para trás.

cachorra-adotada-se-recusa-a-deixar-o-amigo-para-tras
ALAINA BRINTON

Ao chegar em casa e instalar os cães no novo espaço, Alaina constatou que os dois peludos eram muito importantes um para o outro. Os dois estavam desconfiados, mas cada cachorro reagiu de forma diferente.

Enquanto Lucy se mostrou mais corajosa, aventurando-se para descobrir as novidades da  casa, Sully se limitava a seguir a amiga, com quem ele se sentia seguro. A cachorra, por seu lado, parecia fortalecida com a presença do companheiro.

Para ambos, o novo ambiente, mesmo sendo muito melhor do que qualquer abrigo jamais poderia ser, ficava menos assustador com o amigo ao lado. Um protegia o outro e, em caso de perigo, eles saberiam se defender.

cachorra-adotada-se-recusa-a-deixar-o-amigo-para-tras
ALAINA BRINTON

Não havia nenhum perigo oculto, obviamente. Apenas uma casa ampla e confortável, preparada para receber dois cachorros. Na verdade, Alaina havia preparado apenas uma cama, mas isto não foi problema, já que Sully se alojou rapidamente ao lado de Lucy.

Para a jovem tutora, os primeiros meses de vida em comum foram amplamente facilitados porque os cachorros tinham um ao outro. Unidos, eles se mostravam equilibrados e tranquilos – a família perfeita que Alaina queria conquistar.

O tempo passou. Sully e Lucy vivem com Alaina há sete anos. Os dois cachorros continuam fazendo quase tudo juntos. Além dos passeios diários, eles brincam e cochilam, fazem as refeições e tomam conta da casa, fazendo a ronda nos cômodos e no quintal.

cachorra-adotada-se-recusa-a-deixar-o-amigo-para-tras
ALAINA BRINTON

Eles formam uma dupla perfeita e, ao encontrar um deles, pode-se ter certeza de que o outro não está muito distante. Lucy é mais independente e firme nas reações, enquanto Sully é manhoso e carente. Talvez eles sejam a prova de que personalidades opostas se atraem.

Hoje em dia, os dois cachorros já podem ser considerados idosos. Sully é maior e continua muito ágil, enquanto Lucy começa a sentir os sinais de idade. Mesmo assim, o “filho” adapta o ritmo das atividades, para não precisar se afastar da “mãe”.

Sully ainda corre veloz pelas alamedas da praça todos os dias, quando a família Brinton sai para passear. Mas, rapidamente, ele volta sobre os próprios passos, para continuar aproveitando a caminhada com Lucy e Alaina. É sempre uma grande satisfação vê-los reunidos.

Alaina contou que é muito prazeroso ver a atitude dos dois cachorros. Quando a tutora solta Sully no parque dos cães, ele corre e salta o tempo todo, mas volta a cada minuto para verificar se está tudo bem com Lucy. Em seguida, sai correndo de novo.

Receba notícias e histórias do Cães Online no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/caesonline.

Postagens Relacionadas