Jovem pula no mar para salvar cachorra

A cachorra estava se afogando e o jovem não pensou duas vezes: saltou no mar para salvá-la.

Um jovem que estava próximo a um atracadouro em Brighton (região metropolitana de Melbourne, capital de Victoria, no sudeste da Austrália) se tornou o herói do dia: ele pulou na água, sem pensar muito no que estava fazendo, e salvou uma pequena cachorra que estava se afogando.

Bibi é uma cachorra mestiça de shih-tzu e maltês que estava passeando à beira-mar com a sua tutora, quando fortes rajadas de ventos a levantaram. A peludinha foi arrastada e caiu no mar, antes que Sue Drummond pudesse esboçar qualquer reação.

jovem-pula-no-mar-para-salvar-cachorra

Um resgate improvável

Raden Soemawinata estava no lugar certo, na hora certa. Trata-se de um jovem de 20 anos, que vive na Noruega. Ele estava na Austrália para cumprir o último desejo da avó: ter as cinzas espalhadas nas águas da baía de Port Phillip, que banha Melbourne.

Enquanto o jovem estava cumprindo o desejo da avó, ele percebeu certa agitação no píer. Sue Drummond mostrava-se desesperada, tentando encontrar uma maneira de resgatar Bibi das águas do mar.

O jovem rapidamente identificou a cachorrinha, boiando na água. Ela estava aterrorizada: as ondas não teriam muito trabalho para arrastá-la, afastando-a da costa australiana. Rapidamente, Raden tirou as roupas e mergulhou na baía.

Tudo aconteceu em poucos instantes. Raden nadou em direção da cachorrinha e conseguiu trazer Bibi de volta ao atracadouro, onde Sue a esperava. Extremamente leve, não foi difícil levantar a peludinha para que a tutora a puxasse para a segurança.

jovem-pula-no-mar-para-salvar-cachorra

Sue estava realmente emocionada. A tutora imaginou que nunca mais veria a companheira fiel que a acompanha há quatro anos. A ação de Raden foi considerada, pelos transeuntes que acompanharam o salvamento, como um gesto verdadeiramente heroico.

Todos queriam cumprimentar o salvador de Bibi. O jovem, no entanto, procurou minimizar o fato. Ao Herald Sun, um jornal de Melbourne, ele apenas declarou: “Estava frio e ventando, mas entrar na água não foi uma decisão tão difícil, não foi um feito tão grande”.

Raden, que estuda Gastronomia em Oslo e faz fotos como modelo, lembrou que já teve de tirar a roupa e entrar na água gelada em situações piores. As coleções de verão da moda praia são sempre fotografadas no inverno, para que as imagens possam ser usadas nas campanhas publicitárias.

jovem-pula-no-mar-para-salvar-cachorra

Apesar da modéstia de Raden, Sue fez questão de demonstrar a alegria e o reconhecimento pelo gesto, que, para todos que o presenciaram, foi realmente heroico. A tutora abraçou o jovem ainda com o corpo molhado, logo que ele também subiu ao píer, depois de ter colocado Bibi a salvo.

Aos repórteres, Sue disse que não se arriscou a tentar salvar a cachorrinha porque não tem experiência em nadar no mar aberto. Apesar de a baía de Port Phillip ser relativamente rasa, ela é navegável em toda a sua extensão – de quase dois mil quilômetros quadrados.

Aliviada, a tutora relatou à imprensa, que correu célere para o local do acidente: “Eu não tinha certeza se conseguiria pegar a Bibi e voltar à praia com a cachorra se debatendo. Achei que ela ia afundar na água e talvez não conseguisse encontrá-la”.

jovem-pula-no-mar-para-salvar-cachorra

Sue também contou que ficou ainda mais apavorada porque, poucos dias antes, ela leu a notícia sobre o afogamento de um cachorro em Dorset, uma pequena vila no norte da Tasmânia –, que caiu no mar de uma altura de três metros. O filhote de dogue alemão, de um ano, chegou a nadar cerca de 1,5 quilômetro até embarcar em um iate, mas acabou morrendo de exaustão.

Bibi, no entanto, parece não ter conseguido avaliar a dimensão do problema em que se envolveu. Apesar do mergulho forçado nas águas frias da baía, ela voltou a exibir o comportamento amigável e agitado de sempre, poucos minutos depois do salvamento.

Os cachorros e a água

Os cachorros, em geral, são bons nadadores. Não é o caso de Bibi, uma mistura de shih tzu e maltês, duas raças de focinho achatado e pouca resistência respiratória. De qualquer forma, a maioria gosta de brincar na água e consegue se aventurar em rios e lagoas.

Quem tem um poodle, por exemplo, não deve deixar de exercitá-lo em uma piscina, sempre que houver oportunidade. A raça foi desenvolvida para mergulhar em lagoas na Alsácia-Lorena (França, fronteira com Alemanha), para resgatar aves abatidas pelos tutores. Eles adoram um mergulho.

Postagens Relacionadas