NILIF: Uma técnica especial de adestramento para cachorros

Por: em

Desenvolvida nos EUA, a técnica NILIF promete resolver os problemas de adestramento.

NILIF (“nothing in life is free”, ou nada na vida é grátis) é um programa de adestramento para cachorros que propõe ensinar os pets a reconhecer os tutores como líderes, a partir de uma série de técnicas sem confronto.

Os vínculos

Vínculo é a palavra-chave na técnica NILIF. Trata-se da relação construída entre os tutores e os seus cachorros, que são recompensados sempre que respondem de forma aos comandos da família humana.

O tutor deve ser entendido como o líder, o alfa da matilha. Uma vez que o cachorro assimile esta condição, ele seguirá naturalmente as orientações e determinações da chefia. Ao ganhar prêmios, os pets reforçam os vínculos de amizade com os humanos – e tanto caninos quanto humanos são animais sociáveis, precisam dos elos com a família.

Adestramento cães

Os pré-requisitos

A técnica NILIF condiciona a confiança dos cães organizando regras e premiando bons comportamentos. Os desenvolvedores garantem que, em pouco tempo, os cachorros passam a obedecer voluntariamente aos comandos dos tutores. O emprego do programa independe da idade, porte ou tipo de temperamento dos pets.

O adestramento deve ser usado para prevenir ou corrigir condutas compulsivas, como destruição de objetos ou territorialismo excessivo. Os cachorros se tornam mais previsíveis e confiantes, consequentemente menos ansiosos.

Para este programa, os pets já devem conhecer alguns comandos básicos, como “fica”, “senta” e “vem”. Para adotar a técnica NILIF, os tutores precisam providenciar:

  • petiscos (à disposição em diversos ambientes da casa);
  • brinquedos da preferência do pet;
  • coleira e guia, para o treinamento durante os passeios.

O treinamento tem início em casa, com a familiarização dos comandos básicos assimilados anteriormente aos petiscos espalhados. Em seguida, é possível ensinar truques mais elaborados, como saltar obstáculos, ou comportamentos mais sofisticados, como não roubar alimentos deixados em uma mesa baixa.

Em uma segunda etapa, a técnica NILIF pode ser empregada em passeios, começando por regiões conhecidas pelos cachorros e explorando novos lugares e situações. O programa de adestramento é útil também em viagens, caminhadas pelo campo, etc.

Público alvo

O NILIF é especialmente indicado para prevenir, atenuar ou eliminar os seguintes comportamentos dos pets:

ansiedade da separação – a técnica se propõe a ensinar os cachorros que eles só conseguem a atenção desejada quando obedecem aos comandos dos tutores. Portanto, a ansiedade nos momentos em que estão sozinhos tende a desaparecer;

agressividade excessiva –os pets que avançam sobre objetos membros da família (humanos e outros animais de estimação) aprendem respostas mais adequadas;

medo excessivo – o NILIF faz com que os cachorros tenham inúmeras oportunidades de recompensa quando se mostram centrados e equilibrados, eliminando os fatores de medo e estresse;

hiperatividade – a técnica reduz as respostas inadequadas, porque os pets aprendem a conseguir recompensas e assimilam os comportamentos desejados.

O funcionamento

A técnica NILIF estimula os cachorros a trabalharem para obter o que desejam. O “trabalho”, neste caso, consiste em seguir os comandos apresentados pelos tutores, tanto os básicos como os mais elaborados, como dar a pata, rolar no chão, fingir de morto, etc.

Os desejos dos pets – as recompensas – são expressados em alimento, carinho, cuidados, além de autorização para entrar e sair, subir em camas e sofás, ganhar brinquedos, cumprimentar um visitante, etc.

Os tutores precisam aprender a ignorar completamente os comportamentos exigentes e insistentes dos pets. Isto inclui não dar atenção aos ganidos e choramingos, latidos insistentes, tentativas de pular, lamber ou morder os tutores, etc.

Nestas situações e em diversas outras, os tutores precisam:

  • advertir os pets com palavras firmes;
  • apresentar comandos;
  • retirá-los do ambiente;
  • apenas olhar firmemente para os pets, obrigando-os a um “tête à tête”.

Os tutores devem sempre ignorar as condutas inadequadas e reprimir os erros. Se o cachorro insiste em subir no sofá, por exemplo (e a família não deseja estimular este hábito), ele deve ser retirado da sala. Ao retornar, se o pet ficar no tapete, precisa ser recompensado imediatamente, para associar o prêmio ao comportamento esperado.

Os cuidados

Os tutores precisam certificar-se, antes de adotar a técnica NILIF, que os cachorros conseguem compreender o que se espera deles. Eles precisam já ter aprendido o que significa “não” ou “para”, por exemplo.

O NILIF não prevê o confronto. Se o pet decidir não acatar o comando do tutor, ele simplesmente deve ser excluído da atividade ou retirado do ambiente, sem longas reprimendas que os cachorros não conseguem apreender.

O núcleo do programa está em acreditar que os cachorros são capazes de refletir e prever. De acordo com o NILIF, os cachorros entendem gradualmente as determinações dos tutores, mas precisam assimilar estas ordens. Desta forma, o “castigo” por uma resposta inadequada é a falta de interação, e não um local para ficar preso nem, muito menos, maus tratos físicos.

Os tutores devem ter em mente que o adestramento é um processo. Nenhum cachorro nasce sabendo o que deve fazer, mesmo porque as regras mudam de família para família. Algumas frustrações são inevitáveis, para os humanos precisam ser persistentes e recomeçar tantas vezes quantas sejam necessárias.

O método é natural, leva os pets a entender as regras e principalmente as vantagens que podem obter se aceitá-las. Os petiscos usados como prêmios devem ficar à disposição por dois ou três meses, um período consideravelmente maior do que o normalmente empregado em outras técnicas de adestramento.